:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

 

Ângelus do Papa.

 

São Boaventura.

 

15.07.2012 - Castel Gandolfo: Pouco depois do meio-dia, já de regresso a Castel Gandolfo, Bento XVI não quis faltar ao costumado encontro com os fiéis para a recitação da oração mariana do Angelus. Na sua alocução, o Papa recordou de novo as leituras da missa deste domingo, mas fê-lo evocando ao mesmo tempo o santo do dia: São Boaventura, franciscano, Doutor da Igreja, sucessor de São Francisco de Assis à frente da Ordem dos Frades Menores.

 

Bento XVI recordou que São Boaventura declarava que o que mais o impressionara na vida de São Francisco era o fato de esta se assemelhar aos inícios e ao crescimento da Igreja.

 

O que – sublinhou o Papa – faz pensar no Evangelho deste domingo, e no envio que Jesus faz dos seus Apóstolos, em missão, dois a dois, de maneira pobre, austera, sem saco nem provisões. “Francisco de Assis, depois da sua conversão, praticou à letra este Evangelho, tornando-se testemunha fidelíssimo de Jesus. Associado de modo singular ao mistério da Cruz, foi transformado num ‘outro Cristo’, como o apresenta São Boaventura”.


Por outro lado, fez notar ainda o Papa, “toda a vida de São Boaventura, como também a sua teologia, têm como centro inspirador Jesus Cristo”, aquela centralidade que encontramos na segunda Leitura deste domingo, com o célebre hino da Carta de São Paulo aos Efésios.


“Este hino paulino contém a visão da história que São Boaventura contribuiu a difundir na Igreja: toda a história tem como centro Cristo, o qual garante também novidade e renovação a cada época”.

 

De fato, em Jesus, Deus disse-nos e deu-nos tudo. Ele é um tesouro inesgotável, o Espírito Santo nunca acaba de revelar e de atualizar o seu mistério. É por isso que a obra de Cristo e da Igreja avança sempre.
 

De entre os presentes neste domingo no pátio interior de Castel Gandolfo, encontrava-se um grupo de peregrinos brasileiros, que Bento XVI saudou expressamente: “Dirijo agora uma saudação especial para os peregrinos de língua portuguesa, nomeadamente para os fiéis da Paróquia São José, de Bragança Paulista e para o grupo de Apóstolas do Sagrado Coração de Jesus, acompanhadas de professores de escolas brasileiras. Agradecido pela amizade e orações, sobre todos invoco os dons do Espírito Santo para serem verdadeiras testemunhas de Cristo no meio das respectivas famílias e comunidades, que de coração abençoo. »


Fonte: Rádio Vaticano.

 

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças