:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

 

MENSAGEM DE NATAL DO PAPA BENTO XVI.

 

AOS CATÓLICOS BRITÂNICOS

 

24.12.10 - Cidade do Vaticano, - A BBC transmitiu na manhã desta sexta-feira, véspera de Natal, a mensagem natalina do Papa aos católicos britânicos no programa radiofônico "Thought for the Day" (Pensamento do Dia).

 

Recordando com grande ternura a minha visita de quatro dias ao Reino Unido em setembro passado, fico contente por ter a oportunidade de dirigir novamente a vós a minha saudação, bem como os meus bons votos aos ouvintes que se encontram em diversos outros lugares, enquanto nos preparamos para celebrar o nascimento de Cristo. Os nossos pensamentos retornam a um momento da história em que o povo eleito por Deus, os filhos de Israel, viviam uma expectativa intensa. Esperavam o Messias que Deus havia prometido enviar, e o descreviam como um grande líder que lhes resgataria do domínio estrangeiro e restauraria a sua liberdade.

Deus é sempre fiel às suas promessas, mas frequentemente nos surpreende com o modo de cumpri-las. O menino nascido em Belém trouxe sim a libertação, mas não somente para as pessoas daquele tempo e daquele lugar – ele seria o Salvador de todos, em todos os lugares do mundo e em todos os tempos da história. E a libertação que ele trouxe não era política, concretizada através de meios militares: ao contrário, Cristo destruiu a morte para sempre e renovou a vida por meio da sua morte infame sobre a cruz. E ainda que tenha nascido na pobreza e no escondimento, longe dos centros do poder terreno, ele era o próprio Filho de Deus. Por amor a nós, ele tomou sobre si a nossa condição humana, a nossa fragilidade, a nossa vulnerabilidade, e abriu para nós a via que leva à plenitude da vida, à participação na vida mesma de Deus.

Enquanto meditamos nos nossos corações sobre esse grande mistério do Natal, agradeçamos a Deus pela sua bondade com relação a nós, e anunciemos com alegria a quem está em nosso redor a boa notícia de que Deus nos oferece a liberdade de tudo quanto nos oprime: dá-nos esperança, traz-nos vida.

Queridos amigos da Escócia, da Inglaterra, de Gales, e de todas as partes do mundo de língua inglesa, desejo que saibais que vos tenho muito presentes nas minhas orações neste tempo santo. Rezo pelas vossas famílias, pelos vossos filhos, pelos doentes, por todos aqueles que sofrem com qualquer tipo de dificuldade neste tempo. Rezo especialmente pelos anciãos e aqueles que se aproximam do fim de seus dias. Peço a Cristo, luz das nações, que distancie toda obscuridade das vossas vidas e dê a cada um de vós a graça de um Natal de paz e alegria. O Senhor vos abençoe a todos.

Fonte: Boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé .



 

       © Últimas e Derradeiras Graças