:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

Papa Bento XVI

O Matrimônio é indissolúvel
entre o homem e a mulher.

07.11.10 – Barcelona: Bento XVI presidiu a celebração eucarística, neste domingo, na Basílica da Sagrada Família, em Barcelona, na Espanha, no âmbito de sua 18ª Viagem Apostólica Internacional. O Papa consagrou a Basílica da Sagrada Família, em construção desde 1882, e recordou, em sua homilia, o arquiteto espanhol Antoni Gaudí, que projetou esse templo.

Queridos irmãos e irmãs no Senhor,

 

Neste dia santo para o Senhor teu Deus, não chores... “A alegria do senhor é a nossa força” (Neemias 8: 9-11). Com a as palavras da primeira leitura que proclamamos, eu desejo cumprimentar todos vocês que participam desta celebração.

Estendo meus cumprimentos afetuosos para a majestade o Rei e a Rainha da Espanha que desejo que sejam um conosco.


Estendo meus cumprimentos de gratidão para o Cardeal Luís Martínez Sistach, Arcebispo de Barcelona, agradeço as palavras de boas vindas e por ter me convidado para celebrar na Igreja da Sagrada Família, uma magnífica obra da engenharia, arte e fé.


Eu também cumprimento o Cardeal Ricardo María Carles Gordó, Arcebispo Emérito de Barcelona, os outros Cardeais presentes e meus irmãos bispos, especialmente, o bispo auxiliar desta Igreja local, e aos padres, diáconos, seminaristas, religiosos e religiosas, e  leigos que participam desta solene cerimônia.


Também estendo um cumprimento respeitoso para as autoridades nacionais, regionais e locais presentes. Bem como os membros das comunidades cristãs que compartilham nossa alegria e gratidão em Deus.


Hoje marca uma importante etapa na longa história de esperança, trabalho e generosidade que transpassa pelos séculos. Queria neste momento me dirigir com alegria a cada um que foi promotor para a execução deste trabalho (Igreja Sagrada Família), os arquitetos, os trabalhadores e todos que contribuíram generosamente para a construção deste edifício. Nós lembramos também Antoni Gaudí, um criativo arquiteto e um cristão praticante que foi a alma e o artesão deste projeto. Ele manteve a tocha da fé até o fim da vida, uma vida vivida com dignidade e absoluta austeridade.

 

Este evento também é dedicado para a terra da Catalonia que ao longo da história, especialmente, no fim do século XIX  deu com abundância santos, fundadores, mártires e poetas cristãos. Esta é uma história de santidade, artística e de criação poética, nascida pela fé, que recolhemos e presenteamos a Deus no dia de hoje com uma oferta na Eucaristia.


A alegria que sinto presidindo esta cerimônia se torna maior quando soube que este santuário, desde o seu início, tinha uma relação especial com São José. Eu tenho sido movido pela fé de Gaudí que confiava em São José, pois em muitas dificuldades que ele tinha ao construir este santuário ele exclamava: “São José irá terminar esta Igreja!”. É uma alegria ter sido São José quem providenciou tudo para a construção deste santuário. Já que meu nome batismal é José.

Esta Igreja é fruto da fé e da inteligência humana, que deu origem a este trabalho de arte. Este é um sinal visível do Deus invisível, como estas torres que apontam para a direção da luz, Aquele que é a luz, a luz absoluta e a beleza em si.


Neste lugar Gaudí desejou unificar as inspirações vinda de três livros que o alimentou como um homem, como um crente e como um arquiteto: o livro da natureza, o livro da Sagrada Escritura e o livro da liturgia. Deste modo, ele trouxe junta a realidade do mundo e da história da salvação, como contada na Bíblia e feita nesta presente liturgia. Ele fez pedras, árvores e a vida humana parte da Igreja para que toda criação se reúnem em louvor a Deus, mas ao mesmo tempo ele trouxe imagens sagradas para colocar as pessoas diante do mistério de Deus reveladas no nascimento, paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo.


Deste modo, ele brilhantemente ajudou na construção da nossa consciência humana, ancorada no mundo ainda aberto a Deus, iluminado e santificado por Cristo. Nisso, ele realizou uma das tarefas mais importantes dos nossos tempos: a superação da divisão entre a consciência humana e da consciência cristã, entre a vida neste mundo temporal e estar aberto para a vida eterna, entre a beleza das coisas e Deus como beleza. Antoni Gaudí fez isto não com palavras mas com pedras, linhas, planos e pontos. Na verdade, a beleza é uma das maiores necessidades da humanidade, é a raiz de onde os galhos da nossa paz e os frutos da nossa esperança brotam. Beleza também revela de Deus, porque, como ele, uma obra de beleza é pura gratuidade, que nos chama à liberdade e que nos afasta do egoísmo.


Temos dedicado este espaço sagrado a Deus que se revelou e se deu a nós em Cristo para que definitivamente Deus seja próximo ao homem. A revelação da Palavra, a humanidade de Cristo e a sua Igreja são três supremas expressões  da sua manifestação e sua doação para humanidade.


Assim diz São Paulo na segunda leitura: “Segundo a graça que Deus me deu, como sábio arquiteto lancei o fundamento, mas outro edifica sobre ele.  Quanto ao fundamento, ninguém pode pôr outro diverso daquele que já foi posto: Jesus Cristo”. O Senhor Jesus é a pedra que suporta o peso do mundo que mantém a coesão da Igreja e traz junto em ultimato a unidade e toda  realização da humanidade. Nele temos Deus palavra e presença e a Igreja recebe dele a vida, o ensinamento e a missão.


A Igreja por si mesma não é nada, ela é chamada a ser sinal e instrumento de Cristo, na pura docilidade para autoridade dele e em total serviço para seu mandato. O único Cristo é a fundação da sua única Igreja. Ele é a rocha que a nossa fé é construída. Construída na fé,  lutemos juntos para mostrar para o mundo a face de Deus, que é amor e o único que pode responder nossos anceios.
Esta é a nossa grande tarefa mostrar um Deus que é paz e não violência, é o Deus da liberdade e não da coesão, da harmonia e não da discórdia.


Nesse sentido, considero que a dedicação da igreja da Sagrada Família é um evento de grande importância, num momento em que o homem diz ser capaz de construir sua vida sem Deus, como se Deus não tinha nada para lhe dizer. Nesta obra, Gaudí nos mostra que Deus é a verdadeira medida do homem, que o segredo da autêntica originalidade consiste, como ele mesmo disse, em voltar a sua origem que é Deus. Gaudí, abrindo o seu espírito a Deus, foi capaz de criar na cidade um espaço de fé, beleza e esperança, que conduz o homem ao encontro com Aquele que é a verdade e a beleza em si. O arquiteto expressa seus sentimentos com as seguintes palavras: "A igreja [é] a única coisa digna de representar a alma de um povo, pois a religião é a realidade mais elevada no homem".


Esta afirmação de Deus traz com ele a suprema afirmação e proteção da dignidade de cada e de todos os homens e mulheres: “Não sabeis que sois templo de Deus?... O templo de Deus é santo, e você é um templo”. ( I Cor 3; 16-17). Aqui encontramos a alegria junto com a verdade e dignidade de Deus e a verdade e dignidade do homem. Assim, consagramos o altar da Igreja, que tem Cristo como o fundador. Nós apresentamos ao mundo um Deus que é amigo dos homens e convidamos estes homens e mulheres a serem amigos de Deus. Tocamos nesta realidade no caso de Zaqueu de quem hoje o evangelho fala (Lucas 19:1-10).

 

Se permitimos Deus entrar em nossos corações e em nosso mundo, se permitimos Cristo viver em nossos corações, não nos arrependeremos. Faremos a experiência da alegria de compartilharmos sua própria vida que é o objetivo do seu infinito amor.

A Igreja surgiu da iniciativa da Associação dos Amigos de São José, que queriam dedicá-la a Sagrada Família de Nazaré. O lar formado por Jesus, Maria e José que sempre foi considerada uma de escola de amor, oração e trabalho. Os promotores desta Igreja queria promover o amor no mundo e a vivência  na presença de Deus, como a Sagrada Família vivia. A vida mudou muito e com isso um enorme progresso foi feito nas esferas técnica, social e cultural. Nós não podemos simplesmente ficar satisfeitos com esses avanços. Ao lado deles, há também os que precisam ser os avanços morais, como na  proteção e assistência às famílias, na medida em que o amor generoso e indissolúvel entre um homem e uma mulher é o contexto eficaz e fundamento da vida humana em sua gestação, parto, crescimento e morte natural. Somente onde o amor e a fidelidade são a verdadeira liberdade presente pode nascer e resistir.


Por esta razão, a Igreja defende adequados meios econômicos e sociais para que as mulheres possam encontrar na casa e no trabalho o seu pleno desenvolvimento, que homens e mulheres que contraem o matrimônio e formar uma família recebe um apoio decisivo do Estado, que a vida das crianças pode ser defendida como sagrada e inviolável desde o momento da sua concepção, que a realidade do nascimento ser dado o devido respeito e recebem apoio jurídico, social e legislativa. Por este motivo a Igreja resiste a qualquer forma de negação da vida humana e dá seu apoio a tudo o que iria promover a ordem natural na esfera da instituição da família.

Ao contemplar com admiração este espaço sagrado de beleza maravilhosa, de tanta história cheia de fé, peço a Deus que na terra de testemunhas Catalunha nova da santidade pode levantar-se e florescer, e apresentar ao mundo o grande serviço que a Igreja pode e deve oferecer à humanidade: ser um ícone da beleza divina, uma chama ardente de caridade, um caminho para que o mundo creia no único que Deus enviou (cf. Jo 6:29).

 

Queridos irmãos e irmãs, como eu dedico esta esplêndida igreja, imploro o Senhor de nossas vidas que, a partir deste altar, que agora será ungido com óleo santo e sobre a qual o sacrifício do amor de Cristo vai ser consumido, pode haver um dilúvio de graça e caridade sobre a cidade de Barcelona e do seu povo, e sobre todo o mundo. Que estas águas fecundas encher de fé e vitalidade apostólica desta arquidiocese da Igreja, seus pastores e seus fiéis.

 


Por último, gostaria de elogiar a proteção amorosa da Mãe de Deus, Maria Santíssima, Rose de Abril, Mãe de misericórdia, todos os que entram aqui e todos os que por palavras ou por obras, em silêncio e oração, tem tornado possível esta maravilhosa arquitetura. Que Nossa Senhora acolha as alegrias e aflições de todos os que virão no futuro a este lugar sagrado, para que aqui, como a Igreja reza quando dedicando edifícios religiosos, os pobres podem achar graça, da liberdade oprimida verdade e todos os homens assumir a dignidade de filhos de Deus. Amém.

 

Fonte: Boletim da Sala da Imprensa da Santa Sé.



 

       © Últimas e Derradeiras Graças