:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

Catequese do Papa Bento XVI.

"Rezar se aprende em casa com os pais"

28.12.2011 - Cidade do Vaticano – Bento XVI presidiu na manhã desta quarta-feira, na Sala Paulo VI, no Vaticano, à última Audiência Geral de 2011.

Queridos irmãos e irmãs,

Este nosso encontro desenvolve-se em um clima de Natal, inundado de íntima alegria devido ao nascimento do Salvador. Celebramos há pouco este mistério, cujo eco se expande na liturgia de todos estes dias. É um mistério de luz que os homens de todas as épocas podem reviver na fé e na oração. Exatamente através da oração nós nos tornamos capazes de aproximarmo-nos de Deus com intimidade e profundidade.

Por isso, tendo presente o tema da oração, que estou desenvolvendo neste período nas Catequeses, hoje gostaria de convidar-vos a refletir sobre como a oração faz parte da vida da Sagrada Família de Nazaré. A Casa de Nazaré, de fato, é uma Escola de Oração, onde se aprende a escutar, a meditar, a penetrar o significado profundo da manifestação do Filho de Deus, através do exemplo de Maria, José e Jesus.


Permanece inesquecível o discurso do Servo de Deus Paulo VI por ocasião de sua visita a Nazaré. O Papa disse que, na Escola da Sagrada Família, nós "compreendemos porque devemos ter uma disciplina espiritual, se queremos chegar a ser alunos do Evangelho e discípulos de Cristo".

E acrescenta: "Em primeiro lugar, a lição do silêncio. Renasça em nós a valorização do silêncio, desta estupenda e indispensável condição do espírito; em nós, aturdidos por tantos ruídos, tantos rumores, tantas vozes de nossa ruidosa e hipersensibilizada vida moderna. O Silêncio de Nazaré ensina-nos o recolhimento, a interioridade, a atitude de prestar ouvidos às boas inspirações e palavras dos verdadeiros mestres" (Discurso em Nazaré, 5 de janeiro de 1964).

Podemos elencar alguns pontos sobre a oração, sobre a relação com Deus, da Sagrada Família, conforme as narrações evangélicas da infância de Jesus. Podemos partir do episódio da Apresentação de Jesus no templo.

São Lucas narra que Maria e José, "concluídos os dias da sua purificação segundo a Lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para o apresentar ao Senhor" (2,22). Como toda a família hebraica observante da Lei, os pais de Jesus dirigem-se ao templo para consagrar a Deus o primogênito e para oferecer o sacrifício.

Movidos pela fidelidade à prescrição, partem de Belém e chegam a Jerusalém com Jesus, que tem, então, apenas quarenta dias; ao invés de um cordeiro de um ano, apresentam a oferta das famílias simples, isto é, duas pombas. Aquela da Sagrada Família é a peregrinação da fé, da oferta dos dons, símbolo da oração e do encontro com o Senhor, que Maria e José já veem no filho Jesus.

A contemplação de Cristo tem em Maria o seu modelo insuperável.  O rosto do Filho lhe pertence a título especial, porque é no seu ventre que se formou, tomando dela também uma semelhança humana. À contemplação de Jesus, ninguém se dedicou com tanta assiduidade quanto Maria.

O olhar do seu coração concentra-se sobre Ele já no momento da Anunciação, quando O concebe por obra do Espírito Santo. Nos meses sucessivos, adverte, pouco a pouco, a Sua presença, até o dia do nascimento, quando os seus olhos podem fixar, com ternura materna, o rosto do filho, enquanto o envolve em faixas e o coloca na manjedoura.

As lembranças de Jesus, fixadas na sua mente e no seu coração, marcaram cada instante da existência de Maria. Ela vive com os olhos sobre Cristo e valoriza cada uma de Suas palavras. São Lucas diz: "Maria conservava todas estas palavras, meditando-as no seu coração" (2,19), e assim descreve a atitude de Maria diante do Mistério da Encarnação, atitude que se prolongará em toda a sua existência: conservar todas as coisas, meditando-as no seu coração.

Lucas é o Evangelista que nos faz conhecer o coração de Maria, sua fé (cf. 1,45), sua esperança e obediência (cf. 1,38), sobretudo sua interioridade e oração (cf. 1,46-56), a sua livre adesão a Cristo (cf. 1,35). E tudo isso procede do dom do Espírito Santo que desce sobre Ela (cf. 1,35), e que descerá sobre os Apóstolos, segundo a promessa de Cristo (cf. At 1,8).

Essa imagem de Maria, que nos dá São Lucas, apresenta Nossa Senhora como modelo de cada fiel que conserva e se coloca frente às palavras e ações de Jesus, atitude que é sempre um progredir no conhecimento de Jesus.

Nos passos do Beato Papa João Paulo II (cf. Carta Apostólica Rosarium Virginis Mariae), podemos dizer que a oração do Rosário tem seu modelo exatamente em Maria, porque consiste no contemplar os mistérios de Cristo em união espiritual com a Mãe do Senhor. A capacidade de Maria de viver do olhar de Deus é, por assim dizer, contagiante. O primeiro a fazer tal experiência é São José. O seu amor humilde e sincero pela sua prometida esposa e a decisão de unir sua vida à de Maria atraiu e introduziu também a ele, que já era um "homem justo" (Mt 1,19), em uma singular intimidade com Deus.

De fato, com Maria e depois, sobretudo, com Jesus, ele começa um novo modo de relacionar-se com Deus, de acolhê-lo na própria vida, de entrar no seu projeto de salvação, cumprindo sua vontade. Após ter seguido com confiança a indicação do anjo – "não temas receber Maria por esposa" (Mt 1,20) –, ele tomou consigo a Maria e partilhou sua vida com ela. Verdadeiramente, doou totalmente a si mesmo a Maria e a Jesus, e isso o conduziu rumo à perfeição da resposta à vocação recebida.

O Evangelho, como sabemos, não conservou nenhuma palavra de José: a sua é uma presença silenciosa, mas fiel, constante, operosa. Podemos imaginar que também ele, bem como sua esposa e em íntima comunhão com ela, viveu os anos da infância e adolescência de Jesus desfrutando, por assim dizer, da sua presença na família. José cumpriu plenamente sua missão paterna, em todos os aspectos.

Seguramente educou Jesus à oração, juntamente com Maria. Ele, em particular, O terá levado consigo à sinagoga, nos ritos do sábado, bem como a Jerusalém, para as grandes festas do Povo de Israel. José, segundo a tradição hebraica, terá presidido à oração doméstica, tanto a cotidiana – pela manhã, à noite, nas refeições –, quanto a dos principais acontecimentos religiosos. Assim, no ritmo das jornadas transcorridas em Nazaré, entre a simples casa e a oficina de José, Jesus aprendeu a alternar oração e trabalho, e a oferecer a Deus também o cansaço para ganhar o pão necessário à família.

E, enfim, outro episódio que vê a Sagrada Família de Nazaré reunida em um evento de oração. Jesus, conforme escutamos, aos doze anos, dirige-se com os seus ao Templo de Jerusalém. Esse episódio coloca-se no contexto da peregrinação, como sublinha São Lucas: "Seus pais iam todos os anos a Jerusalém para a festa da Páscoa. Tendo ele atingido doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume da festa" (2,41-42).

A peregrinação é uma expressão religiosa que se nutre de oração e, ao mesmo tempo, alimenta-a. Aqui se trata daquela peregrinação pascal, e o Evangelista faz-nos observar que a família de Jesus a vive a cada ano, para participar dos ritos na Cidade Santa. A família hebraica, bem como aquela cristã, reza na intimidade doméstica, mas reza também junto com a comunidade, reconhecendo-se parte do Povo de Deus em caminho, e a peregrinação expressa justamente esse "estar em caminho" do Povo de Deus. A Páscoa é centro e o cume de tudo isso, e envolve a dimensão familiar e aquela do culto litúrgico e público.

No episódio de Jesus aos doze anos, são registradas também as primeiras palavras do Senhor: "Por que me procuráveis? Não sabíeis que devo ocupar-me das coisas de meu Pai?" (Lc 2,49). Após três dias de busca, os seus pais encontram-No no Templo, sentado entre os Mestres, que o escutavam e interrogavam (cf. 2,46).

À pergunta sobre o porquê fez isso com seu pai e sua mãe, Ele responde que fez somente aquilo que deve fazer o Filho, isto é, estar junto ao Pai. Assim, Ele indica quem é o verdadeiro Pai, qual é a verdadeira casa, que Ele não fez nada de estranho, de desobediente. Permaneceu onde deve estar o Filho, isto é, junto ao Pai, e sublinhou quem é o seu Pai.

A palavra "Pai" destaca, portanto, o acento dessa resposta, aparecendo todo o mistério cristológico. Essa palavra abre, portanto, o mistério, é a chave do mistério de Cristo, que é o Filho, e abre também a chave do mistério nosso como cristãos, que somos filhos no Filho. Ao mesmo tempo, Jesus ensina-nos como ser filhos, exatamente no estar com o Pai em oração. O mistério cristológico, o mistério da existência cristã está intimamente ligado, fundado na oração.

Jesus ensinará, um dia, seus discípulos a rezar, dizendo a eles: quando rezardes, dizei "Pai". E, naturalmente, não o dizei somente com uma palavra, mas dizei-o com a vossa existência, aprendei sempre mais a dizer com a vossa existência: "Pai"; e, assim, sereis verdadeiros filhos no Filho, verdadeiros cristãos.

Aqui, quando Jesus está ainda plenamente inserido na vida da família de Nazaré, é importante notar a ressonância que pode ter tido nos corações de Maria e José ouvir da boca de Jesus aquela palavra "Pai", revelando, sublinhando quem é o Pai, e ouvir da sua boca essa palavra com a consciência do Filho Unigênito, que exatamente por isso desejou permanecer três dias no templo, que é a "casa do Pai".

Desde então, podemos imaginar, a vida na Sagrada Família foi então mais plena de oração, porque, do coração de Jesus menino – e depois adolescente e jovem –, não cessará mais de se difundir e refletir nos corações de Maria e José este senso profundo da relação com Deus Pai. Esse episódio mostra-nos verdadeira situação, a atmosfera do ser com o Pai.

Assim, a Família de Nazaré é o primeiro modelo da Igreja em que, em torno da presença de Jesus e graças à sua mediação, vivem todos a relação filial com Deus Pai, que transforma também as relações interpessoais, humanas.

Queridos amigos, é por esses diversos aspectos que, à luz do Evangelho, brevemente traçados, a Sagrada Família é ícone da Igreja doméstica, chamada a rezar em união. A família é Igreja doméstica e deve ser primeira escola de oração. Na família, as crianças, desde a mais tenra idade, podem aprender a perceber o senso de Deus, graças ao ensino e ao exemplo dos pais: viver em uma atmosfera marcada pela presença de Deus.

Uma educação autenticamente cristã não pode prescindir da experiência de oração. Se não se aprende a rezar em família, será depois difícil preencher esse vazio. E, portanto, gostaria de dirigir a vós o convite a redescobrir a beleza de rezar juntos como família, na escola da Sagrada Família de Nazaré. E, assim, tornar-vos realmente um só coração e uma só alma, uma verdadeira família. Obrigado!

 

Fonte: Boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé.

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças