:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

 

Angelus do Papa Bento XVI

 

29.06.2012 - Cidade do Vaticano: Ao meio-dia desta sexta-feira o Santo Padre assomou à janela de seus aposentos – que dá para a Praça São Pedro – para rezar a oração do Angelus com milhares de fiéis e peregrinos reunidos na praça, muitos dos quais haviam participado da missa da manhã presidida pelo Pontífice na Basílica Vaticana.

 

Queridos irmãos e irmãs!


Celebramos com alegria a solenidade litúrgica dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, uma festa que acompanha a história de mais de dois mil anos do povo cristão. Eles são chamados colunas da Igreja nascente. Testemunhas distintas da fé, eles expandiram o Reino de Deus com seus diversos dons e, no exemplo do Mestre divino, selaram com sangue sua pregação evangélica.


O martírio deles é sinal de unidade da Igreja, como disse Santo Agostinho: “Um só dia é consagrado à festa dos dois apóstolos. Mas também eles eram uma coisa só. Embora tenham sido martirizados em dias diferentes, eram uma coisa só. Pedro precede, Paulo segue” (Disc. 295, 8: PL 38, 1352).


Do sacrifício de Pedro são sinais eloquentes a Basílica Vaticana e esta Praça, tão importantes para o cristianismo. Também do martírio de Paulo restam traços significativos na nossa cidade, especialmente a Basílica a ele dedicada na Via Óstia. Roma traz escrito na sua história os sinais da vida e da morte gloriosa do humilde pescador da Galiléia e do apóstolo dos povos, que justamente os escolheram como Protetores.

Fazendo memória ao luminoso testemunho deles, nós recordamos o início venerável da Igreja que em Roma crê e prega o anúncio de Cristo Redentor. Mas os Santos Pedro e Paulo brilham não só no céu de Roma, mas no coração de todos os que creem e que, iluminados pelos seus ensinamentos e exemplos, em cada parte do mundo, andam sobre o caminho da fé, da esperança e da caridade.


Neste caminho de salvação, a comunidade cristã, sustentada pela presença do Espírito do Deus vivo, sente-se encorajada a prosseguir forte e serena sobre a estrada da fidelidade a Cristo e do anúncio do Seu Evangelho aos homens de cada tempo.

Neste fecundo itinerário espiritual e missionário se coloca também a concessão do Pálio aos Arcebispos Metropolitanos que cumpri nesta manhã na Basílica. Um rito sempre eloquente que põe em destaque a íntima comunhão dos Pastores com o Sucessor de Pedro e o profundo vínculo que nos liga à tradição apostólica.


Trata-se de um duplo tesouro de santidade, no qual se fundam juntamente a unidade e a catolicidade da Igreja: um tesouro precioso a se redescobrir e se viver com renovado entusiasmo e constante empenho.


Queridos peregrinos, aqui reunidos de toda parte do mundo! Neste dia de festa, rezemos com a expressão da Liturgia oriental: "Louvados sejam Pedro e Paulo, essas duas grandes luzes da Igreja; eles brilham no firmamento da fé".


Neste clima, desejo direcionar um pensamento particular à delegação do Patriarcado de Constantinopla que, como todos os anos, veio fazer parte destas nossas celebrações tradicionais.


Que a Virgem Santa conduza todos os que crêem em Cristo até a conquista da plena unidade!

 

Fonte: Boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé.

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças