:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

Angelus do Papa Bento XVI

DEUS NOS ATRAI COM SEU AMOR

10.07.2011 - Cidade do Vaticano: Bento XVI conduziu a oração mariana do Angelus, deste domingo, no pátio interno da residência pontifícia de Castel Gandolfo, onde o pontífice se encontra desde a última quinta-feira. O Papa aproveitou a ocasião para saudar os moradores dessa pequena cidade.


Queridos irmãos e irmãs!

 

Agradeço-vos por estardes reunidos para o encontro do Angelus aqui em Castel Gandolfo, onde cheguei há poucos dias. Aproveito de bom grado a ocasião para dirigir a minha saudação cordial também a todos os habitantes desta querida Cidade, com o desejo de uma boa estação de verão. Saúdo particularmente o nosso Bispo de Albano.


No Evangelho deste Domingo (
Mt 13,1-23), Jesus dirige-se à multidão com a célebre parábola do semeador. É uma página, de algum modo, "autobiográfica", porque reflete a experiência mesma de Jesus, da sua pregação: Ele identifica-se com o semeador, que espalha a boa semente da Palavra de Deus e observa os diferentes efeitos que obtém, seguidos do tipo de acolhimento reservado ao anúncio. Há quem escuta superficialmente a Palavra, mas não a acolhe; há quem a acolhe no momento, mas não tem a constância e perde tudo; há quem seja dominado pelas preocupações e seduções do mundo; e há quem escute de modo receptivo, como o terreno bom: aqui a Palavra produz fruto em abundância.

Mas esse Evangelho insiste também sobre o "método" da pregação de Jesus, isto é, de fato, sobre o uso das parábolas. "Por que lhes falas em parábolas?" – perguntam os discípulos (
Mt 13,10). E Jesus responde colocando uma distinção entre esses e a multidão: aos discípulos, isto é, àqueles que já estão decididos por Ele, Ele pode falar do Reino de Deus abertamente, ao passo que, aos outros, deve anunciá-lo em parábolas, para estimular, de fato, a decisão, a conversão do coração; as parábolas, de fato, por sua natureza, requerem um esforço de interpretação, interpelam a inteligência, mas também a liberdade.

 

Explica São João Crisóstomo: "Jesus pronunciou essas palavras com o objetivo de atrair a si os seus ouvintes e exortá-los, assegurando que, se se voltassem a Ele, Ele lhes curará" (Comm. al Vang. di Matt., 45,1-2). No fundo, a verdadeira "Parábola" de Deus é Jesus mesmo, a sua Pessoa que, na forma da humanidade, esconde e ao mesmo tempo revela a divindade. Desse modo, Deus não força a crer n'Ele, mas nos atrai a Si com a verdade e a bondade do seu Filho encarnado: o amor, de fato, respeita sempre a liberdade.

Queridos amigos, amanhã celebraremos a festa de São Bento, Abade e Patrono da Europa. À luz desse Evangelho, olhamos a ele como mestre da escuta da Palavra de Deus, uma escuta profunda e perseverante. Devemos sempre aprender com o grande Patriarca do monaquismo ocidental a dar a Deus o lugar que é Seu de direito, o primeiro lugar, oferecendo a Ele, com a oração da manhã e da noite, as atividades diárias. A Virgem Maria ajude-nos a ser, com base em seu modelo, "terra boa" onde a semente da Palavra possa produzir muito fruto.


Fonte: Boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé.

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças