:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

 

Ângelus do Papa.

 

Corpus Christi, grande ato

de culto público da Eucaristia.

 

10.06.2012 - Cidade do Vaticano: É da partilha do Pão eucarístico que nasce e se renova a capacidade de partilhar também a vida e os bens, de levarmos o peso uns dos outros, de sermos acolhedores”: sublinhou S.S. o Papa Bento XVI neste domingo ao meio-dia, na Praça de São Pedro, a propósito da solenidade do Corpo de Deus, que em muitos países do mundo se celebra neste dia.

 

“A festa do Corpo de Deus é um grande ato de culto público da Eucaristia, Sacramento no qual o Senhor permanece presente para além do tempo da celebração, para estar sempre conosco, no decurso das horas e dos dias.”

 

Bento XVI recordou que “nas igrejas, o lugar mais sagrado é precisamente aquele em que se conserva a Eucaristia”. Neste contexto, o Papa evocou as igrejas destruídas ou gravemente danificadas no recente terramoto em Emília-Romanha, centro-norte da Itália, nas quais também o “corpo eucarístico de Cristo” ficou debaixo dos escombros. “Com afeto, rezo pelas comunidades que, com os seus sacerdotes, se têm que reunir ao ar livre ou em grandes tendas para a Santa Missa: agradeço-lhes o seu testemunho e por tudo o que estão a fazer a favor de toda a população”.

 

Trata-se de situações em que “sobressaem ainda mais a importância de permanecermos unidos em nome do Senhor e a força que provém do Pão eucarístico”: “Da partilha deste Pão nasce e se renova a capacidade de partilhar também a vida e os bens, de suportar o peso uns dos outros, de sermos hospitaleiros e acolhedores”.

 

Retomando o tema da homilia de quinta-feira passada, da Missa do Corpo de Deus, Bento XVI insistiu no valor da adoração eucarística: “A oração de adoração pode-se realizar pessoalmente, permanecendo em recolhimento diante do tabernáculo, ou então em forma comunitária, porventura com salmos e cantos, mas privilegiando sempre o silencio, de modo a poder escutar interiormente o Senhor vivo e presente no Sacramento. A Virgem Maria é mestra também desta forma de oração, porque ninguém mais e melhor do que ela soube contemplar Jesus com o olhar de fé e acolher no coração as íntimas ressonâncias da sua presença humana e divina”.

 

Nas saudações que dirigiu em várias línguas aos muitos romanos e peregrinos presentes, Bento XVI recordou que se celebra, quinta-feira próxima, o Dia Mundial dos Dadores de Sangue. “Exprimo o meu vivo reconhecimento a quantos praticam esta forma de solidariedade, indispensável para a vida de tantos doentes”.

 

Na saudação aos peregrinos polacos, o Papa recordou a “peregrinação apostólica realizada há 25 anos por João Paulo II”, em quatro localidades da sua pátria, incluindo Cracóvia e Gdansk, percurso que o secretário de Estado, cardeal Bertone, está repercorrendo nestes dias.

 

Fonte: Rádio Vaticano.

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças