:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

Papa Bento XVI.

"PAZ COMEÇA PELO RESPEITO
POR QUEM É DIVERSO DE NÓS"

01.01.2010: Cidade do Vaticano, - O pontífice presidiu esta manhã, na Basílica de São Pedro, a missa que, em coincidência com o primeiro dia do ano civil, celebra a Solenidade de Maria, Mãe de Deus, e ao mesmo tempo, o 43º Dia Mundial da Paz.

Concelebraram com o papa os cardeais Tarcisio Bertone, secretário de Estado, e Renato Raffaele Martino, presidente emérito do Pontifício Conselho da Justiça e da Paz.

“A paz começa com o olhar respeitoso, que reconhece na face do outro uma pessoa, independente da cor de sua pele, da sua nacionalidade, língua ou religião” – lembrou Bento XVI em sua homilia. Para o papa, “somente se tivermos Deus no coração, somos capazes de reconhecer na face do outro um irmão na humanidade”.

O papa convidou todos a realizar projetos de paz, depor as armas de todo tipo e esforçarem-se, juntos, para construir um mundo mais digno do homem. Recordando o sofrimento de tantas crianças atingidas por guerras em muitas partes do mundo, disse que “o rosto destes pequenos inocentes é um apelo silencioso à nossa responsabilidade”. Dirigindo-se aos embaixadores de todos os países representados junto à Santa Sé, o papa advertiu:

“No dia dedicado a Maria, Mãe de Deus, a imagem da ternura encontra o seu trágico contrário nas dolorosas imagens de tantas crianças e de suas mães à mercê de guerras e violências: deslocados, refugiados, migrantes forçados. Faces marcadas pela fome e pelas doenças, faces desfiguradas pela dor e pelo desespero”.

Em referência ao 43º Dia Mundial da Paz, o pontífice evocou com veemência a responsabilidade de quem vive na terra para com a preservação da Criação:

“Se o homem se degrada, degrada o ambiente em que vive; se a cultura tende para um niilismo, não teórico, mas prático, a natureza pagará as conseqüências. Existe um nexo direto entre o respeito do homem e a salvaguarda da Criação” – disse.

Assim – continuou – “é importante sermos educados desde pequenos ao respeito do próximo, mesmo quando é diferente de nós, e à responsabilidade ecológica, baseada no respeito do homem e de seus direitos e deveres fundamentais”.

Bento XVI pediu que sigamos o exemplo das crianças de hoje, cada vez mais em contato com coetâneos de várias nacionalidades, que despertam em nós a ternura e a alegria por uma inocência e uma irmandade que nos parecem evidentes:

“Apesar das suas diferenças, choram e sorriem do mesmo modo, têm as mesmas necessidades, comunicam espontaneamente, brincam juntas... As faces das crianças são como um reflexo da visão de Deus sobre o mundo. Por que então tirar os seus sorrisos? Por que envenenar os seus corações?”.

Em sua homilia deste início de ano, Bento XVI re-propôs o conceito de ‘ecologia humana’, usado pela primeira vez por João Paulo II, fortemente propagado por papa Ratzinger em sua encíclica 'Caritas in veritate', e retomado na mensagem para o Dia Mundial da Paz 2010: “Se queres cultivar a paz, preserva a criação”.

“O homem é capaz de respeitar a criatura na medida em que traz no próprio espírito um pleno sentido da vida; de outro modo será levado a desprezar a si mesmo e ao que o circunda, a não ter respeito pelo ambiente em que vive, pela Criação. Quem sabe reconhecer no cosmos os reflexos do rosto invisível do Criador, é levado a ter maior amor pela criatura e maior sensibilidade pelo seu valor simbólico”.

Fonte: Rádio Vaticano.

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças