:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

ANGELUS DO PAPA BENTO XVI.

"Aonde chega o Evangelho, floresce a vida".

29.05.2011 - Cidade do Vaticano:  “Ao longo dos séculos, foram os santos e não os poderosos a levar esperança aos povos” – disse o papa na oração mariana do Regina Coeli, esta manhã. Como exemplos, Bento XVI citou São Carlos Borromeu em Milão dos tempos da peste; Madre Teresa de Calcutá e missionários cujos nomes Deus conhece, que deram suas vidas para levar o anúncio de Cristo e fazer brotar entre os homens alegria mais profunda.

 

A Igreja tem por vocação evangelizar, levar esta boa nova, ajudar as pessoas a descobrir ou redescobrir a beleza e a alegria da fé, a vida plena a que conduz. Foi o que fizeram e fazem tantos santos missionários. Também o beato João Paulo II foi um grande missionário.


Sublinhou-o Bento XVI, neste domingo, ao meio-dia, na costumada alocução da janela dos seus aposentos sobre a Praça de São Pedro, comentando a primeira leitura da Missa, do Livro dos Atos dos Apóstolos, que refere a pregação do diácono Filipe, numa cidade da Samaria. O texto refere que o anúncio de Cristo ressuscitado era acompanhado de numerosas curas. Este episódio conclui de modo significativo: “E houve grande alegria naquela cidade”.


“Impressiona-me sempre muito esta expressão, que, na sua essencialidade, nos transmite um sentido de esperança; como se dissesse: é possível! É possível que a humanidade conheça a verdadeira alegria, porque onde chega o Evangelho, floresce a vida; como um terreno árido que, irrigado pela chuva, logo reverdece”.


“Lendo esta passagem, é-se espontaneamente levado a pensar na força restauradora do Evangelho, que no decurso dos séculos “irrigou” como rio benéfico, tantas populações”.


O Papa recordou que por vezes “grandes santos e santas levaram esperança e paz a cidades inteiras”. O caso, por exemplo, do bispo Carlos Borromeu, em Milão, ou Madre Teresa, em Calcutá. Assim como “tantos missionários, cujo nome só Deus conhece, que deram a vida para levar o anúncio de Cristo e fazer florescer entre os homens a alegria profunda”. “Enquanto que os potentes deste mundo procuravam conquistar novos territórios por interesses políticos e econômicos, os mensageiros do Evangelho iam por toda a parte para levar Cristo aos homens e os homens a Cristo”.


“Também hoje a vocação da Igreja é a evangelização. Tanto em relação às populações que ainda não foram irrigadas pela água viva do Evangelho; como também em relação àqueles que, embora tendo antigas raízes cristãs, têm necessidade de nova linfa para levar novos frutos e redescobrir a beleza e a alegria da fé”.


A concluir, Bento XVI fez ainda uma alusão ao seu predecessor, o beato João Paulo II, recordando-o como “um grande missionário”. “Ele relançou a missão ad gentes, promovendo ao mesmo tempo a nova evangelização. Confiemos uma e outra à intercessão de Maria Santíssima. Que a Mãe de Cristo acompanhe sempre e por toda a parte o anúncio do Evangelho, para que se multipliquem e alarguem no mundo os espaços em que os homens reencontram a alegria de viver como filhos de Deus”.

Após o Regina Coeli, Bento XVI referiu-se à beatificação, ontem, em Itália de uma religiosa, Irmã Maria Serafina do Sagrado Coração de Jesus. “Originário da zona de Trento, fundou na província de Nápoles o Instituto das Irmãs da Caridade dos Anjos. “Recordando o centenário do seu nascimento para o céu, congratulamo-nos com as suas filhas espirituais e com todos os seus devotos”.


Uma outra saudação em italiano reservou-a o Papa ao Instituto de Música Sacra, criado há 100 anos… “Tenho a alegria de saudar os docentes e estudantes do Pontifício Instituto de Música Sacra, de que se está a celebrar o centenário de fundação. Caros amigos, uma vez mais vos asseguro da minha recordação na oração”.

 

Fonte: Rádio Vaticano.

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças