:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

 

Bento XVI na Assembléia plenária
do Conselho Pontifício Cor Unum

O testemunho da caridade de Cristo através de obras de justiça, paz e desenvolvimento faz parte da evangelização.

13/11/09: O Santo Padre recebeu em audiência os membros da assembléia plenária do conselho pontifício Cor Unum que debate o tema “percursos de formação para os agentes da caridade”.

No seu discurso Bento XVI referiu-se a dois eventos eclesiais deste ano que puseram em realce o anuncio do Evangelho e a atenção ao coração do homem e ao ambiente onde vive: a publicação da Encíclica Caritas in veritate e a celebração da assembléia especial para a África do sínodo dos bispos sobre a reconciliação, a justiça e a paz.

“Em perspectivas diferentes mas convergentes, evidenciaram como a Igreja, no seu anuncio salvífico, não pode prescindir das condições concretas de vida dos homens, aos quais é enviada. O agir para as melhorar concerne a sua própria vida e a sua missão pois que a salvação de Cristo é integral e diz respeito ao homem em todas as suas dimensões: física, espiritual, social e cultural, terrena e celeste.

Bento XVI salientou depois que foi desta consciência que durante os séculos nasceram muitas obras e estruturas eclesiais finalizadas á promoção das pessoas e dos povos, que deram e continuam a dar um contributo insubstituível para o crescimento, o desenvolvimento harmonioso e integral do ser humano. E a este propósito o Papa citou uma passagem da sua Encíclica Caritas in veritate: O testemunho da caridade de Cristo através de obras de justiça, paz e desenvolvimento faz parte da evangelização, pois a Jesus Cristo, que nos ama, interessa o homem inteiro.

Nesta óptica –acrescentou – deve ser considerado o empenho da Igreja a favor do desenvolvimento de uma sociedade mais justa, na qual sejam reconhecidos e respeitados todos os direitos dos indivíduos e dos povos.

Bento XVI salientou depois que não toca certamente á Igreja intervir diretamente na política dos Estados, mas a comunidade cristã não pode e não deve permanecer á margem da defesa dos direitos humanos e da promoção da justiça.

“A fé é uma força espiritual que purifica a razão na procura de uma ordem justa, libertando-a do risco sempre presente de ser enganada pelo egoísmo, pelo interesse pessoal e pelo poder. Na verdade, como a experiência demonstra, também nas sociedades mais evoluídas do ponto de vista social, a caritas permanece necessária: o serviço do amor nunca se torne supérfluo, porque permanecem situações de sofrimento, de solidão, de necessidade, que exigem dedicação pessoal e ajudas concretas.

Quando oferece uma atenção amorosa ao homem, a Igreja sente pulsar em si mesma a plenitude de amor suscitada pelo Espírito Santo, o qual, no momento em que ajuda o homem a libertar-se das opressões materiais, assegura alimento e amparo á alma, libertando-a dos males que a afligem. Fonte deste amor é o próprio Deus, infinita misericórdia e amor eterno. Todos aqueles que prestam o seu serviço no âmbito de organismo eclesiais que têm a seu cargo a gestão de iniciativas e obras de caridade - salientou depois Bento XVI - não podem deixar de ter este objetivo principal: fazer conhecer e experimentar o Rosto misericordioso do Pai celeste, pois que no coração de Deus Amor, se encontra a resposta verdadeira ás expectativas mais intimas de cada coração humano.

Fonte : Rádio Vaticano.

 

       © Últimas e Derradeiras Graças