:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

S. S. O PAPA BENTO XVI

Inicia viagem apostólica ao Reino Unido.

16.09.10 – Edimburgo:  Bento XVI já se encontra no Reino Unido, onde chegou no final da manhã de hoje a Edimburgo – Escócia – primeira etapa da sua 17ª viagem apostólica internacional. A visita de quatro dias culminará no domingo, dia 19, com a beatificação do Cardeal John Henry Newman, em Birmingham – Inglaterra.

O avião do Papa decolou do aeroporto romano de Ciampino às 8h15 locais (3h15 de Brasília), e aterrisou em Edimburgo às 10h30 horário britânico (6h30 de Brasília). O Pontífice está acompanhado do Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Tarcisio Bertone; do Substituto da Secretaria de Estado, Dom Fernando Filoni, e de membros desse departamento.

Esta é a 17ª viagem internacional de Bento XVI, a 11ª a um país europeu. Trata-se da segunda vez que um papa viaja ao Reino Unido. João Paulo II visitou o país em 1982. O Reino Unido tem 4,2 milhões de católicos, numa população de 61 milhões de habitantes.

Ao término da cerimônia de boas-vindas e de sua visita de cortesia à Rainha Elizabeth no Palácio Real de Holyroodhouse, marcada por uma reunião a portas fechadas entre ambos, pontífice e monarca discursaram, no parque do castelo, a autoridades políticas, representantes da sociedade civil e das Igrejas Anglicana e Católica, além de membros do parlamento escocês.

Discurso de S.S o Papa Bento XVI às autoridades.

Majestade,

Obrigado por vosso gentil convite para visitar oficialmente o Reino Unido e por vossas amáveis palavras de boas-vindas em nome do povo britânico. Ao agradecer a Vossa Majestade, estendo minha saudação a todo o povo do Reino Unido e ofereço minha amizade a todos e a cada um.


Tenho o prazer de começar minha viagem saudando os membros da Família Real, agradecendo em particular a Sua Alteza Real o Duque de Edimburgo a amável acolhida que me dispensou no aeroporto de Edimburgo. Expresso meu agradecimento igualmente aos atuais Governos de Vossa Majestade, assim como aos anteriores, e a quantos trabalharam com eles para tornar possível esta ocasião, incluindo Lord Patten e o ex-secretário de Estado Murphy. Também agradeço vivamente o trabalho do grupo parlamentar de todos os partidos em relação à Santa Sé, que contribuiu imensamente para o fortalecimento das relações de amizade entre a Santa Sé e o Reino Unido.


Ao começar minha visita ao Reino Unido na capital histórica da Escócia, saúdo em particular ao primeiro-ministro Salmond e os representantes do Parlamento escocês. Como as Assembléias do País de Gales e Irlanda do Norte, que o Parlamento escocês cresça para ser uma expressão das boas tradições e da cultura própria dos escoceses, e se esforce em servir a seus melhores interesses com um espírito de solidariedade e preocupação pelo bem comum.


O nome de Holyroodhouse, a residência oficial de Vossa Majestade na Escócia, recorda a "Santa Cruz" e evoca as profundas raízes cristãs que ainda estão presentes em todas as áreas da vida britânica. Os reis da Inglaterra e Escócia têm sido cristãos desde tempos muito antigos e contam com santos proeminentes, como Eduardo, o Confessor e Margarida da Escócia.

 

Como Vós sabeis, muitos deles exerceram conscientemente suas funções de governo à luz do Evangelho e, desta maneira, modelaram profundamente a nação em torno do bem. Assim, a mensagem cristã tem sido uma parte integral da língua, pensamento e cultura dos povos destas ilhas há mais de mil anos. O respeito de vossos antepassados pela verdade e justiça, misericórdia e caridade, surge de uma fé que continua sendo uma força poderosa para o bem de vosso reino e para um maior benefício de cristãos e não cristãos igualmente.


Muitos exemplos dessa força do bem encontramos ao longo da história da Grã-Bretanha. Inclusive em tempos relativamente recentes, devido a figuras como William Wilberforce e David Livingstone, a Grã-Bretanha interveio diretamente para deter o tráfico internacional de escravos. Inspiradas pela fé, mulheres como Florence Nightingale serviram aos pobres e aos enfermos e estabeleceram novos métodos na assistência de saúde, que posteriormente espalharam-se por toda parte. John Henry Newman, cuja beatificação celebrarei em breve, foi um dos muitos cristãos britânicos de sua época cuja bondade, eloqüência e compromisso honraram seus compatriotas. Todos eles, e como eles muitos outros, inspiraram-se em uma fé forte, que cresceu e se alimentou nestas ilhas.


Também agora, podemos recordar como a Grã-Bretanha e seus líderes enfrentaram a tirania nazista, que desejava eliminar Deus da sociedade e negava nossa humanidade comum a muitos, especialmente aos judeus, a quem não consideravam dignos de viver. Recordo também a atitude do regime em relação aos pastores cristãos ou religiosos que proclamaram a verdade no amor, opuseram-se aos nazistas e pagaram com suas vidas essa oposição.

 

Ao refletir sobre as lições sombrias do extremismo ateu do século XX, jamais esqueçamos como a exclusão de Deus, da religião e da virtude da vida pública conduz, em última análise, a uma visão parcial do homem e da sociedade e, portanto, a uma visão "restritiva da pessoa e seu destino" (Caritas in veritate, 29).


Faz sessenta e cinco anos, a Grã-Bretanha teve um papel fundamental na formação do consenso internacional do pós-guerra, que favoreceu a criação das Nações Unidas e marcou o início de um período de paz e prosperidade na Europa até então desconhecido. Nos últimos anos, a comunidade internacional tem acompanhado de perto os acontecimentos na Irlanda do Norte, que conduziram à assinatura do Acordo de Sexta-Feira Santa e a restituição das competências da Assembléia da Irlanda do Norte.

 

O Governo de Vossa Majestade e o Governo da Irlanda, juntamente com os dirigentes políticos, religiosos e civis da Irlanda do Norte, ajudaram no surgimento de uma solução pacífica do conflito. Encorajo todos a continuar caminhando juntos com coragem o caminho traçado para uma paz justa e duradoura.


Ao olhar para o exterior, o Reino Unido continua sendo, política e economicamente, uma figura-chave no âmbito internacional. Vosso governo e vosso povo são criadores de ideias que influenciam muito além das Ilhas Britânicas. Isso vos impõe uma especial obrigação de atuar com sabedoria para o bem comum.

 

Da mesma forma, dado que vossas opiniões têm uma audiência tão ampla, os meios de comunicação britânicos têm uma responsabilidade mais grave que a maioria e uma maior oportunidade para promover a paz das nações, o desenvolvimento integral dos povos e a difusão dos autênticos direitos humanos. Que todos os britânicos continuem vivendo em harmonia com os valores de honestidade, respeito e imparcialidade que lhes mereceram a estima e admiração de muitos.


Na atualidade, o Reino Unido esforça-se para ser uma sociedade moderna e multicultural. Que esse compromisso exigente mantenha sempre seu respeito por aqueles valores tradicionais e manifestações culturais que formas mais agressivas de secularismo já não apreciam ou sequer toleram. Que isso não enfraqueça a raiz cristã que sustenta vossas liberdades; e que esse patrimônio, que sempre buscou o bem da nação, sirva constantemente de exemplo para o vosso Governo e vosso povo frente aos dois bilhões de membros da Commonwealth e a grande família das nações de língua inglesa em todo o mundo.


Que Deus abençoe a Vossa Majestade e a todos os habitantes de vosso reino. Obrigado.

 

Fonte: Boletim da Sala de Imprensa da Santa Sé.

 

       © Últimas e Derradeiras Graças