:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

ANGELUS DE PENTECOSTES.

"A VOZ DE DEUS DIVINIZA
A LINGUAGEM HUMANA DOS APÓSTOLOS"

12.06.2011 - Cidade do Vaticano: O Papa Bento XVI rezou ao meio-dia deste domingo, da janela dos seus aposentos no Palácio Apostólico a oração mariana do Regina Coeli com os milhares de fiéis e peregrinos reunidos na Praça São Pedro.

Numa manhã de céu azul e temperatura de verão europeu o Santo Padre recordou que a Solenidade de Pentecostes que hoje celebramos, conclui o tempo litúrgico da Páscoa. De fato, o Mistério pascal – a paixão, morte e ressurreição de Cristo e sua ascensão ao céu – encontra a sua realização na poderosa efusão do Espírito Santo sobre os Apóstolos reunidos com Maria, a Mãe de Deus, e os outros discípulos. Foi o batismo da Igreja, o batismo no Espírito Santo, disse o Papa.

Conforme narram os Atos dos Apóstolos, - recordou Bento XVI - na manhã da festa de Pentecostes, um fragor como de vento atingiu o Cenáculo e sobre cada um dos discípulos desceram como línguas de fogo. São Gregório Magno comenta: “Hoje, o Espírito Santo desceu com um som repentino sobre os discípulos e mudou as suas mentes de seres carnais e enquanto fora apareciam línguas de fogo, dentro os corações tornaram-se flamejantes, pois, acolhendo Deus na visão do fogo, suavemente arderam por amor”.

“A voz de Deus diviniza a linguagem humana dos Apóstolos, que se tornam capazes de proclamar de modo "polifônico" o único Verbo divino. O sopro do Espírito Santo enche o universo, gera a fé, arrasta a verdade, estabelece a unidade entre os povos”.

O Bem-aventurado Antonio Rosmini, - continuou o Santo Padre - explica que “no dia de Pentecostes dos cristãos, Deus promulgou... a sua lei de caridade, escrevendo-a através do Espírito Santo não em tábuas de pedra mas no coração dos Apóstolos, e através dos Apóstolos, comunicando-a depois a toda a Igreja”.

“O Espírito Santo, “que é Senhor, e dá a vida” - como dizemos no Credo – procede do Pai e do Filho e completa a revelação da Santíssima Trindade. Provém de Deus como o sopro da sua boca e tem o poder de santificar, abolir as divisões, dissolver a confusão causada pelo pecado. Ele, imaterial e incorpóreo, concede os bens divinos, sustenta os seres vivos, para que atuem em conformidade ao bem. Como luz inteligível dá sentido à oração. Dá vigor à missão evangelizadora, faz arder os corações daqueles que ouvem a boa notícia, inspira a arte cristã e a melodia litúrgica”.

O Papa em seguida afirmou que o Espírito Santo, que gera a fé em nós no momento do nosso batismo, nos permite viver como filhos de Deus, conscientes e dispostos, segundo a imagem do Filho Unigênito. Também o poder de perdoar os pecados é um dom do Espírito; de fato, aparecendo aos Apóstolos na noite de Páscoa, Jesus soprou sobre eles e disse: "Recebei o Espírito Santo. Os pecados daqueles que vocês perdoarem, serão perdoados”.

E concluiu confiando à Virgem Maria, templo do Espírito Santo, a Igreja, para que viva sempre de Jesus Cristo, da sua Palavra, dos Seus mandamentos, e sob a ação constante do Espírito Paráclito anuncie a todos que “Jesus é o Senhor”.

Antes de concluir a oração mariana do Regina Coeli o Papa saudou os peregrinos presentes na Praça São Pedro em várias línguas. Falando em italiano recordou que amanhã em Dresda, na Alemanha, será proclamado Beato Alois Andritzki, sacerdote e mártir, assassinado pelos nazistas em 1943, quando tinha 28 anos.

Louvemos o Senhor – disse o Papa - por essa testemunha de fé que se soma ao elenco daqueles que deram a vida em nome de Cristo nos campos de concentração. E Bento XVI confiou à intercessão deles, hoje que è Pentecostes, a causa da paz no mundo.

“Possa o Espírito Santo inspirar corajosos propósitos de paz e apoiar o compromisso de levá-los avante, para que o diálogo prevaleça sobre as armas e o respeito da dignidade do homem supere os interesses de parte. O Espírito, que è vínculo de comunhão, endireite os corações desviados pelo egoísmo e ajude a família humana a redescobrir e preservar com vigilância a sua fundamental unidade”.

Bento XVI recordou ainda que no próximo dia 14 celebra-se o Dia Mundial dos Doadores de Sangue, milhões de pessoas que contribuem, de modo silencioso, a ajudar os irmãos em dificuldade. A todos os doadores o Papa dirigiu uma cordial saudação e convidou os jovens a seguir o seu exemplo.

Fonte: Rádio Vaticano.

 

       © Últimas e Derradeiras Graças