:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

 

Oração de Ação de Graças.

 

 Alma de Cristo

 

Alma de Cristo, santificai-me.

Corpo de Cristo, salvai-me.

Sangue de Cristo, inebriai-me.

Água do lado de Cristo, lavai-me.

Paixão de Cristo, confortai-me.

Ó bom Jesus, ouvi-me.

Dentro de vossa chagas, escondei-me.

Não permitais que me separe de vós.

Do espírito maligno defendei-me.

Na hora da morte chamai-me e

mandai-me ir para vós,

para que com vossos Santos vos louve

por todos os séculos dos séculos.

Amém. (Miss. Rom., ação de graças depois da missa.)

 

Indulgência parcial.

 

 

 Ação de graças pelos benefícios

 

Nós vos damos graças, Senhor, por todos os vossos benefícios.

Vós que viveis e reinais pelos séculos dos séculos. Amém.

 

Indulgência parcial.

 

 

Te Deum

 

(A vós, ó Deus)

 

Concede-se indulgência parcial ao fiel que recitar o hino Te Deum (A vós, ó Deus) em ação de graças, e será plenária, quando recitado em público no último dia do ano.

 

A vós, ó Deus, louvamos,

a vós, Senhor, cantamos.

A vós, eterno Pai,

adora toda a terra.

 

A vós cantam os anjos,

os céus e seus poderes:

Sois Santo, Santo,

Santo, Senhor, Deus do universo!

 

Proclamam céus e terra

a vossa imensa glória.

A vós celebra o coro

glorioso dos Apóstolos.

 

Vos louva dos Profetas

a nobre multidão

e o luminoso exército

dos vossos santos mártires.

 

A vós por toda a terra

proclama a Santa Igreja,

ó Pai onipotente,

de imensa majestade.

 

E adora juntamente

o vosso Filho Único,

Deus vivo e verdadeiro,

e ao vosso Santo Espírito.

 

Ó Cristo, Rei da glória,

do Pai eterno Filho,

nascestes duma Virgem,

a fim de nos salvar.

 

Sofrendo vós a morte,

da morte triunfastes,

abrindo aos que têm fé

dos céus o reino eterno.

 

Sentastes à direita

de Deus, do Pai na glória.

Nós cremos que de novo

vireis como juiz.

 

Portanto, vos pedimos:

salvai os vossos servos,

que vós, Senhor, remistes

com sangue precioso.

 

Fazei-nos ser contados,

Senhor, vos suplicamos,

em meio a vossos santos

na vossa eterna glória.

 

(A parte que segue pode ser omitida, se for oportuno.)

 

Salvai o vosso povo.

Senhor, abençoai-o.

Regei-nos e guardai-nos

até a vida eterna.

 

Senhor, em cada dia,

fiéis, vos bendizemos,

louvamos vosso nome

agora e pelos séculos.

 

Dignai-vos, neste dia,

guardar-nos do pecado.

Senhor, tende piedade

de nós, que a vós clamamos.

 

Que desça sobre nós,

Senhor, a vossa graça,

porque em vós pusemos

a nossa confiança.

 

Fazei que eu, para sempre,

não seja envergonhado:

Em vós, Senhor, confio,

sois vós minha esperança!

 

 

 

    Ação de Graças após a vitória.

 

(Heb. 21) Ao mestre de canto. Salmo de Davi.

                                  

Senhor, alegra-se o rei com o vosso poder,

e muito exulta com o vosso auxílio!

Realizastes os anseios de seu coração,

não rejeitastes a prece de seus lábios.

 

Com preciosas bênçãos fostes-lhe ao encontro,

pusestes-lhe na cabeça coroa de puríssimo ouro.

Ele vos pediu a vida, vós lha concedestes,

uma vida cujos dias serão eternos.

 

Grande é a sua glória, devida à vossa proteção;

vós o cobristes de majestade e esplendor.

Sim, fizestes dele o objeto de vossas eternas bênçãos,

de alegria o cobristes com a vossa presença,

pois o rei confiou no Senhor.

Graças ao Altíssimo não será abalado.

 

Que tua mão, ó rei, apanhe teus inimigos,

que tua mão atinja os que te odeiam.

Tu os tornarás como fornalha ardente,

quando apareceres diante deles.

 

Que o Senhor em sua cólera os consuma,

e que o fogo os devore.

Faze desaparecer da terra a posteridade deles

e a sua descendência dentre os filhos dos homens.

 

Se intentarem fazer-te mal,

tramando algum plano, não o conseguirão,

porque os porás em fuga,

dirigindo teu arco contra a face deles.

Erguei-vos, Senhor, em vossa potência!

Cantaremos e celebraremos o vosso poder.

 

 

Fonte: Manual das indulgências.

 

       © Últimas e Derradeiras Graças