:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

 

Evangelho de hoje - 19.10.09.
Lc: 12,13-21

www.obradoespiritosanto.com

 

 

...E disse-lhes: “Atenção! Guardai-vos de todo tipo de ganância, pois mesmo que se tenha muitas coisas, a vida não consiste na abundância de bens”...

 

A ESPERANÇA DA VIDA

 

 

– Os bens temporais e a esperança sobrenatural.

– O desprendimento do cristão.

– A nossa esperança está no Senhor.

 

 

I. ALGUÉM APROXIMOU-SE do Senhor 1 e pediu-lhe  que resolvesse  um problema  de  heranças.  Pelas palavras de Jesus, parece que essa pessoa estava mais preocupada com aquele problema material do que atenta à pregação do Mestre. A questão proposta ao Messias – que lhes falava do Reino – dá a impressão de ter sido pelo menos inoportuna. Jesus respondeu-lhe: Ó homem, quem me constituiu juiz ou árbitro entre vós? A seguir, aproveitou a ocasião para advertir a todos: Estai alerta e guardai-vos de toda a avareza, porque a vida de cada um não consiste na abundância dos bens, a sua vida não depende daquilo que possui.

 

E para que a sua doutrina ficasse bem clara, expôs-lhes uma parábola. As terras de um homem rico produziram uma grande colheita, a tal ponto que o celeiro se tornou insuficiente.  Então o proprietário achou que os seus dias maus tinham acabado e que a sua existência estava garantida. Decidiu deitar abaixo o celeiro e edificar outro maior, que pudesse armazenar a colheita.  O seu horizonte terminava ali; reduzia-se a comer, beber, descansar, já que a vida se tinha mostrado generosa com ele. Esqueceu-se – como tantos homens! – de uns dados fundamentais: a insegurança desta vida na terra e a sua brevidade. Pôs a sua esperança nessas coisas passageiras e não considerou que todos estamos de passagem, a caminho do único destino que vale a pena: o Céu.

 

Deus apresentou-se de improviso na vida desse rico lavrador que parecia ter tudo assegurado, e disse-lhe: Néscio, esta noite virão demandar a tua alma; e  as coisas que juntaste, para quem serão? Assim é o que entesoura para si e não é rico para Deus.

 

A insensatez desse homem consistiu em ter posto o seu fim último e a garantia da sua segurança em algo tão frágil e passageiro como os bens desta terra, por abundantes que sejam. A legítima aspiração de possuir o necessário para a vida própria e para a família não deve ser confundida com a ânsia de ter mais a todo o custo.  O nosso coração tem de estar no Céu, e a vida é um caminho que temos de percorrer.  Se o Senhor é a nossa esperança, saberemos ser felizes com muitos ou com poucos bens.

 

“Assim, pois, o ter mais, tanto para as nações como para as pessoas, não é o fim último. Todo o crescimento tem dois sentidos bem diferentes. Se é necessário para permitir que  o  homem  seja  mais  homem,  por  outro  lado encerra-o numa prisão se se converte em bem supremo, que impede de olhar mais  além.  Então  os  corações  se  endurecem  e  os  espíritos  se  fecham;  os homens  já não se unem pela amizade, mas pelo interesse,  que em  breve os faz opor-se uns aos outros e desunir-se. A busca exclusiva da posse dos bens converte-se  num  obstáculo  para  o  crescimento  do  ser,  e  opõe-se  à  sua verdadeira grandeza. Tanto para as nações como para as pessoas, a avareza é a forma mais evidente de um subdesenvolvimento moral” 2.

 

O amor desordenado pelos bens materiais cega a esperança em Deus, que então se vê como algo longínquo e sem interesse.  Não cometamos essa loucura: não há tesouro maior do que ter Cristo.

 

II. A SAGRADA ESCRITURA admoesta-nos com freqüência sobre a necessidade de termos o coração em Deus: Tende preparado o ânimo, vivei sobriamente e ponde a vossa esperança na graça que vos trouxe a revelação de Jesus Cristo3, exortava São Pedro aos primeiros cristãos.  E São Paulo aconselha a Timóteo: Aos ricos deste mundo, manda-lhes [...] que não sejam altivos nem confiem na incerteza das riquezas, mas no Deus vivo, o qual dá  abundantemente todas as coisas para nosso uso 4.

 

O mesmo Apóstolo afirma que a avareza está na raiz de  todos  os  males,  e  que  foi  por  sua  causa  que muitos se extraviaram da fé e se enredaram em inúmeras aflições 5.

 

A Igreja continua a recordar o mesmo nos nossos dias: “Que todos, portanto, atendam a isso e orientem retamente os seus afetos, não seja que o uso das coisas do mundo e um apego às riquezas contrário ao espírito de pobreza evangélica os impeçam de buscar a caridade perfeita, segundo admoesta o Apóstolo: Os que usam deste mundo não se fixem nele, pois a aparência deste mundo passa (cfr. 1 Cor 7, 31)” 6.

 

A desordem no uso dos bens materiais pode provir da  intenção, quando se desejam  as  riquezas  por  si  mesmas,  como  se  fossem  bens  absolutos;  dos meios que  se  empregam  para  adquiri-las,  buscando-as  com  ansiedade,  com possíveis  danos  a  terceiros,  à  saúde,  à  educação  dos  filhos,  à  atenção requerida  pela  família...;  ou,  enfim,  da  maneira  de  usá-las,  quando  se empregam unicamente em proveito próprio, com tacanhice.

 

O desprendimento e o reto uso daquilo que se possui, daquilo que é necessário para o sustento da família e para o exercício da profissão, daquilo que é lícito possuir para o descanso e para prever o futuro – sem angústias, com a confiança sempre posta em Deus –, são um meio de preparar a alma para os  bens  divinos.  “Se quereis agir a toda a hora como senhores de vós mesmos, aconselho-vos a pôr um empenho muito grande em estar desprendidos  de  tudo,  sem  medo,  sem  temores  nem  receios.  Depois,  ao atenderdes  e  ao  cumprirdes  as  vossas  obrigações  pessoais,  familiares..., empregai  os  meios  terrenos  honestos  com  retidão,  pensando  no  serviço  a Deus,  à  Igreja,  aos  vossos,  à  vossa  tarefa  profissional,  ao  vosso  país,  à humanidade  inteira.  Vede que o importante  não é a materialidade de possuir isto ou carecer daquilo, mas conduzir-se de acordo com a verdade que a nossa fé  cristã  nos  ensina:  os  bens  criados  são  apenas  meios.  Portanto,  repeli  a miragem de considerá-los como algo definitivo”7.

 

Se estamos perto de Cristo, bastará pouca coisa para andarmos pelos caminhos da alegria dos filhos de Deus.  Se não estamos perto  d’Ele,  nada poderá preencher o nosso coração e estaremos sempre insatisfeitos.

 

www.obradoespiritosanto.com

 

III. “CERTA VEZ – conta um amigo sacerdote –, há já muitos anos, passava eu uma curta temporada de exercícios militares no povoado mais alto de Navarra.  Fazíamos  esses  exercícios  aproveitando  a  pausa  dos  nossos estudos.  Recordo-me  de que,  estando  naquele  povoado,  chamado  Abaurrea, chegou  ao  acampamento  um  jovem  tenente,  no  seu  uniforme  flamante. Apresentou-se  ao  chefe  para  que  lhe  dissesse  qual  a  unidade  a  que  estava destinado.  Veio  depois ter conosco e comunicou-nos  que o comandante lhe dissera que devia ir a Jaurrieta e que lhe insinuara como a coisa mais natural do mundo que seria bom que tomasse um cavalo e fosse nele [...]. O novato mostrava-se muito inquieto e passou todo o jantar falando do cavalo e pedindo conselhos práticos. Então um dos presentes disse-lhe: «O importante é montar com  serenidade,  com  tranqüilidade,  e  que  o  cavalo  não  perceba  que  é  a primeira vez que você monta. Isso é fundamental» [...].

 

“No dia seguinte pela manhã, muito cedo, estava à sua espera um soldado com  o  seu  cavalo  e  com  outra  montaria  para  carregar  as  malas.  O  tenente montou,  mas,  pelos  vistos,  o  cavalo  notou  imediatamente  que  era  a  primeira vez  que  o  fazia,  porque,  sem  mais  aquelas,  lançou-se  num  pequeno  galope; depois parou e começou a pastar num dos lados da estrada..., por mais que o tenente  puxasse  das  rédeas.  Quando  achou  oportuno,  continuou  a  caminhar pela estrada e, de vez em quando, parava; depois começava a trotar, enquanto o cavaleiro olhava para os lados, com cara de susto. Nessa situação, cruzou-se com  ele  uma  equipe  de  engenheiros  que  estava  instalando  um  cabo  de  alta tensão. Um deles perguntou-lhe:

 

– “Para onde é que você vai?

“E o tenente respondeu com grande verdade e com uma filosofia verdadeiramente realista:

– “Eu? Eu ia para Jaurrieta; o que não sei é para onde vai este cavalo... [...].

 

“Se nos perguntassem de repente: «Para onde é que você vai?», talvez nós também tivéssemos que dizer: «Eu? Eu ia para o amor, para a verdade, para a alegria; mas não sei para onde a vida me está levando»” 8.

 

Como seria bom podermos dizer a quem nos perguntasse para onde vamos: “Eu vou para Deus, com o meu trabalho, com as dificuldades da vida, com a doença talvez!...” Este é o  objetivo,  o  lugar  para  onde  devem  levar-nos  os bens  da  terra,  a  profissão...,  tudo!  Que pena se convertêssemos em bens absolutos aquilo que deve ser apenas meio!

 

Jesus Cristo ensina-nos continuamente que o objeto da esperança cristã não  são  os  bens  terrenos,  esses  que  a  ferrugem  e  a  traça  consomem  e  os  ladrões desenterram e roubam 9, mas os tesouros da  herança incorruptível. O próprio Cristo é a nossa única esperança 10.  Não há outra coisa que possa satisfazer o nosso coração.  E junto d’Ele  encontraremos  todos  os  bens prometidos, que não têm fim. Os próprios meios materiais podem ser objeto da virtude da esperança, na medida em  que  sirvam  para  alcançar  o  fim humano e o fim sobrenatural do homem, desde que não passem de meios. Não os convertamos em fins.

 

A Virgem Maria, Esperança nossa, ajudar-nos-á a pôr o coração nos bens que perduram, em Cristo, se recorrermos a Ela com confiança. 

 

Sancta Maria,  Spes nostra, ora pro nobis.

 

(1) Lc 12, 13-21; (2) Paulo VI, Carta Encíclica Populorum progressio, 26.03.67, 19; (3) 1 Pe 1, 13; (4) 1 Tim 6, 17; (5) 1 Tim 6, 10; (6) Concílio Vaticano II, Constituição Lumen gentium, 42; (7) Bem-aventurado Josemaría Escrivá, Amigos de Deus, n. 118; (8) A. G. Dorronsoro, Tiempo  para creer, págs. 111-112; (9) Mt 6, 19; (10) 1 Tim 1, 1.

www.obradoespiritosanto.com

 

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças