:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.


 

O Papa Bento XVI defende a vida da

"concepção até a morte", após caso Eluana.

 

O pontífice fez a afirmação durante a missa pelas pessoas

com problemas de saúde, na basílica de São Pedro, no Vaticano

 

11.02.09: O papa Bento XVI disse nesta quarta-feira que a vida do ser humano "não é um bem disponível", e que é preciso cuidar dela desde o momento da concepção até a morte, dois dias após o falecimento da italiana Eluana Englaro, 38 anos, que teve a alimentação e hidratação artificial cortadas.

O pontífice fez esta afirmação diante de milhares de doentes que assistiram, na basílica de São Pedro, do Vaticano, à missa pelas pessoas com problemas de saúde na festa de Nossa Senhora de Lourdes, realizada hoje e que, para a Igreja, também é o Dia Mundial do Doente.

Diante de uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes, Bento XVI lembrou sua viagem, em setembro, ao Santuário Mariano construído nos Pirineus franceses e o encontro com dezenas de milhares de doentes, e disse que o dia convida a sentir "com maior intensidade" a proximidade espiritual da Igreja com os que sofrem.

"A vida do homem não é um bem disponível, mas um precioso cofre que é preciso guardar e cuidar com todo o zelo possível desde o momento de sua concepção até a morte natural. A vida é um mistério que, por si só, exige responsabilidade, amor, paciência e caridade por parte de cada um de nós", afirmou o pontífice.

Por tudo isso, acrescentou, "é mais importante do que nunca cercar de atenções os que estão doentes e sofrem".

Bento XVI admitiu que "nem sempre é fácil", mas é preciso ter "força e paciência para enfrentar as vicissitudes da existência terrena, em particular das doenças".

O pontífice lembrou que a dor, a doença e a morte seguem sendo um mistério insondável, e ressaltou que Deus criou o ser humano para a felicidade e para a vida, "enquanto a doença e a morte entraram no mundo como conseqüência do pecado".

Além disso, o pontífice divulgou uma mensagem na qual pediu aos "responsáveis das nações para que se potencializem leis e medidas a favor das crianças doentes e de suas famílias".

Nesta ocasião, concentrou suas forças nas doenças incuráveis, aqueles que arrastam as seqüelas físicas e psíquicas dos conflitos e das guerras, ou que são vítimas dos adultos.

Fonte: Terra Notícias.

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças