:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

 

Angelus do Papa Bento XVI

 

Jesus não veio procurar o consenso.
O profeta está ao serviço da verdade.

Amor e verdade são dois nomes de Deus

 

03.02.2013 - Cidade do Vaticano: Neste domingo ao meio-dia, na Praça de São Pedro, comentando o Evangelho do dia, com o episódio vivido por Jesus em Nazaré, rejeitado pelos seus conterrâneos S.S. o Papa diz:

 

“Jesus não veio procurar o consenso dos homens”. “O verdadeiro profeta é a Deus que obedece, pondo-se ao serviço da verdade, pronto a pagar em primeira pessoa”.


Sabendo bem que “nenhum profeta é bem aceito na sua pátria”, Jesus – observou o Papa – dirige às pessoas palavras que soam como uma provocação: cita dois milagres realizados pelos grandes profetas Elias e Eliseu a favor de pessoas não israelitas, para mostrar que às vezes há mais fé fora de Israel. E é por isso que todos reagem, expulsando-o da sinagoga e tentando mesmo deitá-lo abaixo de um precipício.


É caso para nos perguntarmos por que é que Jesus quis provocar esta rotura? – prosseguiu Bento XVI. Ao princípio as pessoas estavam admiradas com ele, teria porventura conseguido um certo consenso…


“Mas é precisamente essa a questão: Jesus não veio para procurar o consenso dos homens, mas – como dirá no fim a Pilatos – para dar testemunho da verdade. O verdadeiro profeta não obedece senão a Deus e coloca-se ao serviço da verdade, pronto a pagar na sua própria pele”.


É verdade que Jesus é o profeta do amor (reconheceu o Papa), mas também o amor tem a sua própria verdade.


“Ou melhor: amor e verdade são dois nomes da mesma realidade, dois nomes de Deus”.


Citando a segunda leitura deste domingo, Bento XVI recordou que “a caridade… não falta de respeito, não procura o seu próprio interesse, não se irrita, não tem conta do mal recebido, não se regozija com a injustiça, mas alegra-se com a verdade”.


“Crer em Deus, significa renunciar aos próprios preconceitos e acolher o rosto concreto no qual Ele se revelou: o homem Jesus de Nazaré. E esta via leva a reconhecê-lo e servi-lo também nos outros”.


Depois da oração mariana, Bento XVI recordou que em Itália a Igreja celebra neste domingo a “Jornada pela vida”.

 

“Associo-me aos bispos italianos que na sua mensagem convidam a investir na vida e na família, como resposta eficaz á atual crise”. O Papa saudou também o Movimento pela Vida, fazendo votos de bom sucesso para a iniciativa denominada “um de nós”, “para que a Europa seja sempre lugar onde cada ser humano seja tutelado na sua dignidade.

 

Fonte: Rádio Vaticano.

 

 

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças