:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

ÂNGELUS DO PAPA BENTO XVI :

QUEM REZA NUNCA ESTÁ SOZINHO

25.07.10 - Castel Gandolfo: Como nos domingos precedentes, fiéis e peregrinos compareceram numerosos ao pátio interno da residência de Castel Gandolfo para ver e ouvir o Papa na oração dominical do Ângelus. Ao comentar o Evangelho do dia, Bento XVI falou da oração do Pai-Nosso.

Na narração de São Lucas, Jesus estava recolhido em oração, um pouco afastado dos seus discípulos. Quando acabou, um deles pediu a Jesus que os ensinasse a rezar. Sem oferecer fórmulas estranhas e sem fazer objeções, Jesus respondeu: "Quando rezardes, dizei: 'Pai...', e ensinou o Pai-Nosso.

"Estamos diante das primeiras palavras da Sagrada Escritura que aprendemos desde crianças. Elas se imprimem na memória, plasmam a nossa vida, nos acompanham até o último respiro. Elas nos revelam que nós não somos filhos de Deus de maneira já completa, mas que devemos nos tornar seus filhos e sê-lo sempre mais mediante uma comunhão mais profunda com Jesus. Ser filhos se torna o equivalente a seguir Cristo."

O Papa explicou que esta oração acolhe e expressa também as necessidades materiais e espirituais do homem, quando dizemos "o pão nosso cotidiano dá-nos a cada dia; perdoa-nos os nossos pecados" (Lc 11,3-4). E justamente por causa das necessidades e das dificuldades de cada dia, Jesus exorta com força: "Também eu vos digo: Pedi e vos será dado; buscai e achareis; batei e vos será aberto. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, acha; e ao que bate, se abrirá" (Lc 11,9-10).

Não se trata de pedir para satisfazer as próprias vontades, mas para manter a amizade com Deus, o qual – diz sempre o Evangelho – "dará o Espírito Santo aos que o pedirem" – disse o Pontífice, que acrescentou:

"Todas as vezes que rezamos o Pai-Nosso, a nossa voz se une à da Igreja, porque quem reza nunca está sozinho. E assim, cada fiel deverá buscar e encontrará na oração cristã o próprio caminho, o próprio modo de rezar, e se deixará conduzir pelo Espírito Santo, que o levará, por meio de Cristo, ao Pai."

Antes de rezar o Ângelus, Bento XVI recordou que hoje se celebra a festa do Apóstolo São Tiago o Maior, que deixou o pai e o trabalho de pescador para seguir Jesus, sendo o primeiro dos Apóstolos a dar a vida por Ele. "De coração dirijo um pensamento especial aos peregrinos presentes em Santiago de Compostela! Que a Virgem Maria nos ajude a redescobrir a beleza e a profundidade da oração cristã."

Quando estava para se despedir dos fiéis, após saudá-los em diversas línguas, o Secretário pessoal do Pontífice, Mons. Georg Ganswein, recordou-lhe que não havia cumprimentado os peregrinos em nossa língua.

Então disse em português: "Saúdo também os peregrinos de língua portuguesa, especialmente o grupo de brasileiros vindos da diocese de Blumenau. Agradecido pela amizade e orações, sobre todos invoco os dons do Espírito Santo para serem verdadeiras testemunhas de Cristo no meio das respectivas famílias e comunidades que de coração abençôo".

Fonte: Rádio Vaticano.

 

       © Últimas e Derradeiras Graças