:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

 

A Ascensão  de JESUS e a

 

Vinda do Divino Espírito Santo.

 


 
O Divino Espírito Santo.

 

www.obradoespiritosanto.com

 

           

 

            O Senhor despede-se dos seus.

 

            Na véspera da ascensão veio Jesus, com cinco discípulos à casa de Lázaro, em Betânia, onde se encontraram com Maria e as outras santas mulheres. Muito povo se reuniu em redor da casa, para ver mais uma vez Jesus e despedir-se dEle. O Divino Mestre apareceu à gente de fora, benzeu e distribuiu-lhes muitos pãezinhos; depois se afastaram.

         Na casa tomou Jesus, em pé, um refresco com os discípulos, que choravam amargamente, porque ia deixá-los. Ele, porém, disse: “Por quê chorais, queridos irmãos? Vede esta mulher, que não chora”. Dizendo-o, apontou para a Mãe Santíssima.

         Jesus despediu-se mais intimamente de Lázaro. Deu-lhe do pão bento a comer, abençoou-o e apertou-lhe a mão.

         Depois se encaminharam todos, com exceção de Lázaro, que morava escondido em casa, para Jerusalém, onde Nicodemos e José de Arimatéia prepararam uma refeição.

 

         “Vi Jesus, com os Apóstolos, andando por vários caminhos, em redor do Monte das Oliveiras; os outros grupos O seguiam. Às vezes parava Jesus, para lhes explicar alguma coisa. Todos estavam em grande angústia, alguns choravam; outros estavam muito abatidos. Vi um deles pensando: “Quando Ele for embora, quem será o mestre? E como se cumprirá tudo o que foi prometido a respeito do Messias?”

         Pedro e João parecia-me mais calmos e compreendendo tudo melhor. Muitas vezes faziam perguntas ao Senhor e Ele parava, explicando-lhes muitas coisas. Assim andaram até à noite. O Senhor parava freqüentemente, estava muito sério, ao ensinar-lhes, às vezes desaparecia repentinamente. Então ficavam muito assustados, mas de repente lhes voltava de novo. Era como se quisesse prepará-los para a próxima separação. Vi-os andando por belas campinas, por caminhos agradáveis e debaixo de árvores. O sol brilhava lindamente à tarde.

 

         Quando Jesus e os Apóstolos se aproximaram da casa do banquete, já o sol se tinha posto. Maria, Nicodemos e José de Arimatéia vieram-Lhe ao encontro em frente à casa. Jesus entrou ao lado de sua Mãe. As outras mulheres vieram mais tarde. Depois de lhes haver dito algumas palavras e de terem chegado os outros discípulos, Jesus entrou na grande sala do banquete. Benzeu o peixe, o pão e as verduras e ofereceu a todos; cada um recebeu um bocado.

         Durante o banquete, Jesus não deixou de ensinar-lhes, com palavras muito sérias. Vi as palavras saírem-lhe da boca como raios de luz e entrarem na boca dos Apóstolos, num mais depressa, noutro mais vagarosamente, conforme o grau de desejo ou sede de doutrina de Jesus.

 

         No fim da refeição Jesus benzeu também um cálice de vinho, bebeu e ofereceu-o aos outros e todos beberam. Mas não foi o Santíssimo Sacramento.

         Depois dos discípulos se terem levantado do ágape (refeição), reuniram-se os outros, que comeram nas salas laterais, debaixo das árvores, em frente à grande sala; vi Jesus aproximar-se-lhes, ensinar-lhes por muito tempo e abençoá-los; depois se afastaram.

 

         Vi então as outras mulheres, que nesse meio tempo tinham chegado, entrarem no jardim, debaixo das árvores. A Santíssima Virgem estava com elas. Jesus aproximou-se-lhes e deu a mão a sua Mãe. Falou-lhes muito sério. Todas estavam muito comovidas e senti que Madalena desejava veemente abraçar os pés do Senhor. Tendo-lhes falado assim por algum tempo e depois de as haver abençoado, deixou-as Jesus. Choraram muito, mas silenciosamente, abafando a dor; a Santíssima Virgem, porém, não a vi chorar, nessa ocasião.

 

         Ao aproximar-se a meia noite, saiu Jesus com os Apóstolos, tomando o caminho pelo qual viera à cidade no domingo de Ramos. Maria seguiu depois dos Apóstolos e após ela, um grupo de discípulos. Muita gente se lhes aproximou no caminho e o Senhor falou-lhes.

         “Em companhia dos onze apóstolos, cerca de trinta discípulos, a Santíssima Virgem e algumas mulheres, dirigiram-se ao Cenáculo.

 

         Só Jesus, os onze e Maria penetraram na sala interior; os discípulos entraram nas salas laterais, onde havia bancos de dormir, não sei se dormiram ou rezaram. As companheiras de Maria ficaram no vestíbulo. Foi preparada a mesa da última Ceia e aceso o candeeiro. Havia na mesa apenas um pão ázimo e um pequeno cálice. Os Apóstolos revestiram-se das vestes de cerimônia e Pedro pôs a veste própria de sua dignidade. A Santíssima Virgem sentou-se em frente ao Senhor. Vi Jesus fazer o mesmo que fizera na última ceia: marcar o pão, oferecê-lo a Deus, partir, benzer e dá-lo aos discípulos; depois beberam também do cálice, sem que o enchessem de novo. Vi o Santíssimo Sacramento brilhando, ao pronunciar Jesus as palavras, penetrar como um pequeno corpo luminoso na boca dos Apóstolos. Na consagração do cálice, se lhe derramou a palavra sacramental no cálice como um rubro fulgor de sangue. Madalena, Marta e Maria Cleofé já tinham recebido o SS. Sacramento nos últimos dias.

 

         No começo da noite fizeram a oração e cantaram com mais solenidade do que comumente, à luz do candeeiro. Jesus deu mais uma vez a Pedro poder sobre os outros. Impôs-lhe mais uma vez o manto, repetindo o que dissera, ao aparecer-lhes na praia do lago Tibérias e no cume da montanha. Ensinou ainda sobre o batismo e a bênção da água. – durante a oração e a doutrina, já pela manhã, vi ainda cerca de dezessete discípulos, dos mais íntimos de Jesus, atrás da SS. Virgem, na sala do Cenáculo.

 

         Antes de saírem de casa, o Senhor apresentou-lhes a Santíssima Virgem como centro e intercessora dos fiéis. Pedro e os outros inclinaram-se diante dela; Maria, porém, abençoou-os.

         No momento em que isso se deu, vi Maria revestida, de um modo sobrenatural, de um grande manto, de cor azul celeste, colocada sobre um trono, tendo na cabeça uma coroa. Era um símbolo de sua dignidade”.

 

 

            Jesus sobe ao céu

 

 

            Ao amanhecer do dia, saiu o Senhor do Cenáculo, conduzindo os onze Apóstolos pelas ruas de Jerusalém, por todo o caminho da Paixão. Seguiram-nos Maria e um grupo de discípulos. Onde se dera uma cena da Paixão, demorava-se alguns momentos, explicando-lhes a significação do lugar ou um trecho dos profetas referente a isso. Onde, porém, os judeus tinham obstruído o lugar, para impedir a veneração dos fieis, mandou Jesus tirar esses obstáculos.

 

         Assim saíram da cidade e vieram a um jardim ou lugar de oração, onde se sentaram à sombra das árvores e Jesus ensinou e consolou-os. Como no entanto começava a amanhecer, tornaram-se-lhes os corações um pouco mais alegres, na esperança de que Jesus ainda ficasse com eles.

 

         Aproximaram-se então muitas turbas de povo. Jesus continuou o caminho para o monte Calvário e dali para o Monte das Oliveiras, onde se sentou novamente num jardim, falando ainda muito tempo com os discípulos, como para terminar a sua obra.

 

         Já estava reunida numerosa multidão em redor de Jesus e por toda a redondeza; em Jerusalém correu o boato do grande concurso de povo no Monte das Oliveiras, ao qual se juntaram novos grupos da cidade.

         Então se dirigiu o divino Salvador do Horto de Getsêmani e subiu o Monte das Oliveiras.

         “A multidão caminhava como em procissão, subindo o monte pelos diversos caminhos, de todos os lados e muitos grupos passavam pelas moitas, pelas sebes e cercas.

 

         O Senhor, porém, tornava-se cada vez mais resplandecente e ligeiro. Os discípulos seguiam-no, mas não mais podiam alcançá-Lo. Tendo o Senhor chegado ao cume do monte, brilhava como a luz branca do sol. Do céu, porém, desceu sobre Ele um circulo luminoso, que brilhava com todas as cores do arco-íris. Todos os que O seguiram, ficaram parados, em vasto círculo, como que ofuscados. O Senhor brilhava ainda mais do que o esplendor que o cercava. Pousando a mão esquerda sobre o peito, abençoou com a direita elevada todo o mundo, virando-se para todos os lados. A multidão ficou imóvel, vi que todos foram abençoados. Jesus não abençoava como os rabinos, com a mão aberta para a frente, mas como os bispos cristãos. Senti com grande felicidade esse benção sobre todo o mundo.

 

         Então se lhe uniu o próprio esplendor à luz do alto e notei que se tornava invisível, a partir da cabeça, dissolvendo-se-lhe a figura na luz celeste e desaparecia como que subindo. Era como se um sol entrasse no outro ou como uma chama entrando numa luz ou uma centelha numa chama. Era como se se fitasse o sol radioso do meio-dia e ainda mais branco e claro; o pleno dia parecia escuro, em comparação com aquela luz. Quando já não se Lhe via mais a cabeça, ainda se podia distinguir-Lhe os pés resplandecentes, até que desapareceu inteiramente, no esplendor do céu. Inúmeras almas vieram de todos os lados, entrando nessa luz e desapareceram no céu com o Senhor. Não posso dizer que O vi tornar-se cada vez mais pequeno, como algo que voa no ar; mas vi-O desaparecer numa nuvem de luz.

 

         Ao aparecer a nuvem luminosa, caiu, por assim dizer, um orvalho de luz sobre todos e não podendo mais suportar essa luz, ficaram todos cheios de espanto e admiração. Os Apóstolos e discípulos achavam-se mais perto de Jesus; estavam em parte deslumbrados e olhavam para baixo; muitos se prostraram por terra. A santíssima Virgem estava logo atrás dos Apóstolos, olhando tranqüilamente para a frente.

 

         Após alguns momentos, quando o esplendor diminuiu um pouco, toda a assembléia, no maior silêncio e nas mais intensas emoções da alma, olhou para a luz do alto, que ainda ficou por algum tempo. Nessa luz vi descer duas figuras, no começo pequenas, crescendo cada vez mais e aparecer, com vestes longas e brancas e um bastão na mão, como profetas, falando à multidão; as vozes soavam alto e forte, como a de trombetas e parecia-me que as deviam ouvir em Jerusalém. Não se movimentam, mas estavam inteiramente imóveis, ao dizer as poucas palavras: “Homens da Galiléia, que estais aí olhando para o céu? Esse Jesus que acaba de vos ser arrebatado, para subir ao céu, voltará como o vistes subir ao céu”. Tendo dito essas palavras, desaparecerem.

 

         O esplendor, porém, ficou ainda por algum tempo, até que afinal se desfez, como do dia se passa à noite. Os discípulos estavam fora de si, sabiam agora o que lhes tinha sucedido: O Senhor tinha ido embora para o Pai Celestial. Muitos caíram por terra de dor e atordoamento. Enquanto desaparecia o esplendor, recobraram ânimo e ergueram-se, cercados pelos outros. Muitos formaram grupos, as mulheres aproximaram-se também e assim se demoraram ainda, olhando para o céu, pensando e falando sobre o sucedido; depois voltaram os discípulos a Jerusalém, seguidos pelas mulheres. Alguns dos mais simples choravam como crianças, outros se conservavam recolhidos e pensativos. A Santíssima Virgem, Pedro e João estavam muito tranqüilos e consolados. Vi, porém, também muitos outros que não estavam comovidos, mas descrentes e duvidosos e que apartaram dos outros e se afastaram; pouco a pouco se dispersou toda a multidão.

 

         No lugar onde Jesus subiu ao céu, havia uma grande laje, sobre a qual o Divino Mestre estava ensinado ainda, antes de dar a bênção e desaparecer nas nuvens luminosa. As pegadas do Senhor ficaram impressas na pedra e numa outra se imprimiu uma das mãos da Santíssima Virgem.

 

         Meio dia já tinha passado, quando toda a multidão acabou de dispersar-se. Os discípulos e a Santíssima Virgem dirigiram-se ao Cenáculo. Sentindo a princípio a separação de Jesus, estavam inquietos e julgavam-se abandonados. Quando, porém, se acharam reunidos no Cenáculo, encheram-se todos de consolação, principalmente pela presença calma da Santíssima Virgem no meio deles e, confiando inteiramente na palavra de Jesus, de que Maria lhes seria o centro, a Mãe e intercessora, recuperaram a paz de coração.

        

 

            Preparação dos Apóstolos e discípulos para a vinda do Espírito Santo

 

 

            Os dez dias entre a ascensão do Senhor e a vinda do Espírito Santo passaram-nos os Apóstolos reunidos com a Santíssima Virgem, no Cenáculo. Reuniram-se freqüentemente para a oração, na sala da última Ceia, em que observavam uma ordem mais rigorosa do que o grande número de discípulos e fiéis, também presentes. Demais viviam muito recolhidos, tremendo também a perseguição dos Judeus.

 

         Um dia Pedro, estando no meio dos Apóstolos, vestido da vestidura episcopal, propôs a eleição de um Apóstolo em lugar de Judas, indicando a José Bársabas e Matias para esse fim. Ambos nunca tinham pensando nisso, nem desejado tal dignidade, enquanto muitos dos discípulos que assistiram à eleição, desejavam ser Apóstolos.

 

         Matias, apesar de mais delicado e fraco, por possuir maior fortaleza da alma foi preferido por Deus a Bársabas, que era jovem, na flor da idade. Como a piedosa Emmerich relata em poucas palavras apenas esse acontecimento importante, damos a seguir aqui a bela narração dos Atos dos Apóstolos de S. Lucas (1, 15-26):

         Naqueles dias, levantando-se Pedro no meio dos Irmãos (e montava a multidão dos que ali se achavam juntos, a quase cento e vinte pessoas), disse: Irmãos, é necessário que se cumpra a Escritura, em que o Espírito Santo predisse, pela boca de Davi, acerca de Judas, que foi o condutor daqueles que prenderam Jesus; e o qual estava entre nós alistado no mesmo número e a quem coube parte deste ministério. E este possui de fato um campo do preço da iniqüidade; e depois de se enforcar, arrebentou pelo meio e todas as entranhas se lhe derramaram na terra. E tão notório se fez a todos os habitantes de Jerusalém este fato, que se ficou chamando aquele campo, na língua deles, Hacéldama, isto é, campo de sangue. Porque escrito está no livro dos Salmos: Fique deserta a habitação dele e não haja quem nela habite e receba-lhe outro o seu cargo. Convém, pois, que destes homens, que têm estado juntos na nossa companhia, todo o tempo em que viveu entre nós o Senhor Jesus, começando desde o batismo de João, até o dia em que foi arrebatado ao céu, que um dos tais seja testemunha conosco da ressurreição.

         E propuseram dois: José, que era chamado Bársabas, o qual tinha por sobrenome o Justo e Matias. E orando, disseram: Tu, Senhor, que conheces os corações de todos, mostra-nos destes dois a quem escolheste, para que tome o lugar deste ministério e apostolado, do qual pela prevaricação decaiu Judas, para ir ocupar-lhe o lugar. E a respeito lançaram sortes e caiu a sorte sobre Matias, que foi contado no número dos Apóstolos.

 

           

 

A vinda do Divino Espírito Santo.

 

 

            Para a santa festa de Pentecostes enfeitaram a sala da última Ceia festivamente, com árvores, grinaldas e flores. Nas vésperas da festa, Pedro benzeu dois pães ázimos, partiu e distribuiu-os aos Apóstolos e à Santíssima Virgem. A cidade, porém, chegaram muitos peregrinos para a festa de Pentecostes, estrangeiros de variadíssimos trajes e costumes estranhos.

 

         Os Apóstolos e discípulos passaram a noite antes de Pentecostes, junto com Maria e as santas mulheres, na sala da última ceia, em oração e silenciosa meditação, preparando-se para a vinda do Espírito Santo. Estavam reunidas ao todo mais de cento e vinte pessoas. Todos desejavam ardentemente a vinda do Consolador prometido, que os encheria, segundo a promessa de Jesus, de força celeste. A piedosa serva de Deus descreve esse importante acontecimento com palavras intuitivas:

 

         “Percebi, depois de meia-noite, uma maravilhosa intensidade e um movimento misterioso e benfazejo na natureza inteira, que se comunicava a todos os presentes. Pareceu-me também que, pela abertura no teto da sala, se podia ver o céu tornar-se mais claro. Os Apóstolos tinham-se retirado em silêncio do meio da sala para junto das paredes, ficando perto das colunas; por entre eles vi os discípulos nos pórticos laterais, olhando pelas paredes abertas para dentro da sala. Pedro estava diante da cortina atrás da qual se guardava o Santíssimo Sacramento; a Santíssima Virgem, porém, estava na sala, diante da porta do vestíbulo, no qual se achavam as santas mulheres.

 

         Estando assim todos silenciosos, cheios de veemente desejo, com os braços cruzados sobre o peito, olhos baixos, propagou-se-lhe a calma e o silêncio por toda a casa. Os discípulos, nos átrios laterais, se dirigiram todos aos respectivos lugares e após alguns momentos, reinava o maior silêncio em todo o redor da casa.

 

         Pela manhã vi sobre o Monte das Oliveiras, onde Nosso Senhor subira ao céu, se aproximar uma nuvem luminosa, resplandecente, prateada, vindo do céu, em direção à casa dos Apóstolos, em Sião. Vi-a primeiro, a grande distância, como um globo, cujo movimento acompanhava uma doce e ardente brisa. Ao aproximar-se, aparecia cada vez maior a nuvem luminosa, passando como um nevoeiro brilhante sobre a cidade, até que parou sobre Sião e a casa da última Ceia, concentrando-se cada vez mais e tomando-se cada vez mais clara e transparente como um sol brilhante; finalmente desceu, com crescente sussurro, como uma nuvem de trovoada muito baixa. Muitos judeus, que ouviram o bramido e viram a nuvem, correram assustados ao Templo. Toda essa cena tinha alguma semelhança com uma trovoada que se aproxima rapidamente, mas em vez de trovão, ouvia-se o zunido, que se sentia, porém, como uma brisa cálida e profundamente reconfortante.

 

         Quando a nuvem luminosa pairava muito baixa sobre o Cenáculo e, a par do crescente ruído, se tornava cada vez mais brilhante, vi também a casa e os arredores banhados numa luz intensa, mas os Apóstolos, discípulos e mulheres, cada vez mais silenciosos e ardentes.

 

         Eram cerca de três horas da manhã, antes do nascer do sol, quando vi de repente saírem das nuvem, sussurrante, torrentes de luz branca, que se cruzavam sete vezes e ao cruzarem, se dissolviam em raios e gotas ígneas, que caíram sobre a casa e arredores. O ponto em que as sete torrentes de luz se cruzaram, era cercado como de um arco-íris, onde vi formar-se uma figura luminosa e pairar sobre a casa; parecia-me que essa figura tinha asas estendidas sob os ombros; mas não posso dizer com certeza se eram asas, pois tudo parecia emanação de luz. Nesse momento, porém, toda a casa estava cheia de luz em redor. Não vi mais a luz do candelabro de cinco braços. As pessoas reunidas estavam todas como pasmas e extasiadas; levantaram inconscientemente os rostos; com desejo ardente e vi derramar-se na boca de todos uma torrente de luz, como pequenas línguas de fogo em chamas. Era como se respirassem e recebessem ardentemente esse fogo e como se algo de sua boca, em ardente desejo, fosse ao encontro dessas chamas. O santo fogo derramou-se também sobre os discípulos e as mulheres, no vestíbulo e desta forma se dissolveu a nuvem luminosa gradualmente, como uma nuvem que derrama chuva de luz. As línguas de fogo vieram sobre todos, mas com intensidade e cores diferentes.

 

         O estrondo semelhante a uma trovoada acordou muitos homens. O Espírito comoveu muitos fiéis e discípulos que moravam nos arredores.

 

         Depois de acabada a efusão do Espírito, nasceu alegre coragem em toda a assembléia. Todos estavam comovidos e como embriagados de alegria e confiança. Rodeavam a Santíssima Virgem, única que permanecia toda tranqüila e calma, em seu habitual recolhimento e santo silêncio, apesar de feliz e confortada. Os Apóstolos, porém, abraçavam-se uns aos outros, penetrados de uma jubilosa audácia de falar. Era como se clamassem uns aos outros: Em que estado estávamos? Que foi feito de nós? – Também as santas mulheres abraçavam umas as outras; todos os discípulos, nos corredores, estavam do mesmo modo comovidos. Os Apóstolos correram para eles e em todos havia, por assim dizer, nova vida, cheia de alegria, confiança e coragem.

 

         Esse transporte de iluminação do coração e de conforto terminou em uma ação de graças. Reuniram-se em oração, dando graças a Deus, com profunda comoção. No entanto desapareceu gradualmente a luz. Pedro fez então um discurso aos discípulos e enviou alguns para os acampamentos de peregrinos bem-intencionados, vindos para a festa de Pentecostes.

 

         Havia, porém, entre o Cenáculo e a piscina de Betesda diversos barracões e dormitórios abertos, onde os forasteiros que vinham para a festa, dormiam e guardavam os animais. Estavam ali muitos dormindo; outros estavam acordados e receberam também a graça do Espírito Santo; pois passara uma emoção geral pela natureza. Muitos homens bons receberam iluminação e a graça da conversão; os maus, porém, ficaram tímidos, medrosos e ainda mais endurecidos. – A maior parte dessa gente, que estava acampada naqueles arredores, onde se reunira a nascente comunidade, estava já ali desde a Páscoa, porque, pela distância de sua terra, não valia a pena fazer a viagem de ida e volta entre a Páscoa e Pentecostes. Esses, pois, por tudo que ouviram e viram, se tornaram mais familiares e amigos dos discípulos do que os outros. Quando os discípulos enviados por Pedro os procuraram e lhes anunciaram o cumprimento da promissão do Espírito Santo, tornaram-se de diversos modos conscientes de sua própria conversão e, obedecendo à palavra dos discípulos, reuniram-se todos em redor da piscina de Betesda, que ficava próxima.

 

         No entanto Pedro no Cenáculo impôs as mãos a cinco Apóstolos, que deviam ajudar a ensinar a batizar na piscina de Betesda. Se me lembro bem, foram esses Tiago o Menor, Bartolomeu, Matias, Tomé e Judas Tadeu. Vi nessa ordenação, que o último tinha uma visão: foi como se o visse abraçar o corpo de Nosso Senhor.

 

         Antes de Irem à piscina de Betesda, para benzer a água e batizar, vi-os ainda receber a benção da SS. Virgem, ajoelhados diante dela; antes da ascensão de Jesus a recebiam em pé. Vi os Apóstolos receberem essa bênção sempre, nos dias seguintes, antes de saírem e depois de voltarem. Nesses atos de bênção e sempre quando comparecia entre os Apóstolos, em sua dignidade, a SS. Virgem vestia um longo manto branco, um véu amarelo sobre o rosto e na cabeça, caindo de ambos os lados até quase ao chão, uma larga faixa de pano azul celeste, dobrada sobre a testa um pouco para trás, enfeitada de bordado e segura na cabeça por uma pequena coroa de seda branca.

        

 

            Sermão e batismo na piscina de Betesda

 

 

            Convidada pelos discípulos reuniu-se uma grande multidão de povo em redor da piscina de Betesda. Os discípulos contaram com grande alegria o que sucedera. Pedro enviou os cinco Apóstolos antes mencionados, que se colocaram nas cinco entradas da piscina e falaram com entusiasmo ao povo. Esse, porém, se assustou, porque cada um os ouvia falar em sua própria língua.

 

         Estavam, pois, todos atônitos e admiravam-se, dizendo: “Porventura não se está vendo que todos estes que falam são galileus? E como os ouvimos falara cada um na língua de nosso país natal? Partos e Medos e Elamitas e os que habitavam a Mesopotâmia, a Judéia e a Capadócia, o Ponto e a Ásia, a Frigia e o Egito, várias partes da Líbia, que fica próximo de Cirene e os que vieram de Roma; também Judeus e prosélitos, Cretenses e Árabes, todos nós os ouvimos narrar nas nossas línguas as maravilhas de Deus”. Estavam, pois atônitos e maravilharam-se, dizendo uns aos outros: “Que quer isto dizer?” Outros, porém, escarnecendo, diziam: “É porque estão embriagados de vinho de doce”. (Atos 2, 7-13)

 

         Pedro, porém, subiu a um púlpito, levantou a voz e disse:

         “Homens da Judéia e todos os que habitais em Jerusalém, sabei e com ouvidos atentos escutar as minhas palavras. Estes homens não estão tomados de vinho, como pensais, pois é ainda a hora terceira do dia; mas é o que foi dito pelo profeta Joel: E acontecerá nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei meu Espírito sobre toda a carne e profetizarão vossos filhos e vossas filhas e vossos jovens terão visões e os vossos anciãos sonharão. Sim, naqueles dias derramarei meu Espírito sobre os meus servos e sobre as minhas servas e profetizarão; e farei ver prodígios em cima no céu e sinais em baixo na terra, sangue e fogo e vapor de fumo. O sol converter-se-á em trevas e a lua em sangue, antes que venha o grande e ilustre dia do Senhor. E isto acontecerá: Todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo.

            Israelitas, ouvi estas palavras: Jesus Nazareno, homem aprovado por Deus entre vós, com virtudes e prodígios e sinais, que Deus operou por Ele no meio de vós, como bem o sabeis, depois de vos ser entregue pela decreta vontade e presciência de Deus, vós, crucificando-O por mãos de iníquos, lhe tirastes a própria vida; Deus, porém, o ressuscitou, dissipadas as dores do reino da morte, porquanto era impossível que por este fosse retido. Pois Davi diz dEle: Eu via sempre o Senhor diante de mim, porque está à minha direita, para que eu não seja abalado; por isso se alegrou o meu coração e se regozijou a minha língua e além disto, também a minha carne repousará na esperança, porque não deixarás a minha alma no reino dos mortos, nem permitirás que o teu Santo experimente corrupção.     Fizeste-me conhecer os caminhos da vida e encher-me-ás de alegria, mostrando-me a tua face. Irmãos, seja-me permitido dizer-vos ousadamente do patriarca Davi que ele morreu, foi sepultado e o seu sepulcro se vê entre nós, até o dia de hoje. Sendo, pois, um profeta e sabendo que com juramento lhe havia Deus prometido que do fruto de seu sangue se assentaria alguém sobre o seu trono, antevendo-o, falou da ressurreição de Cristo, que nem seria deixado no reino dos mortos, nem a sua carne veria a corrupção.

            Deus o ressuscitou, e todos nós somos testemunhas. Assim é que, depois que subiu à direita de Deus e havendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, O derramou sobre nós, como vedes e ouvis. Pois Davi não subiu ao céu, mas ele mesmo disse: O Senhor disse ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés. Saiba portanto toda a casa de Israel, com a maior certeza, que Deus o fez não só Senhor, mas também Cristo, a este Jesus que crucificastes”.

            Tendo ouvido estas coisas, ficaram compungidos no coração e disseram a Pedro e aos mais Apóstolos: “Que devemos fazer, irmãos”? Pedro então lhes respondeu: “Fazei penitência e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para remissão de vossos pecados e recebereis o dom do Espírito Santo; porque para vós é a promessa e para vossos filhos e para todos os que estão longe e quantos chamar a si o Senhor nosso Deus”. Com outras muitíssimas razões e testificou ainda e exortava-os, dizendo: “Salvai-vos dessa geração depravada”. (Atos 2, 14-40).

 

         Batizaram então durante todo o dia. No entanto ensinavam os Apóstolos, para preparar o povo à recepção dos santos Sacramentos. Cerca de três mil homens receberam no dia de Pentecostes o santo Batismo, inclusive as santas mulheres. Auxiliada por elas, distribuía Maria as vestes brancas aos batizados.

         A Mãe de Deus foi batizada depois de Pentecostes, sozinhas, na piscina de Betesda, por João, que celebrou antes a Santa Missa, como era celebrada naqueles tempos: consagravam-se a hóstia e o vinho com algumas orações.    

Fonte: Extraído do Livro "Vida, Paixão e Glorificação do Cordeiro de Deus - Anna Catharina Emmerich - Ed. MIR.

 

       © Últimas e Derradeiras Graças