:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.
 

Angelus do Papa Bento XVI

06.11.2011 - Cidade do Vaticano: “A verdadeira sabedoria é aproveitar da vida mortal para realizar obras de misericórdia, porque, após a morte, isso não será mais possível”. Foi o que disse o Papa Bento XVI na alocução que precedeu a oração mariana do Angelus ao meio-dia deste domingo na Praça São Pedro.

Queridos irmãos e irmãs!

As Leituras bíblicas da liturgia dominical de hoje convidam-nos a prolongar a reflexão sobre a vida eterna, iniciada por ocasião da Comemoração de todos os fiéis defuntos. Sobre esse ponto, é nítida a diferença entre quem crê e quem não crê, ou, se poderia igualmente dizer, entre quem espera e quem não espera.

Escreve, de fato, São Paulo aos Tessalonicenses: "Não queremos que ignoreis coisa alguma a respeito dos mortos, para que não vos entristeçais, como os outros homens que não têm esperança" (I Ts 4, 13).

A fé na morte e ressurreição de Jesus Cristo assinala, também neste campo, um divisor de águas decisivo. Sempre São Paulo recorda aos cristãos de Éfeso que, antes de acolher a Boa-Nova, estavam "sem esperança e sem Deus no mundo" (Ef 2,12).

De fato, a religião dos gregos, os cultos e mitos pagãos, não eram capazes de lançar luz ao mistério da morte, tanto que uma antiga inscrição dizia: "In nihil ab nihilo quam cito recidimus", que significa: "Do nada para o nada, quanto mais rápido caímos". Se removemos Deus, se removemos a Cristo, o mundo retrocede ao vazio e à escuridão. E isso encontra resposta também nas expressões do niilismo contemporâneo, um niilismo muitas vezes inconsciente que contagia, infelizmente, a tantos jovens.

O Evangelho de hoje é uma célebre parábola, que fala das dez jovens enviadas a uma festa de núpcias, símbolo do Reino dos céus, da vida eterna (Mt 25,1-13). É uma imagem feliz, com a qual, no entanto, Jesus ensina-nos uma verdade que nos coloca em questionamento; de fato, daquelas cinco jovens: cinco entram na festa, porque, na chegada do esposo, tinham o óleo para acender as suas lâmpadas; enquanto as outras cinco permaneceram fora, porque, tolas, não haviam levado óleo. O que representa esse "óleo", indispensável para sermos admitidos ao banquete nupcial? Santo Agostinho (cfr Discorsi 93, 4) e outros antigos autores o leram como um símbolo do amor, que não se pode comprar, mas se recebe como dom, conserva-se no íntimo e pratica-se nas obras.

Verdadeira sabedoria é aproveitar a vida mortal para realizar obras de misericórdia, porque, depois da morte, isso não será mais possível. Quando formos despertados para o Juízo Final, esse acontecerá com base no amor praticado na vida terrena (cf. Mt 25,31-46). E esse amor é dom de Cristo, efuso em nós pelo Espírito Santo. Quem crê em Deus-Amor leva em si uma esperança invencível, como uma lâmpada com a qual atravessar a noite para além da morte, e chegar à grande festa da vida.

A Maria, Sedes Sapientiae, peçamos que nos ensine a verdadeira sabedoria, aquela que se fez carne em Jesus. Ele é o Caminho que conduz desta vida a Deus, ao Eterno. Ele nos fez conhecer o rosto do Pai, e, assim, deu-nos uma esperança cheia de amor. Por isso, à Mãe do Senhor, a Igreja se dirige com estas palavras: "Vita, dulcedo, et spes nostra". Aprendamos dela a viver e morrer na esperança que não engana.

Fonte: Boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé

 

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças