:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

BENTO XVI A SEMINARISTAS DA DIOCESE DE ROMA:

AMOR CRISTÃO É VÍNCULO QUE LIBERTA

05.03.2011 - Cidade do Vaticano: - "A unidade da Igreja não é dada por um caráter imposto externamente, mas é fruto de uma concórdia, de um empenho comum de comportar-se como Jesus, por força de seu espírito."

Assim se expressou o Santo Padre na visita que fez, no início da noite desta sexta-feira, ao Seminário Romano Maior, na vigília da Festa de Nossa Senhora da Confiança, Padroeira do Instituto.

Durante o encontro, Bento XVI fez uma lectio divina a todos os seminaristas da Diocese de Roma, centralizada num trecho da Carta da São Paulo aos Efésios.

"O amor cristão é um vínculo que liberta", o testemunha São Paulo "prisioneiro" por causa do Senhor, e o recordou Bento XVI aos seminaristas da Diocese de Roma.

O comportamento dos cristãos é a conseqüência do dom, a realização daquilo que nos é dado a cada dia. E, todavia – observou o Pontífice – se é simplesmente realização do dom que nos foi concedido, não se trata de um efeito automático, porque com Deus estamos sempre na realidade da liberdade e, por isso, como resposta, também a realização do dom é liberdade.

"O Batismo, o sabemos, não produz automaticamente uma vida coerente: ela é fruto da vontade e do empenho perseverante de colaborar com o dom, com a graça recebida. E esse empenho custa, há um preço a pagar pessoalmente. Talvez por isso São Paulo faz referência justamente aí à sua condição atual: "Eu, portanto, prisioneiro, por causa do Senhor, vos exorto..."

Seguir Cristo significa partilhar a sua Paixão – continuou o Papa – segui-lo até o fim, e essa participação na sorte do Mestre une profundamente a Ele e reforça a autoridade da exortação do Apóstolo.

Prosseguindo sua reflexão, Bento XVI se deteve sobre a palavra "vocação". São Paulo escreve: "comportai-vos de modo digno do chamado que recebestes".

Neste caso – observou – trata-se da vocação comum a todos os cristãos, ou seja, a vocação batismal: o chamado a ser de Cristo e viver n'Ele, em seu corpo.

"A vida cristã começa com um chamado e permanece sempre uma resposta, até o fim. E isso se dá quer na dimensão do crer, quer na do agir: tanto a fé quanto o comportamento do cristão são correspondência à graça da vocação" – frisou.

Depois, o Papa deu um passo adiante em sua lectio divina. "Após essa palavra do chamado, segue a dimensão eclesial. Falamos da vocação como uma vocação muito pessoal: Deus chama-me, conhece-me, espera a minha resposta pessoal. Mas, ao mesmo tempo, o chamado de Deus é um chamado em comunidade, é um chamado eclesial, nos chama numa comunidade."

Neste momento – prosseguiu – o Seminário é o corpo no qual se realiza concretamente o estar em caminho comum. Depois está a paróquia. A Igreja é corpo, portanto, tem estruturas (...) Justamente assim estamos em comunhão com Cristo, aceitando essa corporeidade da sua Igreja, do Espírito que se encarna no corpo.

Por outro lado, muitas vezes sentimos o problema, a dificuldade dessa comunidade, começando pela comunidade concreta do seminário até a grande comunidade da Igreja com as suas instituições. "Devemos também considerar que é muito bonito estar numa companhia, caminhar numa grande companhia de todos os séculos, ter amigos no céu e na terra, sentir a beleza deste corpo, ser felizes de o Senhor ter-nos chamado num corpo e ter-nos dado amigos em todas as partes do mundo."

Fonte: Rádio Vaticano.

 

       © Últimas e Derradeiras Graças