:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

 

Angelus do Papa Bento XVI.

 

JESUS: O Pão da Vida;

Acreditar para saber.

 

26.08.2012 - Castel Gandolfo: Nas palavras dirigidas este domingo aos fiéis do mundo inteiro e especialmente aos que se reuniram com ele em Castel Gandolfo para a oração mariana do Angelus, ao meio dia, Bento XVI retomou as meditações que tem vindo a fazer sobre “o pão da vida”, ou seja o milagre da multiplicação dos pães e dos peixes.

 

O Papa deteve-se sobre a reação dos discípulos às palavras de Jesus na sinagoga de Cafarnaum, reação provocada por Ele próprio. Uma reação que mostra que os discípulos não compreenderam o significado das palavras de Jesus que dizia “Eu sou o pão da vida, descido dos Céus e quem comer da minha carne e beber do meu sangue viverá eternamente”. Mas não compreenderam porquê?


“Esta revelação permanecia para eles incompreensível, porque a entendiam em sentido material, enquanto que aquelas palavras preanunciavam o mistério pascal de Jesus, em que Ele teria dado si próprio para a salvação do mundo”.


Então, vendo que muitos discípulos o abandonavam, Jesus perguntou aos apóstolos se também eles o queriam abandonar.


Como sempre, Pedro tomou a palavra em nome de todos e disse: “Senhor para quem havemos de ir. Tu tens palavras de vida eterna e nós acreditamos e sabemos que tu és o Santo de Deus”. Mas atenção, não diz sabemos e acreditamos, mas sim acreditamos e sabemos – disse o Papa recorrendo aos comentários de Santo Agostinho a esta passagem do Evangelho de São João, dizendo:

Acreditamos para poder saber: Se com efeito, tivéssemos procurado saber antes de acreditar, não teríamos conseguido nem conhecer, nem acreditar. O que acreditamos e o que soubemos? Que tu és Cristo Filho de Deus, isto é que tu és a vida eterna e através da tua carne e do teu sangue nos dás aquilo que tu próprio és.”


O Papa salientou também que entre os doze apóstolos havia um que não acreditava: Judas. Ele podia ter abandonado Jesus como fizeram os outros discípulos, mas não o fez. Ficou.


“Ficou não por fé, não por amor, mas pela secreta intenção de vingar-se do Mestre”.

Mas porquê? Porque enquanto zelota Judas esperava num messias capaz de guiar a rebelião contra os romanos e Jesus que não tinha vindo para isso desiludiu-o e ele queria, então, vingar-se dele. A sua culpa foi mais grave da dos outros – disse o Papa: a culpa de falsidade que é uma marca do diabo…


“Por isso Jesus disse aos doze: um de vós é um diabo”…


Bento XVI concluiu rezando a Nossa Senhora para que (tal como São Pedro acreditou) nos ajude a acreditar em Jesus e a ser sempre sinceros com Ele e com todos.

 

***

Depois da oração mariana do Angelus, Bento XVI saudou os fiéis em várias línguas, tendo muitos dos grupos reagido com cânticos e palmas. Em italiano enalteceu, entre outras, a presença de Religiosas do Santo Rosto, desejando-lhes um feliz capítulo geral, e a dum grupo de religiosos salesianos que celebram 50 anos de profissão perpétua, entre os quais o pároco de Castelo Gandolfo, onde o Papa continua a estar neste período de Verão.

 

Fonte: Rádio Vaticano.

 




 

       © Últimas e Derradeiras Graças