:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

 

Papa abençoa cordeiros que darão a lã para o Pálio

 

Jesus Cristo é o Cordeiro de Deus
que tira o pecado do mundo.

 

21.01.2012 - Cidade do Vaticano: Neste sábado, a Igreja recorda Santa Inês, e o Santo Padre Bento XVI abençoa os dois cordeiros cuja lã será utilizada para confeccionar os pálios sagrados.


O pálio é uma estola de lã branca com seis cruzes pretas bordadas ao seu longo e que expressa a unidade com o sucessor de Pedro. A estola é guardada numa urna no Altar da Confissão de São Pedro até o dia 29 de junho, quando o Papa a impõe, na solenidade dos Santos Pedro e Paulo, aos novos arcebispos metropolitanos. O gesto é um sinal da comunhão especial que os liga à Sé Apostólica.


Os cordeiros são criados pelas religiosas do convento romano e São Lourenço em Panisperna e oferecidos ao Pontífice pelos Canônicos Regulares Lateranenses no dia da memória litúrgica de Santa Inês, a mártir romana que a iconografia tradicional costuma retratar como um cordeiro.


Nas palavras do Papa Bento XVI, em um discurso de 2008, o Pálio é imposto sobre os Arcebispos Metropolitanos como símbolo da sua comunhão hierárquica com o Sucessor de Pedro no governo do povo de Deus. Ele é confeccionado com lã de ovelha, em representação de Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo e o Bom Pastor que vela cautelosamente sobre o seu rebanho. O pálio recorda aos Bispos que, como Vigários de Cristo nas respectivas Igrejas locais, são chamados a ser Pastores a exemplo de Jesus.


Como símbolo do fardo do ministério episcopal, recorda também aos fiéis o seu dever de ajudar os Pastores da Igreja com as suas orações e de cooperar generosamente com eles para a propagação do Evangelho e o crescimento da Igreja de Cristo na santidade, unidade e caridade.


Originalmente, era exclusivo dos papas, sendo depois estendido aos metropolitas e primazes, como símbolo de jurisdição delegada a eles pelo pontífice.

 

Fonte: Rádio Vaticano.

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças