:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

PAPA BENTO XVI:

EVITAR SECULARIZAÇÃO DOS SACERDOTES
E CLERICALIZAÇÃO DOS LEIGOS

17.09.09: Castel Gandolfo,– O Papa Bento XVI recebeu hoje em audiência, na residência apostólica de Castel Gandolfo, 22 bispos do Regional Nordeste 2 da CNBB, que compreendem as províncias eclesiásticas de Olinda e Recife, Paraíba, Maceió e Natal, que concluem amanhã sua visita ad Limina.

O discurso de Bento XVI foi centralizado no papel específico dos sacerdotes e dos leigos na comunidade eclesial. O papa recordou que a Igreja é organicamente estruturada como Corpo de Cristo; portanto, os membros não têm todos a mesma função: "É isto que constitui a beleza e a vida do corpo".

Nessa perspectiva, afirmou o pontífice, é necessário evitar a secularização dos sacerdotes e a clericalização dos leigos, explicando a função específica de cada um:

"Os fiéis leigos devem empenhar-se em exprimir na realidade, inclusive através do empenho político, a visão antropológica cristã e a doutrina social da Igreja. Diversamente, os sacerdotes devem permanecer afastados de um engajamento pessoal na política, a fim de favorecerem a unidade e a comunhão de todos os fiéis e, assim, poderem ser uma referência para todos".

Para o papa, a relação entre sacerdócio comum e ministerial constitui atualmente um dos pontos mais delicados do ser e da vida da Igreja. A falta de presbíteros, afirmou, não justifica uma participação mais ativa e numerosa dos leigos. "Na realidade, quanto mais os fiéis se tornam conscientes das suas responsabilidades na Igreja, tanto mais sobressaem a identidade específica e o papel insubstituível do sacerdote como pastor do conjunto da comunidade, como testemunha da autenticidade da fé e dispensador, em nome de Cristo-Cabeça, dos mistérios da salvação."

Assim, acrescentou Bento XVI, a função do presbítero é essencial e insubstituível para o anúncio da Palavra e a celebração dos Sacramentos, sobretudo da Eucaristia: "Por isso, urge pedir ao Senhor que envie operários à sua Messe; além disso, é preciso que os sacerdotes manifestem a alegria da fidelidade à própria identidade com o entusiasmo da missão".

O papa disse aos bispos que a carência de presbíteros não pode ser considerada normal ou típica do futuro, mas eles devem se esforçar para despertar novas vocações sacerdotais e encontrar os pastores indispensáveis às dioceses. Àqueles já ordenados, devem viver com coerência e em plenitude a graça e os compromissos do batismo.

Mais uma vez, neste período em que a Igreja celebra o Ano Sacerdotal, Bento XVI propôs o Santo Cura d'Ars e Frei Galvão como modelos para os presbíteros, pois ambos procuraram imitar Jesus Cristo, fazendo-se não só sacerdote, mas também vítima e oblação como Jesus.

E concluiu: "Que a bem-aventurada Virgem Maria interceda por todo o povo de Deus no Brasil, para que pastores e fiéis possam, com coragem e alegria, 'anunciar abertamente o mistério do Evangelho'".

Fonte: Rádio Vaticano.

 

       © Últimas e Derradeiras Graças