:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

Angelus do Papa Bento XVI.

"Ouvir a Palavra de Deus e a pôr em prática"

06.03.2011 - Cidade do Vaticano - No Angelus deste domingo, numa Praça São Pedro lotada de fiéis, peregrinos e turistas, o Santo Padre recordou com palavras comovidas o Ministro paquistanês Shahbaz Bhatti, assassinado quarta-feira passada por um comando de fundamentalistas islâmicos.

 

Queridos irmãos e irmãs!


O Evangelho deste domingo apresenta a conclusão do "Sermão da Montanha", onde o Senhor Jesus, através da parábola das duas casas construídas uma sobre a rocha e outra sobre a areia, convida os discípulos a ouvirem a sua Palavra e colocá-la em prática (cf. Mt 7, 24). Desta forma, ele coloca o discípulo e seu caminho de fé no horizonte da Aliança, constituída na relação que Deus tece com o homem, através do dom de sua Palavra, entrando em diálogo conosco.


O Concílio Vaticano II afirma: "O Deus invisível no seu grande amor, fala com os homens como a amigos e se entretém com eles, e os convida a comunhão com Ele". (Constituição Dogmática sobre a Revelação Divina "Dei Verbum", 2). Nesta perspectiva, todo o homem parece ser o destinatário da Palavra de Deus, interpelado e chamado a entrar neste diálogo de amor com uma livre resposta" (Exortação Apostólica Pós-Sinodal "Verbum Domini", 22).

 

Jesus é a Palavra viva de Deus. Quando ensinava, as pessoas reconheciam em suas palavras a mesma autoridade divina, sentiam a proximidade do Senhor, o seu amor misericordioso, e louvavam a Deus. Em todas as idades e todos os lugares, aqueles que têm a graça de conhecer Jesus, especialmente através da leitura dos Santos Evangelhos, permanecem fascinados, reconhecendo que em sua pregação, seus gestos, em sua Pessoa, se revela o verdadeiro rosto de Deus, e ao mesmo tempo nos releva a nós mesmos, faz-nos sentir a alegria de ser filhos do Pai do céu, indicando-nos a base sólida sobre a qual construir nossas vidas.


Mas, muitas vezes, o homem não constrói suas ações, sua existência, sua identidade, e prefere as areias das ideologias, do poder, do sucesso e do dinheiro, esperando encontrar estabilidade e a resposta para a busca imensurável de felicidade e realização que carrega na própria alma.


E nós, sobre o que queremos construir em nossa vida? Quem pode responder verdadeiramente às inquietudes do nosso coração? Cristo é a rocha da nossa vida! Ele é a Palavra eterna e definitiva que não teme qualquer tipo de adversidade, dificuldade e necessidade (cf. "Verbum Domini", 10). Que a Palavra de Deus permeie toda a nossa vida, pensamento e ação, como proclama a primeira leitura da liturgia de hoje, a partir do livro do Deuteronômio: "Incuti estas minhas palavras em vosso coração e em vossa alma; amarrai-as, como sinal, em vossas mãos e colocai-as como faixas sobre a testa" (Dt 11, 18).

 

Queridos irmãos, peço-lhes para dar espaço, a cada dia, para a Palavra de Deus, a nutrirem-se dela e a meditarem-na constantemente. Ela é também uma preciosa ajuda para escapar de um ativismo superficial, que pode satisfazer por um momento o orgulho, mas que, no final, deixa um vazio e insatisfação.


Invocamos a ajuda da Virgem Maria, cuja existência foi marcada pela fidelidade à Palavra de Deus. A contemplamos na Anunciação, aos pés da Cruz, e agora, participante da glória de Cristo Ressuscitado. Como Ela, queremos renovar o nosso "sim" e confiar a Deus o nosso caminho.

 

Após a oração mariana, o Santo Padre – como faz habitualmente – dirigiu a sua saudação, em várias línguas, aos diversos grupos de fiéis e peregrinos presentes. Eis o que disse em português:

 

"Saúdo cordialmente os fiéis das paróquias de Brandoa e Calhariz de Benfica, no Patriarcado de Lisboa, e demais peregrinos de língua portuguesa, sobre cujos passos e compromissos cristãos imploro, pela intercessão da Virgem Mãe, as maiores bênçãos divinas. Deixai Cristo tomar posse da vossa vida, para serdes cada vez mais vida e presença de Cristo! Ide com Deus."

 

Fonte: Boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé.



 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças