:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

S.S. O PAPA BENTO XVI

NA SOLENIDADE DA ASSUNÇÃO DA VIRGEM MARIA.

ELA, É SINAL DE QUE DEUS NÃO NOS ABANDONA

15.08.10 - Castel Gandolfo: O Papa presidiu, na manhã deste domingo, Solenidade da Assunção de Nossa Senhora, a celebração eucarística na paróquia de Santo Tomás de Villanova, em Castel Gandolfo.

Em sua homilia, Bento XVI recordou que hoje a Igreja celebra uma das mais importantes festas do ano litúrgico dedicadas à Maria Santíssima. "No final de sua vida, Maria foi levada em corpo e alma ao céu, ou seja, à gloria da vida eterna, na plena e perfeita comunhão com Deus" – frisou o pontífice.

O Santo Padre lembrou que este ano a Igreja celebra o 60° aniversário da definição solene do Dogma da Assunção de Nossa Senhora em Corpo e Alma ao Céu, proclamada pelo Papa Pio XII na Constituição Apostólica Munificentissimus Deus, em 1° de novembro de 1950.

A Mãe de Deus foi inserida no Mistério de Cristo e participa da Ressurreição de seu Filho. "Nós cremos que Maria, como Cristo seu Filho, venceu a morte e triunfa na gloria celeste na totalidade de seu ser, em alma e corpo" – disse o Papa.

Quais são as raízes desta vitória sobre a morte antecipada em Maria? "As raízes estão na fé da Virgem de Nazaré, uma fé que é obediência à Palavra de Deus e abandono total à iniciativa e à ação divina. A fé é a grandeza de Maria, como proclama alegremente Isabel: Maria é bendita entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre, porque é a Mãe do Senhor, porque crê e vive de maneira única a primeira das bem-aventuranças, a bem-aventurança da fé" – frisou Bento XVI.

O Santo Padre lembrou que nós somos chamados a olhar o que o Senhor, em seu amor, quis também para nós, para o nosso destino final: "viver através da fé na comunhão perfeita de amor com Ele e assim viver realmente para sempre".

Bento XVI frisou que com o termo céu, lembrando o Dogma da Assunção de Nossa Senhora, a Igreja recorda que Deus, o Deus que se fez homem, não nos abandona nem mesmo na morte e depois da morte, mas Ele tem um lugar para nós e nos doa a eternidade. "É o seu amor que vence a morte e nos doa a eternidade, é este amor que chamamos céu" – sublinhou o Papa.

O Santo Padre concluiu sua homilia pedindo ao Senhor para que nos ajude a compreender o quanto a nossa vida é preciosa aos olhos de Deus e que Ele "reforce a nossa fé na vida eterna, nos torne homens de esperança, que trabalhem para construir um mundo aberto a Deus, homens repletos de alegria, que sabem ver a beleza do mundo futuro no meio das dificuldades da vida cotidiana".

Fonte: Rádio Vaticano.

 

       © Últimas e Derradeiras Graças