:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

ANGELUS do Papa BENTO XVI.

JESUS MARIA E JOSÉ
TIVERAM QUE SE REFUGIAR NO EGITO.

16.01.2011 - Cidade do Vaticano: O Papa Bento XVI pediu neste domingo, durante a oração mariana do Angelus, força para todas aquelas pessoas que deixaram seus países em busca de melhores condições de vida, recordou o recente anúncio da beatificação do Papa João Paulo II, que terá lugar no dia 1º de maio próximo, e lembrou as pessoas atingidas por graves inundações em várias partes do mundo, assegurando as suas orações.

“Quero assegurar minha especial recordação na oração pelas populações da Austrália, Brasil, Filipinas e Sri Lanka, recentemente atingidas por enchentes devastadoras. Que o Senhor acolha as almas dos defuntos, dê força aos desabrigados e apóie o trabalho daqueles que estão ajudando a aliviar o sofrimento e o desconforto”.

Diante de milhares de peregrinos e fiéis reunidos na Praça São Pedro, o Papa também se referiu à beatificação de seu predecessor, João Paulo II, anúncio que foi feito sexta-feira passada depois de ter promulgado o decreto reconhecendo um milagre atribuído à intercessão do Papa polonês, da cura inexplicável de uma religiosa francesa, Marie Simon Pierre, que sofria de Mal de Parkinson desde 2001.

“Queridos irmãos e irmãs, como todos sabem, no dia 1º de maio terei a alegria de proclamar Bem-aventurado o Venerável João Paulo II, meu amado predecessor. A data escolhida é significativa: será, de fato, o II Domingo de Páscoa, que ele mesmo dedicou à Divina Misericórdia, e na véspera do qual encerrou a sua vida terrena. Aqueles que o conheceram, aqueles que o estimaram e amaram, não podem deixar de se alegrar com a Igreja por este evento”.

Momentos antes o Santo Padre recordou que neste domingo celebramos o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, “que a cada ano nos convida a refletir sobre a experiência de tantos homens e mulheres, e de tantas famílias que deixam seus países em busca de melhores condições de vida”. Esta migração é, por vezes voluntária, - destacou Bento XVI - mas às vezes, infelizmente, é forçada pela guerra ou perseguições, e ocorre frequentemente - como sabemos - em condições dramáticas. Por isso foi criado há 60 anos, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

Em seguida o Pontífice sublinhou que na festa da Sagrada Família, logo após o Natal, recordamos que também os pais de Jesus tiveram que fugir da sua terra natal e refugiar-se no Egito, para salvar a vida de seu menino, o Messias, o Filho de Deus foi um refugiado.

“A Igreja desde sempre vive dentro de si a experiência da migração. Às vezes, infelizmente, os cristãos se sentem obrigados a deixar, com sofrimento, as suas terras, empobrecendo assim os países onde seus antepassados viveram. Por outro lado, os movimentos voluntários dos cristãos, por diversos motivos, de uma cidade para outra, de um país para outro, de um continente para outro, são uma oportunidade para aumentar o dinamismo missionário da Palavra de Deus e faz com que o testemunho da fé circule ainda mais no Corpo Místico de Cristo, atravessando os povos e as culturas, e alcançando novas fronteiras, novos ambientes”.

Bento XVI depois dirigiu o seu pensamento para o tema da mensagem que escreveu para o dia de hoje: “Uma só família humana".

“Um tema que indica a finalidade, o objetivo da grande viagem da humanidade através dos séculos: formar uma única família, naturalmente com todas as diferenças que a enriquecem, mas sem barreiras, reconhecendo todos os irmãos. Assim diz o Concílio Vaticano II: ‘Todos os povos constituem uma só comunidade. Eles têm a mesma origem, pois Deus fez habitar todo o gênero humano sobre toda a face da terra’ (Dich. Nostra aetate, 1)”.

A Igreja - diz ainda o Concílio, continuou o Papa - , “é em Cristo como sacramento, isto é, sinal e instrumento da íntima união com Deus e da unidade de todo o gênero humano” (Lumen gentium, 1). Por isso, é essencial que os cristãos, mesmo espalhados por todo o mundo e, portanto, diversos nas suas culturas e tradições, sejam uma só coisa, como deseja o Senhor.

É esta a finalidade da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, que se realizará entre os dias 18 e 25 de janeiro. Este ano a Semana se inspira numa passagem dos Atos dos Apóstolos: “Unidos no ensinamento dos Apóstolos, na comunhão, no partir o pão e na oração” (Atos 2:42). Recordamos que no Brasil a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos se realiza entre a Ascensão e Pentecostes.

Bento XVI lembrou em seguida que o oitavário pela Unidade dos Cristãos será precedido, nesta segunda-feira, pelo dia do diálogo judaico-cristão: uma abordagem muito significativa, que lembra a importância das raízes comuns que unem judeus e cristãos.

Na conclusão de suas palavras o Papa confiou a Nossa Senhora todos os migrantes e aqueles que se dedicam ao trabalho pastoral entre eles. Maria, Mãe da Igreja, também nos ajude a realizar progressos no caminho rumo à plena comunhão de todos os discípulos de Cristo. Enfim o Santo Padre concedeu a todos a sua Benção Apostólica.

Presente na Praça São Pedro o arcebispo Dom Juliusz Janusz que foi durante 3 anos Secretário da Nunciatura Apostólica em Brasília. Ele conversou com a Rádio Vaticano e fez uma pequena reflexão sobre o flagelo das inundações em todo o mundo.

Fonte: Rádio Vaticano.

 

       © Últimas e Derradeiras Graças