:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

 

 

Angelus do Papa Bento XVI.

 

O céu e a terra passarão,

mas as minhas palavras não passarão.

 

18.11.2012 - Cidade do Vaticano: “Jesus não descreve o fim do mundo”, na passagem do Evangelho que a liturgia proclama neste domingo: observou Bento XVI, na alocução do meio-dia, na Praça de São Pedro, com os peregrinos e romanos ali congregados, como habitualmente, para a recitação da oração mariana. Este discurso “escatológico” de Jesus, sobre “os últimos tempos” – observou o Papa – “é provavelmente o texto mais difícil dos Evangelhos”.

 

“Essa dificuldade deriva tanto do conteúdo como da linguagem: fala-se de fato de um futuro que ultrapassa as nossas categorias e é por isso que Jesus utiliza imagens e palavras retomadas do Antigo Testamento, mas – sobretudo – insere um novo centro, que é Ele próprio, o mistério da sua pessoa e da sua morte e ressurreição”.

De fato, o “Filho do homem” de que fala o Evangelho, retomando a profecia de Daniel, é o próprio Jesus, que põe em ligação o presente com o futuro. “As antigas palavras dos profetas encontraram finalmente um centro na pessoa do Messias nazareno. É Ele o verdadeiro acontecimento que, nos meios dos abalos e perturbações do mundo, permanece como o ponto firme e estável”.

 

Bento XVI pôs em realce a afirmação de Jesus “O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão”, observando que na Bíblia é a Palavra de Deus que está na origem da criação… “Esta potência criadora da Palavra divina concentrou-se em Jesus Cristo, Verbo feito carne, e passa também através das suas palavras humanas, que são o verdadeiro firmamento que orienta o pensamento e o caminho do homem sobre a terra”.


Foi neste contexto que o Papa fez notar que “Jesus não descreve o fim do mundo e, quando usa imagens apocalíticas, não se comporta como um vidente. Pelo contrário, Ele quer subtrair os seus discípulos de todos os tempos à curiosidade pelas datas e previsões, fornecendo-lhes isso sim uma chave de leitura profunda, essencial, e sobretudo indicar a via justa sobre como caminhar, hoje e amanhã, para entrar na vida eterna”.

 

“Tudo passa – recorda-nos o Senhor – mas a Palavra de Deus não muda e perante essa cada um de nós é responsável pelo seu próprio comportamento… Também nos nossos tempos não faltam calamidades naturais, e infelizmente, não falta também guerras e violências. Também hoje em dia temos necessidade de um fundamento estável para nossa vida e para a nossa esperança, por maioria de razão por causa do relativismo em que estamos imersos. Que a Virgem Maria nos acolha este centro na Pessoa de Cristo e na sua Palavra”.

 

Fonte: Rádio Vaticano.

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças