:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.


O Divino Espírito Santo.

www.obradoespiritosanto.com

 

EUCARISTIA OU NADA.

"A IGREJA FAZ A EUCARISTIA
E A EUCARISTIA FAZ A IGREJA"

         Este livro foi escrito em Roma, com a aprovação da Igreja, em 1994. O autor não deixa de confessar que deseja suprir ou substituir o silêncio a respeito de tanta profanação e falta de fé, de forma também confirmar na fé muitos fiéis, indignados e sobretudo a sofrer com uma "catequese eucarística" falsamente teológica ou acertada, que invade todo ambiente, a ponto de levar a fuga do verdadeiro cristianismo. É na intenção de satisfazer tantos Sacerdotes e fiéis de hoje, ainda famintos ou sedentos da verdadeira fé que vos apresentamos. Demos pois a palavra ao autor:

 

PREFÁCIO.

 

         Escrevo principalmente para os sacerdotes, na esperança de fazer bem pelo menos a alguns.

         Refiro-me àqueles que, a seu tempo, não puderam estudar como se deveria, por circunstâncias que os impediram. A Eucaristia foi por eles compreendida, apenas segundo os termos essenciais do dogma, tal como acaba por ser formulado em qualquer e bem singelo texto catequético para crianças.

 

         Outros, embora tendo estudado regularmente, conseguiram apenas compreendê-lo bem pouco, ficando com a sua própria mente escrava de muitas dúvidas; e, por conseguinte, dispostos a aceitar todas as hipóteses de explicação, especialmente mais recentes, mais ou menos tendentes a negar e a rejeitar.

         Outros, estudaram seriamente, mas as suas ocupações, com o passar dos tempos, logo os impediram de retomar e aprofundar os problemas relacionados com o dogma, de que conservam apenas vagas recordações, mais ou menos fragmentárias e confusas.

         Outros, à doutrina tradicionalmente ensinada, julgaram de preferência opor-lhe teses ou opiniões teológicas, ousadas ou mesmo arriscadas a cair em autênticas heresias. Ao verdadeiro, logo preferiram o novo que, no entanto, a este respeito, historicamente, não é de fato novo, a não ser na sua expressão mais ou menos pessoal e subjetiva e sugestiva, segundo o temperamento ou disposição daqueles a quem agradam tais opiniões. Mas a verdade é que o erro acaba por ser monótono.

 

         Evidentemente que falo de “verdadeiro” e de “novo”, partindo de uma tomada de posição a favor do solene magistério da Igreja, fundada na Tradição Apostólica e na Sagrada Escritura, nas catequeses dos Santos Padres e na mais acreditada reflexão teológica.

         Penso que premissas deste gênero poderão tornar construtiva a leitura destas páginas a esses sacerdotes, jovens ou anciãos sinceramente ortodoxos, que vivem como que mergulhados no tumultuoso alastrar de ideais ou opiniões defendidas apenas por uma pequena chusma de teólogos, biblistas e liturgistas, muitas vezes dispostos ao improviso e ao temerário ou atrevido.

 

         Ao seu tão tristemente suportado silêncio, desejaria eu responder, até mesmo para confirmar na fé muitos fiéis agora já indignados, por ter de suportar uma “catequese” falsamente teológica, que invade já todos os ambientes, chegando a ameaçar com a mais radical animosidade ou antipatia pelo Cristianismo.

 

                                               Roma, 3 de Janeiro de 1994

O Autor – E.Z.

www.obradoespiritosanto.com

 

I

EUCARISTIA OU A PIOR DAS IMPOSTURAS

 

         O dogma eucarístico começa a empenhar ou interessar todos os meus recursos intelectuais. Muitas vezes a preocupação chega mesmo a perturbar-me, particularmente quando ouço falar de irreverências e sacrilégios, ou de aberta e obstinada negação do mistério.

 

         Um tal sofrimento tem a sua explicação mais lógica e séria naquilo que se relaciona com a Eucaristia e a Igreja, o Cristianismo, a vida humana, a civilização em geral.

         Basta-me pensar que a autoridade com que a Igreja pode impor-se às consciências deriva da sua constituição de sociedade visível e hierárquica; que uma sua tal constituição é fundada na Ordem Sagrada...; que uma tal Ordem Sagrada torna o batizado participante do Sacerdócio de Cristo...; que o Sacerdócio de Cristo é exercido principalmente na oferta do Sacrifício Eucarístico...; que o sacrifício eucarístico exige indispensavelmente o prodígio da transubstanciação, que torna presente, nos nossos sacrários, CRISTO em PESSOA.

 

         Ora, voltando agora a agir ou pensar às arrecuas, devo concluir que, se a presença de Cristo, não é real e substancial, não existe Sacrifício Eucarístico..., não existe Sacerdócio..., não existe Hierarquia..., não existe sequer um Magistério objetivo e infalível...; e, faltando isto, não podemos já acreditar em verdades indiscutíveis, absolutamente certas, de ordem dogmática e moral: justamente as que criaram a civilização cristã, a única solução ou garantia contra os assaltos do laicismo, que se vai estabelecendo ou fundamentando nos abismos ou precipícios de um historicismo fatalmente céptico e anárquico.

 

         Estas, as considerações que me animam a enfrentar o argumento ou tema considerado como bem mais árduo e fascinante que outro qualquer.

 

www.obradoespiritosanto.com

 

II

MAS SERÁ ENTÃO MESMO VERDADE

 QUE ELE ESTÁ AQUI PRESENTE?

 

         A maior dificuldade que a razão humana encontra no acreditar que um fragmento de pão contenha o próprio Deus, o Infinito, o Imenso, é agravado por sacerdotes e fiéis que O tratam como se realmente Ele não estivesse lá. Ponho-me no lugar do ateu, do muçulmano, do judeu, do protestante e, entretanto nas igrejas católicas muitas vezes, vejo coisas, pessoas e comportamentos que me obrigam a interrogar-me continuamente se de fato Cristo estará realmente presente, como sempre acreditei.

 

         Com efeito, grupos de visitadores, vestidos como muito bem lhes apetece, quero dizer, para além de todo o limite da decência e do pudor, passeiam livremente, como numa galeria ou exposição de arte, olham ou observam, curiosos e palradores, sem se dignarem sequer fazer qualquer gesto de respeito e de fé.

         Tantas vezes, os próprios fiéis procuram apenas cômodos bancos para se sentar como numa sala de concertos... Não há genuflexórios que os levem a humilhar-se, a recolher-se, a adorar. O altar, praticamente despido, já não é o Seu trono, porque O desterraram para um sítio qualquer, como a um qualquer objeto, que nem sempre é assim tão fácil de descobrir. Por outro lado, tantas vezes as prescrições do Direito Canônico são apenas letra morta.

 

         Tudo concorre para fazer, isso sim, que os próprios fiéis já nem queiram saber d’Ele: eles mesmos preferem ajoelhar-se diante de estátuas ou imagens, a ajoelhar-se diante do sacrário. Muitos não sabem sequer distinguir o que é a consagração e a benção; esta, se dada por qualquer exorcista de gritos, é logo preferida à celebração eucarística.

 

         Muitos estão convencidos de que podem comungar, mesmo em pecado mortal, bastando um ato de contrição: a misericórdia de Deus supre tudo... A todos é licito a Eucaristia na mão, mesmo prevendo que os fragmentos, caídos por terra, possam ser pisados. “Que importa? Não há motivo para escrúpulos”: Deus adapta-Se a tudo...

         Muitas vezes tenho ouvido repetir que Ele, ao instituir a Eucaristia, Se ofereceu como o pão das nossas mesas... Por conseguinte, disposto a ser tratado sem excessivas atenções... Precisamente como se, depois da consagração, esse pão se não tornasse ELE MESMO...

 

         Já não há quase ninguém que não possa distribuir a Comunhão. A bispos, sacerdotes, diáconos, acólitos, leitores, religiosos, juntou-se agora um número indefinido de leigos, homens e mulheres. E todos, como certos eclesiásticos, vão declarando: estão autorizados a comungar por eles mesmos. Se a Missa é um mero banquete, e se à mesa não há hierarquias nem precedências, qualquer se pode servir por si só, sem depender de ninguém...

 

         Alguns cânticos, acompanhados por certos instrumentos musicais, não fazem de modo algum qualquer apelo à presença de Deus, não convidam ao recolhimento, à súplica, a chorar as suas próprias culpas ou ao arrependimento... Judeus, Muçulmanos não poderão sequer suspeitar que nós acreditamos verdadeiramente na Sua Presença; e isto, sobretudo se ensurdecidos pelas contínuas palmas, se a ouvir o enjoado e indiscreto relato de experiências pessoais, se observam a cena nada séria de gente que se abraça, se beija e chega a dançar...

 

         Muitos sacerdotes, no altar, parecem funcionários do culto, não ligando ao respeito pelas rubricas, mostrando-se expeditos ou desembaraçados, rotineiros, distraídos, enjoados ou aborrecidos... Preferem falar do social a falar de Deus; preocupam-se com recolher fundos para construções ou restaurações, organizar ou reger messes ou cantinas e acolher estrangeiros, copos de água, emigrantes, esquecendo tudo o mais, que é bem mais importante.

 

Antropologia, psicologia e sociologia interessam mais que a teologia: o amor do próximo parece que prevalece sobre o Amor de Deus e a Sua Justiça. Tenho visto irmãs que, uma vez recebida a Comunhão, logo desaparecem, ocupadas por uma infinidade de outras coisas, e descurando a única que é verdadeiramente necessária. Estão de tal modo despachadas e seguras de si, que se não dignam sequer fazer a genuflexão diante do Santíssimo... A sua confiança com Ele quase não tem limites; mas dá para nos interrogarmos se de fato ainda acreditam.

Eu, por mim, não tenho dúvidas. Se não fosse católico, o seu exemplo não me levaria a acreditar, como de fato escandaliza muitos fiéis que, desmoralizados, vão desertando das nossas igrejas.

         Os Protestantes repetem-nos que, se estivéssemos convencidos da presença eucarística, não trataríamos o Senhor como todos o podem notar e deplorar ou lamentar.

        

 

 

III

QUE LITURGIA CATÓLICA?

 

         Papas e Concílios sempre têm defendido o dogma da presença real contra a heresia protestante; e o Vaticano II confirmou de um modo inequívoco o magistério tradicional.

         Mas entre o pensamento oficial da Igreja e a doutrina que alguns teólogos, escrituristas, liturgistas propagam – impondo-a aos fiéis – o contraste é bem evidente e mesmo escandaloso. Alguns fatos, particularmente bem significativos a este respeito, têm levantado problemas verdadeiramente angustiantes, nos leigos mais informados e coerentes.

 

É evidente a gradual redução dos sinais de fé, no culto eucarístico, Tem-se notado, para além da eliminação do sacrário do altar-mor, até mesmo a eliminação da balaustrada ou grade que, separando o presbitério ou altar-mor do corpo da igreja, indicava a distinção entre Clero e povo, sacerdócio ministerial e sacerdócio comum dos fiéis. Foi suprimido o uso da campainha, que anunciava aos fiéis o momento culminante da liturgia eucarística, para dispô-los a uma atenção mais intensa e a uma concentração ou recolhimento interior...

 

Foi agora também muito mais reduzido o número de velas, na exposição solene do Santíssimo Sacramento, perante o qual não mais seria prescrita a dupla genuflexão, simultânea, chegando mesmo a ser proibida. Não se trata de ninharias ou frivolidades e, mesmo que assim fossem, verdade é que ainda assim e por isso mesmo convinha e era mesmo de toda a vantagem que se conservassem os costumes anteriores que, sem prejudicar ninguém estimulavam a um mais fervoroso comportamento de fé na presença de Deus... O uso das vestes sagradas (amito, alva, estola e casula, etc.) é cada vez mais reduzido e deixado ao capricho do celebrante.

 

www.obradoespiritosanto.com

A COMUNHÃO NA MÃO

 

Paulo VI não aprovara o uso ou prática da Comunhão na mão dos fiéis, e por anos se debateu, opondo-se à petulância de bispos, mais sensíveis à doutrina e ao costume do mundo protestante, que preocupados com o cultivar a fé do povo. As suas razões (de Paulo VI) eram e continuam a ser objetivamente validíssimas, sobretudo porque fundadas no perigo de multiplicar irreverências e profanações.

 

MAS NÃO FOI OUVIDO

 

         E muitíssimas dioceses do mundo católico – inclusas as das Conferências Episcopais italiana e portuguesa – catequistas improvisados, liturgistas sem escrúpulo algum, bispos condenscentes, sacerdotes superficiais e liberaloides, não só aceitaram a nova prática, mas tão pouco se interessaram com o fazer cumprir as normas prescritas, chegando pelo contrário a obrigar arrogantemente adultos e crianças a receber a Hóstia na mão, apesar da resistência e os vivos protestos dos mais perfeitamente informados... 

 

         O perigo das previstas e temidas profanações foi-se traduzindo numa realidade tristemente reconhecida por um sem numero de testemunhas seculares, infelizmente incapazes de a impedir. O novo rito – segundo crônicas quase diárias – fez subir para números impressionantes a quantidade das “missas negras”, celebradas por toda a parte com Hóstias consagradas, roubadas ou pagas por suspeitas figuras de emissários de Satanás.

 

         “Chegam-nos vozes ou noticias sobre casos de deploráveis faltas de respeito na forma como se tratam as espécies eucarísticas, faltas que caem não apenas sobre as pessoas culpadas de um tal comportamento, mas também sobre os Pastores da Igreja, que terão sido menos ou mesmo nada vigilantes sobre o comportamento dos fiéis para com a Eucaristia (...). É difícil não acenar para os dolorosos fenômenos acima recordados...”. Assim falou desde 1980, João Paulo II (Dominicae cenae II). Mas os seus lamentos não tiveram eco algum e as profanações continuaram a multiplicar-se.

 

         A reação oposta ao novo rito, sustentada acima de tudo pelo pleno conhecimento da disposição de Paulo VI e pelos verdadeiros responsáveis denunciados pelo próprio Pontífice, provocou respostas reveladoras das intenções heréticas de teologastros e liturgistas libertinos. Tendo-se lamentado o perigo da queda dos fragmentos do Pão consagrado, o público, em revistas e jornais, logo ouviu muito bem responder-se com irritante jactância ou basófia que não havia motivo para preocupações, porque esses fragmentos, separados das Hóstias e caídos em terra ou ficados no fundo das nossas píxides sob a forma de pó branco, perdem as aparências que caracterizam o pão, pelo que já não são “ o sinal” da presença de Cristo. Mas foi bem mais fácil refutá-lo, respondendo ou observando que:

 

         - nenhuma das minúsculas partículas ou simples fragmentozinhos desse pó muda de natureza, mantendo-se sempre verdadeiro pão, como não mudam as da pimenta, do cacau, do açúcar farelado e de qualquer outro corpo reduzido a pó... Atesta-o, com absoluta certeza, o simples bom senso de toda a comum dona de casa...;

 

         - mesmo que cada grãozinho ou fragmento do supradito pó não apresente as dimensões que por norma tornam o pão comestível, verdade é que ele conserva no entanto as qualidades sensíveis suficientes para constituir o “sinal” indiscutível e inequívoco da real presença de Cristo, como a cor, o sabor, o cheiro, o peso, as propriedades nutritivas e outras quimicamente reconhecíveis... De resto, precisamente a qualidade (objeto próprio de cada um dos sentidos) torna sensível a quantidade (objeto comum de todos os sentidos)...;

 

         - além disso, se com o pó das hóstias, recolhido no fundo das píxides, posso encher uma colher e alimentar-me realmente com ele (como poderia fazê-lo para dar a Comunhão a um doente), é sinal de que os grãozinhos que o compõem permanecem verdadeiro pão: trata-se de “partes integrantes” de um “todo” homogêneo...;

 

         - supor que os grãozinhos que compõem o acima referido já não têm valor sacramental significa levantar o formidável e insolúvel problema dos limites da grandeza sob os quais cessa ou desaparece a real presença de Cristo. Quem terá então autoridade para os fixar?... Qualquer indicação que fosse não poderia passar de arbitrária e sacrílega...”

 

         - e é verdadeiramente arbitrária e sacrílega para quem, aceitando o solene magistério da Igreja, continua a acreditar que, segundo os Concílios ecumênicos de Florência e de Trento, CRISTO ESTÁ PRESENTE EM TODA A HÓSTIA CONSAGRADA E EM CADA UMA DAS SUAS PARTES, POR MAIORES OU MENORES QUE SEJAM.

 

         Presença que supõe, evidentemente, e de um modo indispensável, essa prodigiosa TRANSUBSTANCIAÇÃO, exigida com insistência pela Igreja, pela qual a presença de Cristo NÃO É CONDICIONADA ÀS DIMENSÕES do pão consagrado, mas sim à sua SUBSTÂNCIA. Por conseguinte, até que esta apresente as propriedades que a caracterizam, a transubstanciação é certa, a presença de Cristo é inegável.

 

UM SIMPLES BANQUETE?

 

 

         Alguns novos liturgistas presumem resolver o problema dos “fragmentos”, calando habilmente o fato da transubstanciação. E precisamente a rejeição de um tal dogma está ligado à concepção ou conceito de uma Missa celebrada como simples banquete, em que o pão é tomado por cada um com as suas próprias mãos, e comido tranqüilamente, sem se preocupar com as migalhas ou fragmentos que, ao cair, são depois lançadas no caixote do lixo e destinadas a animais.

 

         Ora, negada a transubstanciação, não se realiza o Sacrifício Eucarístico, e tão pouco o Sacerdócio que, derivado do Sacramento da Ordem, distingue essencialmente a Igreja hierárquica do laicado. Justamente as teses de liturgistas, segundo as quais a consagração sacerdotal não seria superior, nem se distinguiria da produzida em cada fiel pelo Batismo, ou seja, pelo fato de ser inserido no Corpo Místico como seu membro. Em Cristo, os crentes seriam assim todos iguais, pelo que todos poderiam celebrar a Eucaristia, sendo participantes do Seu Sacerdócio.

 

         Uma verdadeira série de absurdos ou disparates, no âmbito de um dogma repetidamente definido.

 

         O Vaticano II autorizou a concelebração. Mas o fato de ela – contra toda a previsão e intenção dos Padres conciliares – ter sido depois apoiada e mesmo recomendada, a ponto de se transformar em ordinário e quotidiano exercício do sacerdócio, faz suspeitar que, por alguns, se pretendia fazer dos concelebrantes outros tanto comensais, ou seja, transformar a Missa em banquete, em que todos os participantes são protagonistas, que têm a mesma dignidade, os mesmos direitos. E daí, precisamente, a dimensão horizontal da relação de paridade ou igualdade entre os concelebrantes, faz passar para segunda ordem a dimensão vertical da dependência de todos do único Verdadeiro Celebrante que é Cristo, Sacerdote e Vítima.

         A tendência que faz prevalecer (muitas vezes de um modo exclusivo) o “banquete” sobre o Sacrifício explica como muitos defendem que a concelebração é preferível à celebração individual, como se o Sacrifício de Cristo oferecido em toda a Missa individual valesse menos que a Missa concelebrada por cem sacerdotes; como se do número dos ministros (puras causas instrumentais) dependesse o valor do Sacrifício de Cristo, única Causa principal. A importância de um tal assunto irá obrigar-nos a retomá-lo.

www.obradoespiritosanto.com

 

“CREIO, SENHOR!”

 

         Jesus é o primeiro a garantir-me a Sua presença no Sacrário; e as Suas palavras são tão sublimes, singulares, peremptórias, que só podem ter sido pronunciadas por Quem é a Verdade e a Onipotência. Um louco não teria podido exprimir-se como Ele: por mais desequilibrado que fosse, ele só poderia fazer uso dos elementos do seu delírio, apenas daquilo que se costuma pensar e dizer no mundo. Mas no mundo, quem alguma vez teria podido imaginar o oferecer carne e sangue do seu próprio corpo, a fim de conquistar para os outros a vida eterna? E assegurar-lhe a ressurreição?

 

         Em Cafarnaum, alguns ouviram as Suas palavras com horror, e muito dos Seus próprios discípulos chegaram mesmo a abandoná-Lo, absolutamente desiludidos por um Mestre que já não compreendiam.

         Mas Jesus insiste, fala a sério, e as Suas respostas a tantas insistências dos presentes fazem-se ou dão-se de forma a cada vez mais deixarem os Seus ouvintes apavorados: Ele não hesita em apresentar-Se a Si e à Sua missão, como ninguém alguma vez o poderia ter imaginado. As Suas afirmações, de fato, instam ou avançam num crescendo que faz cada vez mais entrever a mais oculta verdade do seu mistério.

 

         De um modo bem diferente de tudo quanto tinha acontecido no deserto por meio de Moisés, o PAI, n’Ele, dá o verdadeiro Pão do Céu. É Pão de Deus, é Aquele que desce do Céu e dá a vida ao mundo: Ele é o Pão da Vida. Quem O acolhe não mais tem fome e quem acredita n’Ele, não mais tem sede. Os pais, que comeram o maná, morreram; mas quem se alimenta d’Ele viverá eternamente.

 

         A partir deste momento, o discurso toma o rumo ou sentido mais surpreendente. Compreende-se que Ele, Verbo de Verdade, alimenta e sacia por Si Mesmo a inteligência humana; como é fácil de compreender que a Verdade é comparada ao pão, como fundamental elemento alimentício do homem.

 

         Mas Jesus, além disso, insinua que n’Ele o Verbo Se fez carne, assumindo a natureza humana...; que a Sua carne é destinada a ser sacrificada pela salvação do mundo...; carne, a Sua, oferecida a todos sob as aparências do pão; pão que o homem deve comer, para ser assimilado a Cristo e , por Seu intermédio, viver da Sua Verdade: aquela que procura e dá a Vida ou Bem-Aventurança Eterna.

         E, então, quem não come a carne do Filho do Homem e não bebe o Seu Sangue, não pode ter a vida em si; quem, pelo contrário, acolhe o Seu convite, tem o privilégio de estar em Cristo e de ter em si Cristo, sim, de viver por toda a eternidade.

 

         Linguagem dura, motivo de escândalo? Apenas o é para quem não tem em si a Luz do Espírito, apavorado como está com a recordação da carne lançada como simples pasto aos animais ou consumida por antropófagos...; enquanto afinal se trata de uma realidade que oferece aos sentidos nada mais que as propriedades do pão, mesmo se apenas pão – quanto ao seu ser em si – se torna o Corpo de Cristo, ou seja, a natureza humana, assumida pelo Verbo, único e divino Caminho para o Pai. Precisamente o Pai que revela o mistério do Filho, feito carne, feito pão, feito vida do mundo.

 

         O discurso que se realizou na sinagoga de Cafrnaum, não podia dizer mais, como solene anúncio do maior e mais supremo dos prodígios, realizado na Última Ceia.

 

         O relato dos Sinópticos, integrado na catequese de São Paulo aos Coríntios, descreve a cena que se realizou naquela noite no Cenáculo com uma sobriedade que leva a supor nos comensais um certo conhecimento do evento: nenhum deles pede ao Mestre que explique esse Seu misterioso modo de Se exprimir. Declarando que o Pão é o Seu Corpo e que o vinho é o Seu Sangue, Jesus não faz senão retomar e concluir o discurso feito em Cafarnaum... Os Apóstolos tinham-Lhe permanecido fiéis e tinham acreditado n’Ele; e, agora, esperavam d’Ele algo de insolitamente grande.

 

         Precisamente isto: a Sua palavra criadora transforma inteiramente o pão no Seu Corpo.  O adjetivo demonstrativo “isto” refere-se a tudo quanto caía ou entrava no domínio dos sentidos dos Apóstolos, ou seja, às qualidades sensíveis que indicam a realidade substancial do pão. Ora, o verbo ser conjugado no presente revela que uma nova substância toma o seu lugar, sem anular essas qualidades, que continuam a ser o “o sinal” natural de um outro Pão: o Corpo de Cristo.

 

         Tudo fez excluir que o verbo ser possa entender-se em sentido metafísico, se atribuído ao Corpo: nessa solene vigília da morte, Jesus não poderia permitir-Se a Si Mesmo linguagem figurada, dirigindo-Se a homens rudes, incultos, a quem noutras circunstancias tinha sentido o dever de explicar o sentido das parábolas... Poderiam eles agradecer, como supremo dom do seu Mestre um vazio símbolo do Seu Corpo?

 

         Serão os seus fiéis, amanhã, a descobrir de que modo o pão pode parecer pão, apenas porque conserva as qualidades naturais que o tornam capaz de se comer...; e o Corpo, embora sendo rivalíssimo quando à sua substância, não apresenta nada daquilo que o tornaria repugnante aos sentidos. Os Apóstolos, entretanto, não teriam posto qualquer problema. Acreditaram na palavra do Mestre, e a Igreja seguiu a esteira da sua tradição, evitando os dois excessos do realismo grosseiro e ingênuo e do simbolismo gnóstico.

         Ele está verdadeiramente presente, mas sob espécies que não são Suas: são precisamente as mais adequadas para fazer-Se comer com toda a avidez do amor.

 

www.obradoespiritosanto.com

 

A FÉ NÃO BASTA

 

         Embora acreditando – não posso renunciar a pensar, porque só pensando, posso na realidade acreditar. E digo isto, não porque o pensamento seja capaz de compreender tudo, mas unicamente porque também o mistério está contido no horizonte irradiado da luz do ser, que torna inteligível, a totalidade do real. Aludo a essa margem de inteligibilidade que torna aceitáveis também as verdades da fé, justificando-lhes a revelação. De fato, para que fim serviria esta, se não revelasse nada ao pensamento humano? Por conseguinte, o dogma eucarístico é compreensível: se os seus elementos se perdem no mistério, contudo, este não foge aos princípios do ser; neste caso, que nos restaria pretender?

 

         Ouso acrescentar que resta muito pretender de um Mistério que os resume a todos, mesmo que justamente por isto levante problemas enormes, que têm empenhado as mais acutilantes e robustas inteligências do passado.

 

         Como é possível que um minúsculo fragmento de pão contenha o Imenso?... Que Jesus esteja presente numa hóstia inteira e em cada uma das suas partes?... Que a Sua presença – agora, há já milhares de anos – se realize, sem multiplicar-se em mais lugares e tempos, contemporânea e sucessivamente, mantendo-Se ELE sempre idêntico a Si Mesmo em toda a parte: adorado e ofendido, celebrado e feito objeto de profanações turpidíssimas, e mesmo indescritíveis?

 

         A primeira luz começa a brilhar na Idade Média, pela adoção de um termo que o Magistério não tardou a fazer seu: a transubstanciação.  A qual porém, não tendo algum verificação na natureza, representa um fato, não apenas estranho à investigação cientifica, mas também superior a toda a possível confirmação filosófica.

 

         Com efeito, as transformações do mundo físico são um dado de primeira experiência: basta pensar naquelas que condicionam a conservação dos organismos, desde o nascimento até à morte... Transformações consentidas pela matéria-prima, sujeito potencial que passa de um modo de ser para um outro, resultando a corrupção do primeiro e a geração do segundo. Na transubstanciação, pelo contrário, também a matéria-prima do pão consagrado se converte na do Corpo de Cristo, pelo que a mudança ou mutação é total e, por conseguinte, naturalmente impossível.

 

         Portanto, a elaboração teológica do dogma, embora formando um termo altamente expressivo do processo, não apenas o não explica, como também lhe faz realçar o caráter prodigioso, levantando deste modo os problemas que lhe são conseqüentes e que, como veremos, acabariam por ser inteiramente insolúveis, se tivesse de renunciar à metafísica do ser...

 

         Mas os problemas não existem para aqueles que reduzem “a presença real de Cristo na Eucaristia a um simbolismo, pelo que as espécies consagradas não seriam senão sinais eficazes da presença de Cristo e da sua íntima união, no Corpo Místico, com os membros fiéis” (Pio XII, Humani generis, 16).

 

         Precisamente a tese protestante, que nega o Sacrifício Eucarístico e por conseguinte o sacerdócio ministerial, a Igreja como sociedade visível, capaz de um magistério infalível, sem o qual seria absurdo pretender conhecer a única Verdade verdadeira e certa, que salva do desespero.

 

 

www.obradoespiritosanto.com

 

“MEU SENHOR E MEU DEUS!”

 

Se Jesus mo diz e a Igreja mo confirma com cada vez mais vigor, creio na Sua Presença. Bem diversa daquela que devo atribuir-Lhe porque imenso, igual ao Pai.... Por que, como Verbo, vive no “templo” de cada alma em graça; porque, como Mediador, entre o Céu e a Terra, enche de Si Mesmo o Universo e a História...; porque, Cabeça do Corpo Místico, vivifica, com o Seu Espírito, todos os seus membros, inspira as Escrituras, fala e opera nos Seus ministros.

 

         Todas as formas de uma presença indiscutível e indiscutida, como infelizmente não é a eucarística, pela qual o verbo Incarnado permanece conosco, não menos realmente de como quando vivia na Palestina: os Protestantes recusam-se a acreditá-lo.

 

         Para disso estar certo, basta-me aderir ao Magistério, que fala de transubstanciação, prodígio que exclui o absurdo em que cairíamos, se acabasse por supor que pão e vinho passam a ser o próprio Deus.

 

         A Igreja não afirma sequer que passem a ser a Pessoa do Verbo e tão pouco a Sua alma, componente essencial da natureza humana por Ele assumida: a matéria não poderá nunca sublimar-se, a ponto de transformar-se no espírito. Com efeito, a transubstanciação verifica-se ao nível de duas substâncias materiais: o pão e o Corpo de Cristo; pelo que, o prodígio está contido na área do mundo físico, excluindo o salto entre categorias de gênero diverso.

 

         Isto demonstra a necessidade da Incarnação que, salva a união hipostática, é humanização e mesmo materialização de uma Pessoa Divina. Por conseguinte, pela transubstanciação, parece que Jesus tenha querido de certo modo continuar a viver no espaço e no tempo, homem no meio dos homens, satisfazendo, acima de tudo, a mais fundamental função biológica do alimento dos corpos, entendida como símbolo da bem mais vital necessidade das almas, abertas à comunhão de amor com Deus.

 

Por conseguinte, não se realiza a Eucaristia sem a Incarnação: o pão consagrado pode passar a ser o Corpo de Cristo, apenas porque “o verbo Se fez carne”.

 

         Mas não basta comunicar com o Corpo de Cristo; quem ama deseja comunicar com Ele, Pessoa Divina, a quem pertence o corpo. Corpo vivificado por uma alma...; alma e corpo, componentes da Sua natureza humana...; contudo, natureza humana que não é Ele. Mas no entanto, não sendo o próprio Verbo (com o qual se quer encontrar e dialogar)¸esta natureza é Sua e, por ela, atinge-se esse mesmo Verbo sem nenhuma outra mediação criada.

 

         Se, portanto, o pão se torna o Corpo de Cristo, e se Cristo é o Verbo, certamente eu comungo, com o Corpo do Verbo, com o Corpo de Deus, ou seja, com o próprio Deus, que torna adorável a carne concebida no seio da Virgem Maria e sofreu Paixão e Morte.

 

         Sei que posso comunicar com Deus, adorando-O em espírito e verdade, e isso, não tanto valendo-me da abstração metafísica, quanto supondo a graça e o exercício da fé, como foi o possível aos Patriarcas, aos Profetas, aos Justos da antiga Lei. Mas tratou-se então de relações com Deus inteiramente privilegiadas, superiores à psicologia humana, condicionada ao sensível em todas as conquistas que transcendiam o nível da experiência.

 

         Ora, o vértice mais sublime de todo o sensível criado e susceptível de se criar é a humanidade de Cristo, substancialmente unida à Pessoa do Verbo, única Via que, iniciando pela Sua componente corpórea, atinge imediatamente o Seio do Pai.

         Precisamente a componente corpórea que, pelo Pão Eucarístico, nos faz ter acesso ao Deus vivo.

www.obradoespiritosanto.com


O MAIS ALTO DOS PRODÍGIOS

 

         Ao silêncio e à adoração, prefiro agora satisfazer a necessidade de entrever a verdade do mistério eucarístico, tentando-lhe uma interpretação que não tem a presunção de a prejudicar nos esquemas ou pelos esquemas da razão, mas tende unicamente a torná-la credível.

 

         Foi sempre esta a especifica função da investigação teológica que, ao serviço do Magistério, tem atingido a filosofia do ser, para tornar inteligíveis. Pelo menos, os termos do dogma.

         O primeiro dos quais é a transubstanciação que, em relação à substância, foi rejeitada pelo empirismo e pelo fenomenismo, chocando ou combatendo contra um dos primeiros dados do pensamento humano espontâneo, universal.

 

         Ao nível da reflexão, ela não pode senão definir-se como essência ou sujeito que em um próprio ato de ser, pelo qual existe em si, de um modo autônomo. Se a substância, por isso, não fosse real, não existiria nada, incluso quem tem a presunção de a negar.

         Ora, a substância é o pão de trigo, ázimo ou fermentado, mistura de moléculas de natureza várias, com propriedades especificas e elemento-base do alimento humano, incluído entre os alimentos tomados por Jesus e pelos Apóstolos na Última Ceia.

 

         É precisamente o pão que o Mestre transforma inteiramente no Seu próprio Corpo, bastando que Ele o declarasse como tal: a Sua palavra, que tinha tirado o mundo do nada, agora, realiza a total conversão da substância do pão na substância do Seu Corpo. Este, o vivo conteúdo do Mistério Eucarístico.

 

         Para o não deturpar, é necessário supor que:

 

         - A transubstanciação, segundo o dogma, não deve entender-se no sentido em que a natureza do pão seja assumida pela Pessoa do Verbo, como aconteceu na Incarnação;

         - Que o pão, pelo metabolismo, seja assemelhado ao Corpo de Cristo, como se verifica nos alimentos de que nos alimentamos:

         - Que o mesmo pão receba de Cristo a virtude divina que santifica os fiéis que comungam; neste caso, a Eucaristia não se distinguiria dos outros sacramentos enquanto a verdade é que Ela os transcende a todos:

         - E muito menos ainda que o pão, pela consagração, se torne um símbolo da presença e poder sobrenatural de Cristo; pelo que não teríamos a transubstanciação, permanecendo o pão ontologicamente como era antes.

 

         Estas, as interpretações heréticas, rejeitadas pela Igreja, que insiste na transubstanciação, proposta como conversão, que não equivale à destruição do pão, nem à criação do Corpo de Cristo: destruição e criação excluídas da continuidade do processo conversivo de uma substância numa outra... Muito mais, que do pão ficam os acidentes, e que o Corpo de Cristo é já real e, sendo ressuscitado, não sofre alterações.

 

         A unidade do processo agora apresentado, é análoga àquela pela qual, nas combinações químicas, a matéria-prima não é destruída mas passa de uma forma (da substância corrompida) para uma outra (da substância gerada). Ora, no passar, a passagem da potência ao ato é sempre imediatamente de alguma coisa que faz as funções de sujeito: do nada não pode vir nada.

 

         É precisamente o sujeito que, nas transformações substanciais, é sempre, e necessariamente, a matéria-prima, elemento que não se pode suprimir no composto que precede (o corrompido) e no que segue (o gerado); na transubstanciação, a matéria-prima do pão não faz as funções de sujeito, porque também ela se muda na matéria-prima do corpo de Cristo. O prodígio eucarístico consiste precisamente nesta total conversão da substância do pão na substância do Corpo de Cristo, contra todas as leis da natureza.

 

         Mas este fato, embora extraordinário, não vai contra os princípios do ser, salvos os quais, tudo é possível, como aliás credível, se depende imediatamente de Deus, Ser-por-essência, que domina a série infinita de todos os seres-por–participação. Tenho de elevar-me a este nível, para aceitar a possibilidade e o fato da transubstanciação.

 

 

         Se a natureza transforma o ferro em óxido, permanecendo-lhe imutável ou fixa a matéria-prima ou seja, o sujeito do processo químico...; não vejo por que razão Deus, Criador e Legislador da própria natureza, não possa mudar o pão no Corpo de Cristo, permanecendo o ser – participando por um e pelo outro – o sujeito da conversão de toda a substância do pão na do Corpo de Cristo.

 

         Isto é evidente que se verifica porque o pão, perdendo o seu próprio modo de ser (que o especifica e diferencia) se muda no modo de ser próprio do Corpo de Cristo, que permanece imutável ou fixo.

 

         A contradição seria inegável apenas se Deus não modificasse o modo de ser (= a essência) do pão. Seria de fato absurdo supor que o pão, permanecendo essencialmente “pão”, passasse a ser o Corpo de Cristo. Se, no criar, Deus produz o ser, no transubstanciar o pão, Ele Mesmo muda o modo-se-ser do pão; ser que, dominado pela Sua Onipotência, faz as funções – analogamente à matéria-prima – de sujeito da passagem de uma essência para outra.

 

         A ciência não tem nada a opor a tudo isto; e creio bem que, à mente humana, não seja possível interpretar de outra forma a transubstanciação e, por conseguinte, a origem de uma presença de Cristo não simbólica, mas ontológica, realíssima, segundo o modo de ser da Sua substância corpórea, único traço de união entre o mundo físico dos nossos órgãos sensoriais e a própria Pessoa do Verbo.

www.obradoespiritosanto.com

 

PRESENÇA INTEGRAL

 

         Se, quando à substância, a presença real do Seu Corpo é certíssima, porque devida às palavras da consagração, pronunciadas sobre o pão; não posso ter dúvida alguma da Sua presença, como PESSOA DIVINA. De fato, o Corpo é Seu, e Ele, a partir do momento em que foi concebido, não poderá nunca separar-Se desse mesmo Corpo: a união hipostática durará por toda a eternidade.

 

         Ora, o Seu Corpo é organizado e vivo pela alma intelectiva que o informa, tornando-o essencialmente humano: Corpo com a sua estrutura, os seus órgãos, as suas capacidades operativas, as suas relações com o mundo exterior. Completa, por conseguinte, é a sua humanidade, aqui presente em virtude das palavras da consagração; as quais, porém, por si mesmas, se referem apenas à substância do Seu Corpo; enquanto, sob o ponto de vista ontológico, ou seja, por natural concomitância, a substância fica unida de um modo inseparável, com tudo quanto objetivamente lhe pertence, constituindo a perfeição do Verbo Incarnado, como foi gerado por Maria...

 

         E é por isto mesmo que Ele continua a pensar e amar pela alma que vivifica o Seu Corpo, atualmente ressuscitado e glorioso... Por conseguinte, conhece tudo quanto acontece ao Seu redor: dá-lhe conta das nossas adorações e irreverências, compraz-se com o nosso culto e reprova, sem porém os suportar, os nossos sacrilégios.

 

         Se, e sempre em virtude das palavras da consagração, a presença eucarística não comporta as dimensões do Corpo de Cristo, nem por isso mesmo o completo dos seus órgãos sensoriais...; é, porém indiscutível que, por natural concomitância, a substância do Seu Corpo não fica dessas dimensões, dispostas segundo a típica estrutura do organismo humano. Por conseguinte, estrutura presente só à maneira da substância, ou seja, como é possível a esta que, oculta aos sentidos, está toda em toda a hóstia consagrada e toda em cada uma das suas partes.

 

         Precisamente a nível sensível não é possível qualquer mútua relação entre nós e Cristo. Se Ele, com os Seus próprios órgãos sensoriais (presentes apenas à maneira da substância) não pode ver, ouvir, tocar nada de exterior a Si...; nós, com os nossos sentidos, podemos apenas colher ou alcançar as naturais propriedades do pão, e não as do Seu Corpo...

 

         Mas uma tal condição não O impede de estar presente em nós e nós n’Ele, tratando-se da mais verdadeira presença possível ao Seu e ao nosso pensamento, fundada na conversão da substância do Seu Corpo, realmente vivificado para Sua Alma pensante e amorosa ou amante...

 

         Por isso, se a transubstanciação se não realizasse a nível físico, não seria possível comunicar com Cristo inteiro ou integral. Onde existe uma hóstia consagrada, está Ele: a substância do Seu Corpo comporta ou inclui toda a humanidade assumida pelo Verbo; substância indicada indispensavelmente pelas propriedades do pão, percebidas pelos sentidos, pelo que o mistério eucarístico se segue ao da Incarnação.

www.obradoespiritosanto.com

 

A PRESENÇA ADMIRÁVEL

 

         A transubstanciação, superando todos os processos da natureza, por uma extraordinária intervenção da Onipotência e tornada credível à luz da metafísica do ser, comporta uma outra série de prodígios.

         O primeiro – que confirma a tese filosófica da real distinção da quantidade da substância corpórea – fundamenta a possibilidade, pela qual, aqui os acidentes do pão existem sem a substância do mesmo...; enquanto a substância do Corpo de Cristo conserva todas as suas propriedades, mesmo que não acessíveis aos nossos sentidos.

 

         Ora, o milagre, diretamente refere-se ou diz respeito apenas às dimensões do pão, indispensáveis porque sujeito imediato das qualidades que as supõem: cor, sabor, gosto, etc... exigem algo de extenso, incluindo nos limites de um certo lugar por todos capaz de ser indicado.

         É precisamente pelas dimensões que as qualidades podem ser percebidas pelos sentidos, e o pão consagrado pode ser partido, multiplicado, ocupar um lugar, deslocar-se de um lado para o outro do espaço.

 

         Mas isso não autoriza a pensar que a presença eucarística, seja comparável à de todas as substâncias corpóreas. De fato, a presença do Corpo de Cristo, sendo condicionada às dimensões do pão (e não às Suas próprias dimensões), não pode dizer-se local, mas sacramental, miraculoso. Cristo, por conseguinte, está justamente onde se encontram as dimensões do pão consagrado, e move-Se de um lugar para o outro, não por Si Mesmo, mas por estas dimensões. Se adora em muitos altares, é porque neles está presente, não como em muitos lugares, mas “como no sacramento”, ou seja, de um modo sacramental não local.

 

         A natural localização de uma substância corpórea é possível apenas pelas dimensões próprias da mesma: pelo que a idêntica substância individua não pode ocupar, simultaneamente, mais lugares circunscritivos.

         Se tudo isso é certo, segue-se que o sinal primário da real presença de Cristo são as dimensões do pão consagrado, qualquer que seja a sua grandeza: e isto porque, mesmo prescindindo da transubstanciação, a substância do pão conserva a sua própria essência, indiferentemente numa hóstia inteira e num seu fragmento dificilmente visível, como no resultado da limadela de uma moeda de ouro – um grãozinho de pó que dela resulta não muda de natureza: mantém todas as suas propriedades organolépticas cientificamente susceptíveis de se verificar.

        

         E por isso, as naturais propriedades do pão consagrado, mantêm-se imutáveis, revelam-se e comportam-se a transubstanciação não se tivesse verificado. Ora, precisamente são a origem próxima de todos os fenômenos que se lhes seguem, se é certo que toda a substância criada é, por si mesma, inerte.

         Não surpreende, por isso que o pão consagrado, em particulares condições por irrevogáveis leis da matéria se corrompa.

 

         Isso não depende da substância mas das suas qualidades, que se comportam como se a substância do pão fosse ainda real. Falo de qualidade mantidas pelas dimensões que prodigiosamente suprem a matéria do pão, sujeita a corromper-se, dando origem a novas substâncias, como por exemplo a cinzas, em caso de incêndio...

 

         E é sempre pela razão agora apontada que pão e vinho consagrados podem respectivamente saciar e embriagar; isto, que não depende diretamente das suas substâncias (transubstanciadas no Corpo e no Sangue de Cristo), mas das propriedades (ou energias) dos respectivos elementos. Repito-o: não existe substancia criada que seja ativa por si mesma...

 

         Se, no culto eucarístico, os nossos sentidos se deixam arrastar ou prender pelo invólucro sensível das propriedades naturais do pão, ou seja, não atingem a substância do Corpo de Cristo, qualquer comportamento humano deixa inalterada essa mesma substância, tanto para o bem como para o mal.

         Ilude-se, portanto, quem pretende fazer sofrer Jesus, pisando ou despedaçando uma hóstia consagrada: e isto, mesmo abstraindo da atual condição de impassibilidade de Cristo Ressuscitado. Em semelhante caso, o sacrilégio ultraja apenas a Sua Pessoa, como uma blasfêmia pode ofender Deus...

 

         Deste modo, a misteriosa presença sacramental de Jesus, fundada na transubstanciação enquanto nada tira à Pessoa do Verbo Incarnado, tudo remete para as situações ou disposições de espírito do homem, o qual da Eucaristia, poderá fazer tudo o que quiser: honrá-la e profaná-la... Não há nada mais frágil, modesto, vulnerável, do que uma partícula consagrada.

        

Presta-se a todos os usos; está sujeita os riscos e incidentes; é motivo das celebrações mais solenes e das manipulações mais torpes e indecentes...; do amor mais fervoroso e sublime e dos mais diabólicos gestos de desprezo e ódio...; pode guardar-se em preciosos e artísticos sacrários, e ser deitada ou abandonada, em armários carunchosos e repletos de pó...

 

         Todos hoje podem tocá-la, distribuí-la, transportá-la, roubá-la: sacerdotes santos e leigos irresponsáveis ou mesmo indecentes...

         Quem não acredita, vê nela um fragmento de matéria inerte, incapaz de se defender, opaca, sem vida, de nenhum valor. Na Sua Cruz, o Senhor, moribundo, estava ainda reconhecível como homem: “homem das dores”, mas sempre homem, insultado por alguns, mas também chorado, suplicado, bendito por outros...

 

         Aqui, já não vejo nada: a Incarnação entende-se até perder os Seus limites nos domínios imensos e obscuros da matéria inorgânica, extremo limite da Onipotência criadora... E é por ela que, do mundo o Verbo volta a subir para o Pai, concluindo o ciclo da permanente aventura do Amor, que Se sujeitou a um total esgotamento de Si Mesmo, o Infinito.

www.obradoespiritosanto.com

 

PÃO E VINHO

 

         Ao tradicional banquete dos judeus não podem faltar pão e vinho, elementos essenciais para a instituição do sacramento eucarístico.

 

         Ora, que Jesus diga que o pão é o Seu Corpo, não pode admirar nenhum dos Apóstolos, depois daquilo que Ele Mesmo tinha explicado na sinagoga de Carfarnaum. Por outro lado, motivo de surpresa, pelo menos num primeiro momento, foi a peremptória declaração de que o vinho é o Seu próprio sangue. Mas toda a dúvida foi resolvida, não apenas por eles terem recordado que o Mestre tinha acrescentado que o Seu Sangue é verdadeira bebida, mas também o fato de lhes ter afirmado que quem, além de comer a Sua Carne, beber também o Seu Sangue, permanece n’Ele por uma inefável compenetração de amor.

 

         Por isso, à distinta menção do pão e do vinho corresponde a da carne e do sangue. Por que razão, pois, distinguir os dois elementos, como depois o afirmará São Paulo, ao voltar a recordar e evocar a Última Ceia? E porque Jesus ordena que repitam o mesmo rito, distinguindo a consagração do vinho? Qual o significado desta liturgia?

 

         É o que os Apóstolos, antes do Pentecostes, não conseguiram compreender, apesar de o Mestre ter predito muitas vezes a Sua Paixão e Morte e, em Cafarnaum, ter declarado que a Sua Carne iria ser sacrificada pela salvação do mundo.

         Dados bíblicos de supremo interesse, de que a Igreja primitiva intuiu muito bem o sentido, repetindo o rito da Última Ceia, para celebrar sacramentalmente o Sacrifício da Cruz, ou seja, a imolação do verdadeiro Cordeiro que tira os pecados do mundo.

        

         Como, pois, a Última Ceia é a antecipação sacramental da Oferta cruenta do Calvário, assim também esta é representada sacramentalmente em cada celebração da Missa chamada precisamente Sacrifício Eucarístico. Sacrifício que, reconciliado o homem com Deus, não pode deixar de se concluir com essa consumação da Vitima imolada símbolo da recuperada amizade de Deus por parte dos fiéis, obtida pelos méritos da Paixão expiadora e redentora.

 

         Por isso, a Eucaristia compreende ou inclui inseparavelmente o dúplice aspecto sacrificial e convivial, no sentido de que um tem valor primário absoluto, porque supremo ato de culto referido a Deus que ofendido pelo pecado exige a reparação oferecida pela Paixão de Cristo. Mediador-Chefe da humanidade pecadora.

 

         Pelo contrário, o valor do outro é relativo, porque depende da eficácia do primeiro e refere-se ao bem do homem: a redenção que o reabilita é indispensavelmente condicionada à expiação satisfaz a Justiça de Deus, muito embora a satisfação da Justiça de Deus esteja por Ele liberalmente subordinada à revelação da Sua Misericórdia, a quem compete a iniciativa de tudo.

         Deus não pode ser misericordioso com o homem, se o homem, acima de tudo, não é justo com Deus no reafirmar o sentido absoluto do Seu primado, de quem depende todo o seu bem.

 

         Que reduzisse a liturgia eucarística a um convívio fraterno, privá-la-ia da eficácia redentora que deriva do seu caráter essencialmente sacrificial. Tudo se desenvolveria precisamente segundo a tendência horizontalista que humaniza o rito, baixando-o ou reduzindo-o ano nível de um fato ou acontecimento social (comunitário) na exclusão da sua referencia à Transcendência, à obra expiadora de Cristo, à realidade histórica do pecado, ao sacerdócio ministerial da Igreja hierárquica.

 

         É tudo quanto está subentendido na distinta consagração do pão e do vinho, elementos de um banquete que não oferece outro alimento nem outra bebida senão a carne e o sangue da Vítima sacrificada pela salvação do mundo.

 

www.obradoespiritosanto.com

 

O QUE É, POIS, A SANTA MISSA?

 

         É o momento de entregar-se e responder a esta pergunta, para entender o sentido da escolha do pão e do vinho, feita por Jesus, na instituição da Eucaristia: Só na Missa temos a explicação de tudo.

 

         Ela “é algo mais que uma festa da união fraterna; é muito mais que um banquete de amigos ou que uma mesa para pobres. Não é pouco o momento de celebrar a dignidade humana, as reivindicações ou esperanças puramente terrenas. É o SACRIFÍCIO que torna Cristo realmente presente no Sacramento” (João Paulo II. 20.3.1990. aos Bispos brasileiros, na sua visita ad sacra limina).

 

         Por isso, é a celebração sacramental do Sacrifício do Calvário: o mesmo Sacrifício da Cruz, celebrado por Jesus, mediante o Seu ministro, autorizado por Ele a representá-Lo invisivelmente, sim, a agir em Seu Nome, na Sua Própria Pessoa.

 

         Sacrifício dito incruento, não porque diverso do cruento, mas porque é o mesmo, de que difere apenas na medida em que é oferecido sob as espécies do pão e do vinho, elementos que, distintamente consagrados, evidenciam simbolicamente a violenta separação do sangue do corpo da vítima imolada.

 

         Não é, porém, uma pura representação simbólica-comemorativa de quanto aconteceu há mais de vinte séculos, em Jerusalém. Certamente, é uma representação, mas o seu simbolismo não resolve em si ou só por si a realidade do SACRIFÍCIO: compreendemo-lo ou abrangemo-lo, refletindo em que a distinta consagração do pão e do vinho é o sinal da REAL e ATUAL MORTE DA VITIMA. Os dois elementos consagrados, de fato, já não são PÃO e VINHO, mas o próprio Cristo, com o Seu Corpo morto e o Seu Sangue derramado. Por outro lado, Cristo, como Mediador universal, não realizou o Seu Sacrifício, mas REALIZA-O, porque EXPIA os pecados cometidos da primeira à última geração humana, a respeito das quais Ele mesmo é contemporâneo, não podendo ser nunca, nem futuro nem passado para nenhuma delas.

 

         Três, pois, segundo o Magistério, são os pressupostos fundamentais, e entre si inseparavelmente ligados, do Sacrifício Eucarístico: o pecado de todos os tempos, a transcendência do Verbo Incarnado, a transubstanciação.

 

         A Missa não é a assembléia dos fiéis. Estes participam nela, mas não a celebram. E tanto isto é verdade, que a Missa é validíssima por si mesma, mesmo quando não esteja presente nenhum fiel. Nem qualquer presidente pode fazer de celebrante: mas apenas o SACERDOTE que, em virtude do Sacramento da Ordem, representa Cristo como Seu ministro.

 

         Representando Cristo diante do Pai, ele representa a Igreja. Seu Corpo Místico e, por conseguinte, também os fiéis que são os Seus membros. É em Cristo, pois, que é necessário fixar a atenção, uma vez que é Ele o único verdadeiro Celebrante, principal oferente ou oferecedor, como é a única verdadeira Vítima principal oferecida.

 

         Jesus é o próprio Verbo que, assumindo a natureza humana, lhe participa, com o Seu próprio ato de ser – filial- a infinita dignidade e poder que Lhe são próprios, como Pessoa Divina que é. Dignidade e poder que a todas as ações do HOMEM-JESUS conferem um valor imenso: precisamente aquele que é necessário para fazer de mediador capaz de reunir e conter em Si tudo quanto é criado, ou seja, de transcender e compreender ou incluir todo o curso das gerações humanas, e ser por isso o CENTRO a que todas e cada uma delas convergem, podendo assim perceber os frutos da Sua Mediação expiadora.

 

         Por conseguinte, se, incarnando, Ele Mesmo Se insere no tempo e Se reveste da natureza humana, sujeita-Se às suas leis e experimenta-lhes as misérias...; continua, porém, a salientar-Se e a dominar, pelo que é contemporâneo de cada indivíduo que, pecando, O faz agonizar na alma e no corpo. Portanto, a causa mais real da Sua Paixão é todo o pecador, enquanto, segundo o plano da Providência, a obra de juízes iníquos e de velhacos fanáticos tem sido apenas o instrumento e como que o símbolo das culpas humanas que, ofendendo a Deus, não tem cessado nem cessarão de trespassar o Coração de Cristo.

 

         Conclui-se assim, que o delito dos Judeus é como que o “signum” (sinal) de todos os pecados que, cometidos ao longo de todos os séculos, são os verdadeiros responsáveis de uma Paixão sempre em ato, ou seja, nem futura para alguns, nem passada para outros, mas sempre presente, a par da mediação do Verbo Incarnado, no centro de todos os tempos: Ele é Primeiro e Último, Alfa e Ômega, Princípio e Fim da História.

 

         Mais claramente: a Paixão não precede o pecado, mas segue-o, sendo este a sua causa. Não pode dizer-se que Cristo já sofreu pelas culpas do gênero humano (pelo que eu ficarei livre de pecar), porque sou precisamente eu, com as minhas culpas cometidas de um momento para o outro, que O firo. Perfeito é o sincronismo entre mim-pecador e Ele-morimbundo Jesus deixará de morrer, com o último pecado do homem.

 

         Para quê o Sacrifício Eucarístico?

 

É simples: para tornar possível à Igreja de todos os lugares e tempos, a participação na Oferta cruenta da Cruz. Ou seja, para que o pecador de todos os lugares e tempos, porque o ofender a Deus, se torne responsável da Paixão de Cristo, de forma a poder também fazer sua esta mesma Paixão, ou seja, expiar as suas culpas e deste modo se redimir ou salvar. E ele pode fazê-lo não apenas recordando uma Paixão sofrida há milhares de séculos: mas, sobretudo, instruindo ou compreendendo, à luz da fé, uma Paixão que, quanto ao seu conteúdo de mistério, perdura para além do rolar dos tempos num presente meta-histórico: precisamente a Paixão que o homem provoca em Cristo, todas as vezes que peca; aquela pela qual ele, fazendo-a sua, se reconcilia com Deus.

 

         A realidade dos fatos resume-se no pecado do homem e no Sacrifício de Cristo

         Sacrifício que o crente conhece pelo relato evangélico, em que está descrito tudo o que se refere aos seus elementos empíricos, conhecidos pelas testemunhas oculares da Paixão e, sobretudo, pela fé que o faz intuir ou compreender o seu sentido profundo, a sua finalidade altíssima, a sua eficácia infinita.

 

         Justamente aquilo que interessa à humanidade inteira, que pode elevar-se a contemplar o Mistério, apenas partindo do sensível; e daí, a necessidade de um rito externo que o revele. E eis então o SACRIFÍCIO EUCARÍSTICO. O qual, enquanto ou na medida em que renova a Última Ceia, celebra o idêntico Sacrifício da Cruz que, perfeito em si e por si irrepetível, é oferecido aos sentidos do crente pela distinta consagração do pão e do vinho, transubstanciados no Corpo e no Sangue de Cristo.

 

         Deste modo, a idêntica Imolação da Cruz oferece duas vertentes: uma constituída pela humanidade do Salvador, que sofre sob as aparências da natureza passível assumida pelo Verbo, tal como os Seus contemporâneos puderam observar, recordar e descrever, a nível do fenômeno ou da crônica (sub epecie própria – sob as Suas próprias espécies). A outra, sobrenatural, objeto de fé, consiste no mistério do Verbo Incarnado, Vítima de satisfação e redenção, velada sob as espécies sacramentais, ou seja, sob as naturais propriedades do pão e do vinho, distintamente consagrados (sub specie alienta – sob espécies alheias).

 

         E delas resulta portanto a única, intemporal, REALIDADE do Mistério sob dois diferentes sinais sensíveis e temporais:

         - as carnes a jorrar Sangue de Cristo moribundo na Cruz;

         - as distintas espécies consagradas do pão e do vinho, símbolo da violenta separação do Sangue, do Corpo do Salvador.

 

         Trata-se, portanto, de dois sinais: o primeiro é NATURAL, perceptível pelos sentidos; o segundo é SACRAMENTAL, inteligível pela fé, que abre o crente à transcendente verdade de Cristo, Sacerdote-Vítima. Só para ele a Missa é SACRAMENTO DO SACRIFÍCIO.

 

         Ora, se a Imolação de Cristo apareceu uma só vez sob as espécies da Sua natureza humana dolorosa, tendo depois ressuscitado e passando a ser impassível...; verdade é que são infinitas as vezes que ela pode apresentar-se sob as espécies sacramentais, isto é, tantas quantas são as celebrações eucarísticas, permanecendo sempre:

 

- idêntico o sacerdote,

- idêntica a Vítima,

- idêntica a oferta que Ele faz de Si.

 

         Por conseguinte, se é certo que podem celebrar-se inúmeras Missas único ficará sendo sempre o Sacrifício por elas significado. Ou seja: a Muitas Missas corresponde um só Sacrifício. Portanto, a Missa, Sacramento do Sacrifício, foi instituída para que os crentes pudessem participar no Sacrifício, mediante o Sacramento, e isto em virtude da transubstanciação, pela qual o próprio Jesus, corporalmente presente (como na Cruz) Se oferece, tanto ao Pai como Vítima de expiação, como a nós, como Alimento de vida eterna, significado pelas espécies sacramentais.

 

         Segue-se que, faltando a transubstanciação, a Oferta cruenta do Calvário acabaria por ser uma simples recordação e um artigo de fé na qualidade de Mistério: o qual não revelado aos sentidos se não prestaria a culto externo nem à Comunhão Eucarística sinal de unidade entre os membros do Corpo Místico, necessitados do sensível para se reconhecerem, se amarem e viverem juntos.

www.obradoespiritosanto.com

 

 

MESA CELESTE

 

 

         “A Eucaristia, sentencia João Paulo II, é, sobretudo, um sacrifício (...) O mistério eucarístico, separado e sacramental, deixa simplesmente de existir como tal” (Domin. Cenae 9.8).

 

         O Papa sintetiza um cúmulo de definições do Magistério, de catequeses dos Padres da Igreja e dos comentários bíblicos da mais autorizada teologia católica. Quando se repete que a Missa é o mesmo sacrifício da Cruz, diferindo dele apenas porque o apresenta sob as espécies do pão e do vinho distintamente consagrados, não se faz mais do que afirmar que nela se não dá uma imolação nova e tão pouco uma nova imolação e da Oblação da Cruz: a liturgia eucarística não faz senão pôr o Calvário no nosso altar.

 

         Isto quer dizer mesmo que a Igreja não oferece um “seu” Sacrifício distinto do de Cristo, limitando-se a participar na Imolação do Calvário, a única que na realidade expia e redime. De si própria ela oferece apenas tudo quanto é necessário para a sua participação, que é depois a liturgia eucarística instituída pelo próprio Jesus naquilo que se refere ao essencial do rito.

 

         Ora, confundir-se-ia a verdade do dogma eucarístico, supondo que a Missa fosse apenas SACRIFÍCIO: a Igreja, seguindo a Tradição Apostólica, ensina que é também e necessariamente, BANQUETE. Trata-se, porém, de um banquete apenas comparado aos banquetes humanos por analogia: no banquete eucarístico é oferecida ao crente uma MESA CELESTE, porque “o pão” de que se alimenta é o pão “VIVO DESCIDO DO CÉU”; “Pão” que passou a ser o próprio Corpo de Cristo, sacrificado pela salvação do mundo.

 

         Por isso, “o sacrifício e o sagrado banquete pertencem ao mesmo mistério, a ponto de estarem ligados um ao outro por um estreitíssimo vínculo” (Paulo VI, Euchar, Myser, 3/b).

 

         Uma vez admitido isto, a unidade do mistério “Sacrifício-Mesa” consente o precisar-se que a Mesa brota do Sacrifício porque imagem da comunhão de graça entre a alma e Deus, restabelecida pela Oferta da Cruz celebrada por Cristo como supremo ato de amor ao Pai e à humanidade pecadora. Por outras palavras: a consumação das espécies eucarísticas é o SINAL (símbolo) da sobrenatural assimilação dos fiéis a Cristo Crucificado, sua Cabeça, e é neste misterioso processo vital eu eles tornam a gozar (ou confirmar) a sua própria intimidade com o Pai.

 

         Por isso, apenas pela participação no Sacrifício de Cristo (celebrado sob as espécies do pão e do vinho) e pela conseqüente transformação mística n’Ele, é possível realizar a comunhão com Deus, prelúdio de vida eterna.

 

         “Mesa celeste”, por conseguinte, essencialmente diversa da mesa “terrena”. Nela, o “alimento” é o Corpo e o Sangue de Cristo, ambos realíssimos, mesmo num simples fragmento de pão e numa gota de vinho consagrados. “Alimento” insuficiente para alimentar o corpo, mas mais que abundante para saciar a alma, realizando a inefável comunhão de amor com Deus, em Cristo.

         Comunhão de amor iluminada pela fé, por sua vez sustentada pelos sentidos, pelos quais o fiel percebe as naturais propriedades do pão transubstanciado no Corpo de Cristo.

 

         É pela transubstanciação, de fato, que a Comunhão Eucarística é Comunhão com Cristo, Comunhão com Deus, Comunhão com o mistério da Sua Vida. O crente, pois, não se fica ou firma nas espécies sacramentais, objeto dos sentidos porque, na realidade, o impulso do seu pensamento atinge a Pessoa de Jesus. Se, comendo o pão comum, me alimento da sua substância, assimilada pelo organismo, através da percepção das suas qualidades sensíveis, não vejo por que razão não possa alimentar a minha alma, consumindo um “pão” que, apesar das aparências, já não é pão,mas o Corpo de Cristo...

 

         É evidente que o discurso apenas tem este sentido segundo a lógica da fé. Por conseguinte, negada a transubstanciação, a Comunhão Eucarística, que é comunhão com o Verbo-feito-carne, seria impossível; pelo que, falar de Mesa Celeste, não teria sentido algum. É intoleravelmente reduzido que alguém se firme apenas em alimentar-se espiritualmente de um pão-símbolo-de Cristo, e não de um pão-tornado-Corpo de Cristo...

 

         Este pressuposto pão-símbolo poderia ser alimento apenas para um homem que, em virtude da fé, prescinde do sensível; precisamente para aquele que não seria verdadeiro homem, que não viveria segundo as necessidades da sua natureza composta, essencialmente, também de um corpo, com as exigências e hábitos da vida humana e as suas insubstituíveis relações sociais...

 

         Jesus, segundo o dogma católico, preferiu ficar conosco segundo a Sua própria natureza humana integral que, pela transubstanciação, se oferece a todos, através do sublime simbolismo do “pão”. Que quer, pois, dizer receber a Comunhão? Como pode verificar-se o encontro dos fiéis com Cristo-Eucarístico?

 

a) – Recebe-a só materialmente¸ aquele que é espiritualmente indigno dela, porque vive em pecado mortal. Ele, se realmente recebe Cristo, é também certo que O ofende, porque a Eucaristia foi por Ele instituída como sinal de amizade dos crentes com Ele e entre si...;

 

b) – A Comunhão é recebida apenas espiritualmente, quando o encontro é realizado apenas pela fé e pelo desejo dos fiéis, que acreditam na presença real de Cristo e não podem recebê-Lo também materialmente, apenas porque impedidos por circunstâncias involuntárias;

 

c) – Comunhão verdadeira e completa é apenas a sacramental, que corresponde a todo o homem, alma e corpo, entendimento e sentidos, estado de graça e efetiva participação na Mesa Eucarística, precisamente como a ele mesmo Se oferece todo-o-Cristo, na totalidade ou integridade da Sua constituição ontológica, ou seja, como VEBRO INCARNADO.

 

         Precisando um pouco melhor: receber a Eucaristia não significa fazer a comunhão, mas sim entrar em Comunhão com Cristo-Sacramentado; o que exige o concurso de TODO O CRISTO, acolhido por TODO O HOMEM:

         - de todo-o-Cristo sacramentado, ou seja, da realidade da Sua substância corpórea, com tudo quanto ela comporta por natural concomitância;

 

         - por todo-o-homem, ou seja, principalmente pela sua alma, pela sua inteligência, pelo seu amor e, consequentemente, pelo seu corpo, que inclui o conteúdo externo, como cordial adesão a uma liturgia que exige palavra e canto, auscultação e atenção, gesto de súplica e de adoração...; a psicologia humana obriga a uma tal interdependência entre a alma e o corpo, entendimento e sentidos... Ilude-se quem presume elevar-se apenas com a alma; reduz-se a uma marionete quem limita o culto ao comportamento do corpo... Evidentemente que a reciprocidade destas relações é inteiramente em benefício da alma, porque a Comunhão sacramental é encontro do espírito, contemplação do pensamento, abandono do amor.

 

         O culto externo deve servir, ou seja, subordinar-se ao interior, virado para a Pessoa do Verbo: e é por isto que o banquete eucarístico é mesa celeste, antecipação da Bem–Aventurança Eterna.

         Se esta “mesa” abre para a comunhão com Deus em cristo, e se a comunhão é diálogo da alma com Ele, que poderá então dizer a alma a Deus e Deus à alma? A Deus, não lhe resta dizer mais nada, uma vez que chegou ao ponto de fazer-se possuir por Cristo, segundo a Verdade do Seu Verbo e a física realidade da Sua Carne.

 

         Carne que envolve todo o mistério cristão, sendo Carne do Verbo gerado pelo Pai, e com Ele, a soprar ou exalar o Amor: a Eucaristia contém a Trindade. Com Jesus, está também Maria, que Lhe concebeu a natureza humana; está o coro imenso dos Anjos, a indeterminada multidão dos bem-aventurados, o inteiro universo dos corpos semeados pelo espaço infinito, com a sua história, com o seu mistério. Porventura não é Ele a Síntese pessoal de todo o criado e o criável?

 

         Mas o crente que O recebe pode e deve lançar-se para além do invólucro das espécies sacramentais até atingir e perder-se no “seio do Pai” e participar na Sua Bem-Aventurança.

         Por conseguinte, é com todo o Seu próprio Ser que Deus fala á alma, cuja correspondência ou resposta é formulada segundo todos os graus da vida interior.

         É o “Creio, Senhor!”, possível à criança e ao adulto, ao convertido e ao místico... Todos, no silêncio, podem recolher as capacidades da alma e ficar absorvidos num comportamento de feliz admiração, de adoração, de gratidão, de oferta.

 

         A Hóstia consagrada é a prova tangível e mais extasiante do Amor de Deus que, no Verbo, para além de Se fazer “carne”, se oferece como Vítima no Sacrifício que, sob as espécies sacramentais, atingiu os extremos confins da matéria bruta: a Eucaristia realiza a mediação contemplativa mais poderosa que todas as outras, porque as reassume a todas. Na Hóstia consagrada, o Tudo fez-Se nada...

 

         E é por este misterioso aniquilamento que mesmo o último dos fiéis pode sentir-se animado ou estimulado a abrir-se com Ele: conversar sobre a Sua vivencia terrena, relembrar triunfos e rejeições, bênçãos e ultrajes, alegrias inefáveis e tristezas morais...

         Qualquer poderá reconhecer e meditar no Seu agradável e misterioso olhar, no timbre da Sua voz, na amável ou amorosa majestade dos Seus gestos, nos sublimes momentos de intimidades vividos com Sua Mãe, com os discípulos, com os amigos...

 

         E poderemos também espiá-Lo, enquanto, de noite, mergulha na adoração ao Pai, no mais absorvido e solene silêncio da natureza.

         Penso que Ele Mesmo Se compraz em ouvir-Se relembrar, por quem Lhe recorda os Seus discursos, os prodígios, as controvérsias com os Fariseus, as horas de angústia, a suprema desolação da Cruz, como também a Sua vitória sobre o pecado e a morte...

 

         Comungar com Ele significa também contar-Lhe, com inteira liberdade, as nossas desventuras, os problemas, os erros, as esperanças... como teríamos feito, se tivéssemos tido o privilégio de O encontrar e viver com Ele na Terra, acolhê-Lo em casa...

 

         Porém, talvez com a nossa fé de hoje, teríamos mudos, com o coração cheio de comoções, absorvidos no contemplar simplesmente o Seu Rosto, fixar-Lhe o olhar, para depois desatar a chorar e confessar-Lhe a nossa imensa ternura de pobres criaturas, apenas necessitadas da Sua Infinita Misericórdia.

 

         Mas, com mais razão ainda, esquecendo-nos de nós mesmos, com tudo quanto nos diz respeito e tudo quanto por Ele Mesmo foi criado, admirados ou maravilhosos com o possuir o Imenso e o Eterno, abstraindo ou esquecendo-nos de todas as sombras e imagens, preferimos perder-nos no “Seio do Pai”. Contemplar o mistério da Sua Vida, mergulhar no abismo das razões pelas quais criou o mundo e lhe dirige ou governa a história. Na inefável intimidade com Ele, no Verbo feito carne e pão, preferimos adorar, calar, gozar.

 

         E tudo isto, antes que nos levantemos da Sua “mesa”, para retomar o caminho, neste desolado deserto da vida.

 

www.obradoespiritosanto.com

 

 

“Ficai conosco Senhor!”

 

Vítima sacrificada pelos pecados do mundo e oferecida como alimento de vida eterna, Jesus fica conosco, Hóspede, Amigo, Confidente, Fonte de Graça, fiel à promessa de nos não deixar órfãos. Contra a heresia protestante, a Comunhão Eucarística não exclui que Ele prolongue a Sua presença real no Sacrário.

 

Os termos do dogma são inequívocos: essa presença dura, até que as espécies sacramentais se mantenham inalteradas e, por conseguinte, elas mesmas são seu “sinais” mais certo para os crentes. Comprova-o a própria impiedade dos profanadores que, embora não podendo prejudicar fisicamente a pessoa de Cristo, ofendem, no entanto, a Sua Pessoa, que está justamente presente, onde quer que as propriedades de pão indiquem presença do Seu Corpo.

 

Corpo ressuscitado, glorioso, impassível, mas permanecido numa condição de morte, porque sacramentalmente separado do Seu Sangue: a Vítima, morta, prolonga virtualmente o Sacrifício celebrado. No sacrário, de fato, em virtude do sinal, não temos o Ressuscitado, mas o Crucificado. Se Ele nos redimiu, morrendo (e não já ressuscitado), convinha que ficasse como nós, sob as aparências dessa Sua Morte que continua a gerar-nos para a Vida, aplicando-nos os méritos da Sua Oferta cruenta; e não cessa de ensinar-nos a levar a nossa Cruz, a morrer para nós próprios.

 

Atualmente, na Sua condição de “ressuscitado” o Seu Corpo (por natural concomitância), vive e sente. Corpo informado pela alma racional que pensa e ama, como o exige a eminente perfeição da natureza humana feita Sua própria pelo Verbo. Por isso, o Homem – Cristo - Jesus, no Sacrário, está inteiro ou completo como quando vivia na Palestina, e está presente para nós, como já o estava para Seus familiares e amigos. Não importa se não Se vê: os sentidos não são critério absoluto de verdade: infinitas coisas são realíssimas, muito embora não sendo por eles percebidas.

 

Como quer que seja, nenhum entendimento criado poderia alguma vez dar - se conta da presença eucarística: os acidentes do pão, naturalmente, autorizam-nos a supor apenas a substância do mesmo, como único sujeito capaz de o fazer existir, comunicando-lhes o próprio ato de ser ou existir. Pela transubstanciação, de fato, não falta toda a relação ontológica entre propriedades do pão e substância do Corpo de Cristo, permanecendo apenas a Palavra de Deus a assegurar-me de que esta é real, mesmo sob acidentes que Lhe não são próprios. Não vejo, aliás, porque razão Deus, Causa Primeira, com a Sua Onipotência, não possa suprir a virtude da substância do pão (causa segunda), fazendo-o de maneira que existissem as propriedades deste sem o seu natural sujeito. É este um dos aspectos essenciais do mistério eucarístico.

 

Por isso, onde está uma hóstia incorrupta, aí mesmo descubro e adoro todo o Cristo, com Seu Corpo, a Sua Alma, a Sua Divindade. Divindade do Verbo a quem pertence o mesmo poder realizador do Pai, e que opera mediante o instrumento da Sua humanidade.

Trata-se de uma presença, não simbólica, mas real e substancial, condicionada, quanto à Sua localização sensível, às dimensões do pão, feitas subsistir prodigiosamente para tornar possível o culto eucarístico.

 

Culto de adoração, se devo acreditar que a hóstia consagrada é adorável, não pelas espécies sacramentais, mas pela sustância do Corpo de Cristo, que veio substituir a do pão. Adoro-O a Ele, Pessoa divina subsistente na natureza humana, e não os acidentes do pão e do vinho, que permanecem realmente distintos de Cristo como entidades criadas, pelo que pecaria por idolatria quem as adorasse por si mesmas.

 

Mostraria ignorar os próprios termos do dogma, quem supusesse que a teologia católica identifica a Pessoa com o sinal. O mais humilde dos catequistas sabe que a identificação da Pessoa de Cristo com o sinal sacramental, autorizaria a atribuir-Lhe a Ele Mesmo as qualidades do pão, contra tudo quanto de há séculos tem sido demonstrado sobre a impossibilidade que os acidentes do pão se tornem acidentes do Corpo de Cristo, por eucarístico ou glorioso que seja.

 

É por isso que, como acima se notou o Corpo de Cristo não pode ser alcançado ou atingido por agentes externos: enquanto é certo que, tal como os atos de amor Lhe são agradáveis, assim também os comportamentos hostis O ofendem.

 

E daqui o dever da adoração e da reparação, praticada sobretudo depois das aparições do Sagrado Coração a Santa Margarida Maria Alacoque: foi enorme o seu contributo para a vida da Igreja destes últimos séculos.

Precisamente a reparação lembrou ao mundo o significado mais sublime da Oferta cruenta da Cruz, tornada bem evidente pela liturgia eucarística. Ela mesma constitui a finalidade fundamental da mediação redentora de Cristo, em que Maria Santíssima participou num grau eminente; única de fato, foi a Sua compreensão da gravidade do pecado, como ofensa a Deus, que exige a reparação como via exclusiva da salvação...

 

Especialmente a partir do ano 600, a espiritualidade reparadora afirmou-se deveras, estimulando a procura ou investigação teológica, iluminando a vida pastoral, promovendo a fundação de Institutos religiosos, inspirando o próprio Magistério... A história documenta um especial florescimento de iniciativas reveladoras de uma surpreendente tomada de consciência do ministério Eucarístico, que abre as almas mais vigilantes a essa compaixão – expiadora, o aspecto mais profundo da vitalidade do Corpo Místico...

 

Refere-se ao Ministério Eucarístico a habitual linguagem dos Santos, absortos até a loucura, pela Sua realidade, indicada (não constituída) pelas espécies consagradas... É justamente a linguagem da Igreja docente que, elabora pela mais prudente e ajuizada ou penetrante teologia de todos os tempos, foi feita justamente pelo atual Pontífice, o mais autorizado intérprete da Tradição eclesial (Estamos nesse momento em 1994)

 

“ A visita ao Santíssimo Sacramento (havia declarado João Paulo II, no dia 29 de setembro de 1979) é um grande tesouro da Igreja Católica. Ela mesma alimenta o amor social e oferece-nos a possibilidade de adorar, de agradecer, de reparar e de suplicar. A benção com o Santíssimo Sacramento, as Horas Santas e as Procissões Eucarísticas são outros tantos e bem preciosos elementos da (nossa) herança, em pleno acordo com os ensinamentos do Concílio Vaticano II (...).

 

Cada ato de reverência, cada genuflexão que fazemos diante do Santíssimo Sacramento é importante, porque é um ato de fé em Cristo, um ato de amor a Cristo. “E cada sinal da cruz, todo gesto de respeito feito cada vez que passamos diante de uma igreja, é também um ato de fé...”.

 

E como poderia justificar-se um tal culto, se a presença eucarística não fosse real e adorável? Só atuando com uma tal presença Jesus nos pôde ter prometido que nos não iria deixar órfãos. Presença pela qual Se fez “alimento” e “bebida” das almas, realizando entre Si e nós essa inefável simbiose de graça, desejada e cobiçada por todos quantos O amam...

 

De resto, só uma presença devida à transubstanciação do pão e do vinho sob as distintas espécies dos dois elementos pôde tornar-nos participantes do Seu Sacrifício... Só a instituição do Sacramento, culme da super-Realidade de Cristo nos consentiu conviver com Ele, contempla-Lo nos nossos Sacrários, e devolver-Lhe amor pelo AMOR.

www.obradoespiritosanto.com

 

Primeira Conclusão:

 

A EUCARISTIA É TUDO

 

            A afirmação corresponde rigorosamente à verdade objetiva do dogma. Se a Eucaristia é o próprio Jesus na condição sacramental que atinge ou resume o seu mistério, é fácil intuir que o Cristianismo tira dela a consistência ontológica e histórica que o faz evidenciar ou sobrepor a todas as religiões do mundo.

 

         Na realidade, a Eucaristia compendia ou reassume todas as verdades reveladas, é a única fonte da graça, é a antecipação da bem-aventurança, recapitulação ou sumário de todos os prodígios da Onipotência.

 

         Como na encarnação, o Verbo Se não separou do Pai, nem do Espírito Santo; assim também, sob as espécies sacramentais, a vida trinitária arde em toda a sua misteriosa riqueza. Na hóstia Consagrada está todo o Paraíso. A solidão e o abandono de inúmeros Sacrários da Terra é compensada desmesuradamente pela adoração dos Anjos, pelo amor dos bem-aventurados. No gelado silêncio das nossas igrejas, com Jesus, permanecem inseparavelmente a Virgem Maria e São José, exultam os Patriarcas e os Profetas, rejubilam os Apóstolos e os Mártires, cantam em coro os Santos e a multidão incontável dos justos.

 

         Seria verdadeiramente absurdo supor que o Rei não fosse acompanhado e louvado pela Sua corte...; que no Mediador não convergissem os seres do Universo inteiro... Ele embora sob as dimensões de um fragmento de matéria é o Arquétipo, o Fim de toda a Criação.

 

         E é justamente a Sua condição sacramental que, velando o poder e a Glória de Cristo Ressuscitado, que evidencia a Sua Imolação, qual milagre dos milagres do Amor de Deus: na Eucaristia, está encerrado todo o bem espiritual da Igreja” ( Presbit. Ordinis, 5). Ela é “o culme e fonte de todo o culto e da vida cristã” ( Código do Directo Canônico, Cân. 897); “é como que a soma e o Centro da Sagrada Liturgia” (Pio XII, Méd. Dei, 57).

 

         Por isto, “entre todos os Sacramentos, é a Santíssima Eucaristia que leva a plenitude, a iniciação do cristão” (João Paulo II. Dominicae Cenae, 7); é por ela que este se insere plenamente no Corpo Místico (Presbit. Ordinis, 5). Por isso, fim e perfeição de todos os Sacramentos”, é a Eucaristia: eles conferem a graça que torna os fiéis dignos de a receber” (São Tomás de Aquino, Summa Theológica, q.73, art. 3, c).

 

         Por outro lado, Fonte de Graça distribuída pelos Sacramentos, é a vítima sacrificada na Cruz e tomada evidente pelas espécies eucarísticas do Sacramento dos Sacramentos. Por conseguinte, “a Eucaristia constrói a Igreja” (João Paulo II, Dominicae Cenae, 4), é o Centro da comunidade dos cristãos” (Presbit. Ordinis, 5); representa e produz “a unidade dos fiéis que constituem um só Corpo em Cristo” (Lumen Gentium, 3)

 

         Segue-se que “não é possível que se forme uma comunidade cristã, a não ser tendo como raiz e como fundamento ou base, a celebração da Sagrada Eucaristia, da qual deve pois tomar as ações ou iniciativas qualquer educação tendentes a formar o espírito de comunidade (Presbit. Ordinis, 6).

 

         Se para a Igreja, é isto mesmo a Eucaristia, a eficácia da atividade missionária está necessariamente condicionada à sua influência, sendo Fonte e Cume de toda a evangelização” (iv. 5). Por isso, a fé no mistério eucarístico, considerado em toda a sua riqueza que faz dele a síntese da Revelação Cristã, inclui uma tal ortodoxia que, ao católico, a seu respeito, não lhe resta nada mais que acreditar em nada a esperar senão dela.

 

         Em suma, “A Eucaristia tem força ou virtude de síntese na nossa religião; síntese doutrinal porque, sendo ela quase um prolongamento da Incarnação do Verbo de Deus no meio de nós, e sendo uma renovação sacramental do Sacrifício Redentor de Cristo, TODA A REVELAÇÃO SE CONCENTRA NESTE PONTO FOCAL, o mais misterioso e o mais luminoso da nossa fé, e síntese existencial, porque neste Sacramento do Pão do Céu, toda a realidade, toda a virtude, toda a derivação da vida cristã encontra a sua referência e o seu alimento...” (Paulo VI, Catechesi, 21.8.1968, para o XXXIX Congresso Eucarístico Internacional de Bogotá, em 18 a 25 de Agosto de 1968).

         “Encontrareis tudo na Eucaristia: a palavra de fogo, a ciência e os milagres!”, respondia São P. G Eymard, a quem se lhe dirija, para obter graças.

 

         “NÃO TENHO MAIS NADA A DAR-VOS. TENDES A EUCARISTIA: QUE MAIS QUEREIS?”. “DEPOIS DELA, NÃO HÁ MAIS QUE O CÉU!”

www.obradoespiritosanto.com

          

Segunda conclusão:

 

EUCARISTIA OU NADA

 

Uma afirmação destas só tem sentido para os crentes, que não são, nem os ateus que não crêem em Deus, nem os Hebreus e os Muçulmanos, que não crêem em Cristo, nem os Protestantes, que não crêem na Igreja Católica, Apostólica, Romana.

 

         Dirijo-me, pois, aos membros desta, eclesiásticos e leigos, para concluir, com uma série de considerações radicais, próprias para fazer pensar a sério, para decidir de uma vez para sempre, qual deve ser o comportamento de cada um nos seus confrontos com o Cristianismo, de adesão ou de rejeição.

 

         O dogma eucarístico, tal como é proposto, explicado, definido e vivido na Igreja, desde a sua origem, implica a fé na verdadeira, real e substancial PRESENÇA DE CRISTO.

 

         É este o ponto de que parto. Trata-se do dogma mais conhecido e discutido, tendo empenhado a reflexão teológica há mais de um milênio... Para o mesmo convergem todos os atos de culto. Verdade é que ele é o fundamento insuprimível da vida espiritual dos fiéis, o Centro de que irradiam todas as iniciativas e formas do dinamismo eclesial.

 

         E então: se a presença de Cristo nos nossos sacrifícios não é real, no sentido defendido pelo Magistério contra o Protestantismo, A Igreja Católica não tem nenhuma razão de existir. Nas hipóteses, esta seria o produto da mais colossal impostura.

 

            - Aludindo à presença real, derivada unicamente da transubstanciação, o pão consagrado reduzir-se-ia a um símbolo de Cristo e o pão ficaria apenas pão, mesmo que as palavras da consagração lhe tivessem conferido um significado e uma virtude que ele antes não tinha.

 

         - Negada a transubstanciação, não se daria a real presença de Cristo, COMO PRINCIPAL SACERDOTE OFERENTE A PRINCIPAL VÍTIMA OFERCIDA. A Missa, por isso, não seria a celebração sacramental do único, perfeito e irrepetível Sacrifício da Cruz. Através do simbolismo do pão consagrado, a Missa não seria senão a memória daquilo que aconteceu no Calvário. O rito, nessa hipótese, não seria celebrado por Cristo-Cabeça; mas pela Igreja-Corpo, que se limita a recordar aquilo que fez Cristo-Cabeça.

 

         - A Missa, se não é idêntico Sacrifício da Cruz, sacramentalmente oferecido, não exige nenhum sacerdote que a celebre na Pessoa de Cristo... concluir-se-ia que todos os fiéis seriam ou estariam autorizados a reevocá-lo, mesmo que sob a direção de alguém, digno e capaz de fazer as funções de presidente da assembléia.

 

         - Na Igreja Católica, a Hierarquia é fundada no Sacerdócio Ministerial. Todos os seus poderes, de fato brotam daquilo que, em virtude do Sacramento da Ordem, torna o presbítero capaz de realizar ou atualizar a obra expiadora e redentora realizada por Cristo com o Sacrifício da Cruz, suprema fonte de todo o bem, ou seja, de toda a luz da verdade e de toda a graça necessária para viver santamente e salvar-se: a faculdade de ensinar e de governar não tende para outra coisa.

 

         - Por conseguinte, se não se desse O SACERDÓCIO MINISTERIAL, não se daria sequer Hierarquia: aquela que, na Igreja, para além de dirigir, resolve infalivelmente, em nome de Cristo, todos os fundamentais problemas da fé e da moral.

 

         - Em tal hipótese, à supressão do sacerdócio e da hierarquia, seguir-se-ia o toldar ou apagar-se a luz da Revelação positiva, desde sempre interpretada e proposta pelo magistério infalível da Igreja, assistida pelo Espírito de Sua Cabeça invisível, Cristo, Sacerdote e Vítima, Pastor e Mestre da Verdade.

 

         - Faltando o magistério da Igreja, termos o verdadeiro ocaso da civilização cristã, pelo que o mundo voltaria à condição espiritual em que vivia antes de Cristo, e na qual, depois, se veio a encontrar, sempre que tem rejeitado a Sua mediação redentora, contando apenas consigo, ou seja, esbracejando na escuridão, na ignorância e na angústia da dúvida, que têm gerado interpretações, as mais contraditórias e absurdas, dos máximos problemas da existência... Ficando inteiramente subjugado ou esmagado sob a tempestade de paixões que o aviltam, até ao próximo embrutecimento, o exaltam até a loucura e à violência, que tudo desagrega e aniquila.

 

         Estas reflexões são destinadas a todos os fiéis, mas, sobretudo ao Clero: aquilo que costuma fazer boa figura na teologia protestante, que invade os centros católicos de estudo, propaga-se através de revistas e jornais, incarna-se numa prática litúrgica que insensivelmente, por culpa de pastores desprevenidos, vai cada vez mais escurecendo a consciência do povo, ao redor do mais sublime de todos os mistérios cristãos. Escrevi, não tanto como crente e teólogo, mas como historiador devidamente informado de dados absolutamente certos e definidos pela lógica que os coordena de um modo irrefutável.

 

         Dirijo-me, repito, sobretudo aos sacerdotes:

 

            - Que tratam Cristo-Eucarístico como um objeto, reduzindo-lhe a realidade substancial e pessoal a um vazio “símbolo”;

               - Que rejeitam o caráter sacrificial da Missa, para celebrar triunfalisticamente uma Ressurreição de Cristo que é apenas efeito da Sua morte;

- Que jamais compreenderam nem apreciaram o seu próprio sacerdócio, cuja dignidade os faz salientar-se ou elevar-se acima de todos os fiéis, com os quais, pelo contrário, demagogicamente, se comprazem em apresentar-se como sendo do mesmo nível; não aceitam a Hierarquia Eclesiástica, fundada na Ordem sagrada, pela qual os seus membros são autorizados a representar, como Seus ministros, Cristo-Cabeça do Corpo Místico e continuar assim a Sua obra redentora, ensinado, santificando e governando.

 

         A todos estes, digo:

 

“Vós, não acreditando no vosso sacerdócio, não tendes autoridade alguma sobre os fiéis, pelo que deveis renunciar ao vosso ministério e deixar assim de enganar o povo que vos segue, apenas porque vos considera ministros de Cristo, membros da Hierarquia. Se, não acreditando no vosso sacerdócio, vos pondes ao nível de todos os comuns crentes e por isso mesmo não podeis constituir uma categoria de pessoas de respeito, com privilégios e isenções perante o Estado, sem que vos distingas dos outros cidadãos, ou de seguidores ou sequazes de outras confissões religiosas...”.

 

         Se não estais conscientes, nem ciosos do vosso sacerdócio ministerial, o estudo da teologia como ciência de Deus que é, não é um dever para vós; pelo que podeis e deveis procurar uma outra via de cultura, pelo menos para salvar o vosso decoro pessoal e assim encontrardes com que descortinardes um outro meio de subsistência, como todos os honestos e honrados cidadãos.

 

         “Vós, se presumis ensinar em nome da Igreja Católica, ficai sabendo que as vossas convicções podem apenas arruína-la ou destruí-la, fazendo-a atacar como a mais iníqua sociedade humana, que há milênios, abusando da ignorância e da boa fé de milhões de criaturas, teria humilhado a todos, a ponto de impor que se preste um culto de latria a humildes alimentos da mesa humana.

 

         Foi por isso que a Igreja, por culpa vossa, sofreu, no decurso dos séculos, a repressão dos Governos, decididos a atingir-vos principalmente a vós, como os mais ignóbeis charlatães e parasitas da sociedade civil. Se vós disserdes, ou fizerdes compreender, ao público, que no Sacramento do altar, não está ninguém, todos ficarão autorizados a condenar-vos como os mais ímpios mistificadores da história.

 

 

DESPEDIDA

 

 

Termino um livro de estudo, não de caráter devocional, mesmo que o assunto me tenha obrigado às vezes a deter-me para refletir e adorar.

         Mas isso foi deveras provocado pela persistente ação agressiva atirada contra o Ministério Eucarístico, por alguns pretensos teólogos e liturgistas católicos, seguidos por uma corrente do Clero que contagia fiéis menos avisados ou informados e feverosos, defendendo a pior interpretação e aplicação da reforma litúrgica.

 

         O tom francamente decidido do escrito, corresponde à sua obra subversiva, o mais possível insidiosa ou astuta, insinuante e gradual, aparentemente respeitadora e delicada.

         Para torná-la mais eficaz junto da opinião pública, costumam ou escolheram eles mesmos classificar de tendências direitistas, tradicionalistas e lefebristas, todos quantos os contestam, presumindo ser apenas eles os únicos sábios, moderados, abertos ao espírito do Vaticano II, informados do seu ecumenismo.

 

         Mesmo que o Concílio, de índole prevalentemente pastoral, se tenha limitado a confirmar a anterior magistério solene e ordinário da Igreja, os novos profetas mostram não saber que, na área da única verdade autêntica, não se dá, nem direita nem esquerda... Mas sim que a Tradição por nós invocada é fonte da Palavra de Deus... Que verdadeiro ecumenismo é apenas abertura aos não crentes orientada no sentido de propagar a fé sempre propagada pela Igreja Católica..., e que a pessoa e obra de Mons. Lefebre não tem nada senão a ver com uma exposição doutrinal empenhada unicamente a defender a Verdade e a sintonizar com a Tradição.

 

          De todos aceito e agradeço apenas a indicação de algum involuntário desvio da via indicada pelo Magistério, à luz de uma documentação de tal modo conhecida, que me pareceu até supérfluo citar uma vez ou outra.

         E não menos agradecerei algum revelo crítico a respeito da elaboração especulativa do dogma. Não me bastou acreditar, tendo também querido compreender, pelo menos quanto basta para não embater ou chocar contra evidentes princípios da razão.

 

         É precisamente a “fides quaerenes intelectun”, em que Santo Agostinho me precedeu (Sermão 43,c.7,n.9 PL38,258). O seu mesmo ardor na procura da verdade me estimulou a enfrentar problemas particularmente árduos: “Rapinur amoe indagandar veritatis” (De Trinit. I c.5, n.8, PL42, 825).

 

         E na fadiga, ás vezes duríssima, ajudaram-me as grandes asas da autoridade e da razão: “Nulli autem dubium est gemino pondere nos impelli ad discendum, AUCTORITATIS ATQUERATIONIS”. (Contra Academ. III c. 20, PL 32 957).

 

         Finalmente, não hesito em declarar que, para conduzir a investigação com a devida seriedade no sulco da tradição patrística, preferi manter-me fiel ao mais genuíno tomismo, segundo a recomendação do Vaticano II.

         A falta de citações de São Tomás, em preciosos textos que lhe são bem próprios, mas que teriam alongado e sobrecarregado a exposição, é substituída pelas notas acrescentadas a este texto, que seguidamente publico a jeito de apêndice, oferecendo aos mais motivados e empenhados a possibilidade de ampliar e aprofundar a investigação.

 

         O sóbrio e límpido estilo de São Tomás consentirá a todos a surpresa de descer ao próprio CORAÇÃO do Corpo Místico, e perder-se na dimensão infinita do seu amor:

 

         “Ó pastor e pastagem,

            Sacerdote e Sacrifício,

            Alimento e Bebida dos eleitos,

            Pão e Vinho, alimento do espírito,

            Remédio na Enfermidade quotidiana,

            Mesa suavíssima!...”. (Sermão da festa do Corpo de Cristo)

 

         Não surpreende que os adversários do dogma eucarístico sejam ainda, na pista de Lutero, sobretudo os teólogos mais irredutivelmente hostis a São Tomás.

 

 

 

          

 

As cinco chagas da Liturgia

www.obradoespiritosanto.com

 

INTRODUÇÃO:

 

Prendeu-se-nos a atenção sobre este bem singular título, pelo simples fato de seu autor ser justamente o autor do já bem conhecido livro “Dominus est”, que nos vem esclarecer o tão profanado mistério da Eucaristia, nestes nossos tristes dias de hoje. Não havia dúvidas: teríamos que o tornar conhecido pelos leitores de “Anunciai a Boa Nova”, uma vez que também as nossas edições tiveram o gosto de traduzir o seu livro “Dominus este ele continuar à disposição de todos os leitores de “Edições Boa Nova”.

 

É bom não esquecer que este mesmo livro é prefaciado justamente pelo Secretário da Congregação do Culto Divino e da Disciplina dos Sacramentos, Sua Eminência, o Cardeal Ranjith, o que nos dá também uma perfeita idéia do que dele pensa o atual Papa Bento XVI. Aliás, todos deveremos certamente já conhecer a ideal forma como o próprio Papa administra sempre a Sagrada Comunhão: de joelhos, na “Mesa da comunhão”, e na boca. E este é também o motivo pelo qual, nesta nossa Fraternidade, assim se administra a Sagrada Comunhão.

 

Edições Boa Nova.

 

 

QUEM É MONS. SCHNEIDER?

 

Para o célebre vaticanista Sandro Magister, Monsenhor Athanasius Schneider é, com o Cardeal Ranjith, o melhor aluno de Bento XVI. Um aluno que o é, não apenas pelas idéias que defende, mas também pelo estilo que ostenta ou divulga.

 

Longe de ser um bispo mediático, é um homem meigo e bom, que respira uma fé profunda e tranqüila.

Nasceu no dia 7 de abril de 1961, no seio de uma família alemã (mas originária da Alsácia) deportada por Staline e um de seus avós foi mesmo fusilado em 1936, porque era considerado como “Koulak” (rico proprietário camponês, na Rússia).

 

Em 1973, a sua família conseguiu partir para a Alemanha, onde o jovem Schneider, que apenas falava russo, teve de se familiarizar como alemão e seguir o curso escolar em instituições religiosas.

 

Entrou seguidamente na Congregação dos Cônegos regulares da Santa Cruz e foi ordenado Sacerdote no dia 25 de março de 1990.

 

CHAMADO PARA O KASAQUISTÃO

 

No momento da preparação do seu doutoramento em teologia patrística em Roma, o futuro Mons. Schneider encontrou-se com um sacerdote do Kasaquistão, que o convidou a ensinar no primeiro Seminário deste país. Finalmente, o arcebispo de Karaganda, Mons. Jan Pawel Lenga, pediu-lhe que ficasse neste país para o ajudar na reconstrução da Igreja.

 

Primeiro, diretor espiritual do Seminário, Athanasius Schneider passou a ser o Chanceler da Cúria Episcopal de Karaganda, redactor chefe do Jornal católico em língua russa, Credo. Fundou igualmente três paróquias, antes de ser ordenado bispo, em Roma, no dia 2 de junho de 2006.

 

Mons. Schneider é também o autor do pequeno livro: “Dominus est” para compreensão do rito da comunhão praticado por Bento XVI (já nos tempos de 2008). A obra compreende uma pequena parte, que nos conta a vida heróica das mulheres católicas, por ele chamadas “eucarísticas” que, na época da dominação soviética levavam em segredo a Sagrada Comunhão aos fiéis. A partir destes exemplos, que ele mesmo conheceu diretamente, Mons. Schneider evoca ou traz-nos à recordação os Padres da Igreja e a história da Liturgia, tanto no Oriente como no Ocidente, esclarecendo-nos as razões e a importância de receber a Sagrada Comunhão de joelhos e na boca. Segundo Sandro Magister, “Quando Bento XVI leu o manuscrito de Mons. Schneider, em 2008, imediatamente ordenou às Edições do Vaticano (Libreria Editrice Vaticana) que o publicassem.”

 

Bispo missionário num país em que os católicos estão em minoria, profundamente caritativo e dominado pelo bem das pessoas, Mons. Schneider é também um homem de convicções que são bem enraizadas numa verdadeira vida de oração e numa formação teológica de primeira classe. No momento do seu encontro com o Reunicato (1), em janeiro passado, numa sala paroquial da Igreja de Nossa Senhora das Graças, em Paris, deu uma boa sova, sobretudo a um jovem clérigo diocesano, com as suas firmes propostas, feitas aliás com uma grande e caritativa delicadeza. Demos, pois, a palavra a Mons. Schneider:

(1)  http://reunicatho.free.fr/

 

 

AS CINCO CHAGAS DA LITURGIA

 

Para falar corretamente da nova evangelização, é indispensável lançar primeiro o nosso olhar sobre Aquele que é o verdadeiro Evangelizador, isto é, Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, o Verbo de Deus feito Homem.

 

O Filho de Deus veio a esta Terra para espiar e resgatar o maior pecado, o pecado por excelência. E este pecado, por excelência, da humanidade consiste na sua rejeição de adorar a Deus, na sua rejeição de Lhe reservar o primeiro lugar, o lugar de honra. Este pecado dos homens consiste no fato de se não prestar já atenção a Deus, no fato de se não ter já o verdadeiro sentido das coisas, isto é, nos pormenores ou pontos de vista que elevam ou nobilitam Deus e a adoração que Lhe é devida, no fato de se não querer já ver Deus, no fato de se não querer já ajoelhar diante d’Ele.

 

Perante uma tal atitude, a Incarnação de Deus é incômoda ou embaraçosa, como embaraçosa é também, por conseqüência, a presença real de Jesus no mistério Eucarístico, e embaraçosa é também a centralidade da presença Eucarística de Deus nas igrejas. Com efeito, o homem pecador quer pôr-se no centro, tanto no interior da igreja como na celebração Eucarística: quer ser visto, quer ser notado. E é esta a razão pela qual Jesus Eucaristia, Deus Incarnado, presente no Sacrário sob a forma eucarística, se prefere colocar de lado. A própria representação do Crucificado, na Cruz, ao centro do altar, na celebração virada para o povo é embaraçosa, porque então, o rosto do sacerdote passaria a ficar ocultado. Por conseguinte, a imagem do Crucificado, no centro, tal como Jesus Eucaristia, no Sacrário, igualmente no centro, são embaraçosos ou incômodos.

 

E deste modo, a Cruz e o Sacrário são pura e simplesmente postos de lado. Durante o Ofício, os assistentes devem poder ver ou observar permanentemente o rosto do sacerdote e este tem todo o prazer em se colocar literalmente no centro da Casa de Deus. E se por acaso Jesus Eucaristia é mantido no seu Sacrário, no centro do altar, porque o Ministério dos Monumentos Nacionais, mesmo sob um regime ateu, proibiu, por razões de simples conservação do patrimônio artístico, deslocá-Lo, o sacerdote, muitas vezes, ao longo de toda a celebração litúrgica, volta-Lhe às costas sem escrúpulo algum.

 

JESUS NO CENTRO

 

Quantas vezes, maravilhados, os fiéis adoradores de Cristo, na sua simplicidade e humildade se terão visto a clamar: “Abençoados sejais vós, os Monumentos Nacionais! Vós mesmos, pelo menos, nos tereis deixado Jesus no centro da nossa igreja.”

 

Só a partir da adoração e da glorificação de Deus e dá Igreja se poderá anunciar, de uma forma adequada, a Palavra da Verdade, isto é, evangelizar. Antes que o mundo ouvisse Jesus, o Verbo eterno feito carne, pregar e anunciar o Reino, Jesus calou-se e adorou durante trinta anos. E isso mesmo fica sendo para sempre a lei da vida e acção da Igreja, assim como a de todos os evangelizadores.

 

“É na forma de tratar a liturgia que se decide a sorte da fé e da Igreja”, afirmou o Cardeal Ratzinger, nosso atual Santo Padre, o Papa Bento XVI. O Concílio Vaticano II, quis lembrar a Igreja que realidade e ação deveriam tomar o primeiro lugar na sua vida. E foi justamente para isso que o primeiro documento conciliar foi consagrado à Liturgia. A respeito disso, o Concílio dá-nos os seguintes princípios:

 

Na Igreja, e por conseguinte na Liturgia, o humano se deve ordenar ao divino, o visível ao invisível, a ação à contemplação e o presente à Cidade futura a que todos nós aspiramos (cf. Sacrosanctum Concilium, n. 2).

 

Por isso, tudo, na Liturgia da Santa Missa, deve servir para que se exprima da mais nítida forma, a realidade do Sacrifício de Cristo, isto é, as orações de adoração, de ação de graças, de expiação, de petição, que o Eterno Sumo Sacerdote apresentou a Seu Pai.

 

 

UM CÍRCULO ABERTO

 

O rito e todos os pormenores ou detalhes do Santo Sacrifício da Missa devem estar orientados no sentido da glorificação e da adoração de Deus, insistindo-se, sobretudo, na centralidade da Presença de Cristo, quer no sinal e na representação do Crucificado, quer na Presença Eucarística no Sacrário, e sobretudo, no momento da Consagração e da Sagrada Comunhão. Quanto mais isto mesmo for respeitado, tanto menos o homem se coloca no centro da celebração, tanto menos a celebração se assemelha a um círculo fechado, mas sim pelo contrário está aberto, mesmo de uma forma exterior, para Cristo, como numa verdadeira procissão que se dirige para Ele, com o sacerdote à cabeça; e quanto mais uma celebração litúrgica refletir, de uma forma verdadeira, o sacrifício de adoração de Cristo na cruz, tanto mais ricos serão os frutos que os participantes irão receber na sua alma, que vêm da glorificação de Deus, tanto mais o próprio Deus os honrará.

 

Quanto mais o sacerdote e os fiéis procurarem em verdade, nas celebrações Eucarísticas, a glória de Deus e não a glória dos homens, e não procurarem receber a glória uns dos outros, tanto mais Deus os honrará, deixando, então, que a sua alma participe, de uma forma bem mais intensa e mais fértil, na glória e na honra de Sua vida divina.

 

Na hora atual e em diversos lugares da Terra, muitas são as celebrações da Santa Missa, em que se poderia dizer a seu respeito as palavras seguintes, invertendo deste modo as palavras do Salmo 113 B, versículo 1: “A nós, ó Senhor, e a nosso nome, dai glória” e por outro lado, o propósito de tais celebrações se aplicam as palavras de Jesus: “Como podeis acreditar, vós que tirais a glória uns dos outros e não buscais a glória que vem de Deus?” (Jo. 5, 44). O Concílio Vaticano II emitiu, a respeito de uma reforma litúrgica, os princípios seguintes:

 

1 – O humano, o temporal, a atividade devem, durante a celebração litúrgica, orientar-se pelo divino, pelo eterno, pela contemplação, e ter um papel subordinado, relativamente a estes últimos (cf. Sacrosanctum Concilium, n. 21).

 

2 – Durante a celebração litúrgica, dever-se-á encorajar ou estimular a tomada de consciência de que a liturgia terrestre participa da liturgia celeste (cf. Sacrosanctum Concilium, n. 8).  

 

3 - Não deve haver nela absolutamente nenhuma inovação e, por conseguinte, nenhuma criação nova de ritos litúrgicos, sobretudo no rito da Missa, a não ser que seja para um proveito verdadeiro e certo a favor da Igreja e sob a condição de que se proceda com prudência e de que eventualmente formas novas substituam formas já existentes de maneira orgânica (cf. Sacrosanctum Concilium, n. 23).

 

4 – Os ritos da Missa devem ser de tal forma, que o sagrado seja expresso mais explicitamente (cf. Sacrosanctum Concilium, n. 21) .

 

5 – O latim deve ser conservado na liturgia, e sobretudo na Santa Missa (cf. Sacrosanctum Concilium, n.os 36 e 54).

 

6 – O canto gregoriano tem o primeiro lugar na liturgia (cf. Sacrosanctum Concilium, n. 116).

 

Os Padres conciliares viam as suas propostas de reforma como a continuação da reforma de São Pio X (cf. Sacrosanctum Concilium, n. os 112 e 117) e do servo de Deus Pio XII, e com efeito, na constituição litúrgica, é a encíclica Mediator Dei do Papa Pio XII que mais é citada.

 

O Papa Pio XII deixou à Igreja, entre outros, um princípio importante da doutrina sobre a santa liturgia, isto é, a condenação daquilo que se chama o arqueologismo litúrgico, cujas propostas coincidiam largamente com as do sínodo jansenista e protestantizante de Pistóia, de 1786 (cf. Mediator Dei, n. os 63 e 64). E que de fato lembra os pensamentos teológicos de Martinho Lutero.

 

 

UM SACRIFÍCIO E NÃO UM BANQUETE

 

Eis porque já o Concílio de Trento condenou as idéias litúrgicas protestantes, notavelmente a acentuação exagerada da noção de banquete na celebração Eucarística em detrimento do caráter sacrificial, a supressão dos sinais unívocos de sacralidade como expressão do mistério da liturgia (cf. Concílio de Trento, seção XXII).

 

As declarações litúrgicas doutrinais do magistério, como neste caso do Concílio de Trento e da Encíclica Mediator Dei, que se refletem numa práxis litúrgica secular, isto é, de mais de um milênio, constante e universal, estas declarações, por conseguinte, fazem parte deste elemento da santa Tradição que se não pode abandonar, sem correr graves riscos no plano espiritual.

 

Estas declarações doutrinais sobre a liturgia, retomou-as o Vaticano II, como se pode constatar ao ler os princípios do culto divino na constituição litúrgica Sacrosanctum Concilium.

 

Como erro concreto no pensamento e agir do arqueologismo litúrgico, o Papa Pio XII cita a proposta feita de dar ao altar a forma de uma mesa (cf. Mediator Dei, n. 62). Se já o Papa Pio XII recusava o altar com uma forma de mesa, imagine-se como ele teria a fortiori, com maior força de razão rejeitado a proposta de uma celebração como ao redor de uma mesa “versus populum (virada para o povo)!

 

Se o Sacrosanctum Concilium ensina no n. 2 que, na liturgia, a contemplação deve ter a prioridade e que toda a celebração da Santa Missa deve ser orientada para os mistérios celestes (cf. itens n. os 2 e 8), nele se encontra um eco fiel da seguinte declaração do Concílio de Trento que dizia:

 

“uma vez que a natureza do homem está feita de tal modo, que se não deixa facilmente erguer para a contemplação das coisas divinas sem ajudas exteriores, a Mãe Igreja, na sua benevolência, introduziu ritos preciosos; e recorreu, apoiando-se no ensinamento apostólico e na tradição, as cerimônias tais como bênçãos cheias de mistérios, velas ou círios, incenso, vestes litúrgicas e muitas outras coisas; tudo isso deveria incitar os espíritos dos fiéis, graças a sinais visíveis da religião e da piedade, à contemplação das coisas sublimes.” (Sessão XXII, cap. 5)

 

Os ensinamentos citados do magistério da Igreja, e sobretudo o da Mediator Dei , foram sem dúvida alguma reconhecidos pelos Padres conciliares como plenamente válidos; por conseguinte, eles mesmos devem continuar hoje ainda a ser plenamente válidos para todos os filhos da Igreja.

 

Na sua carta dirigida a todos os bispos da Igreja católica, que Bento XVI juntou ao motu próprio Summorum Pontificum de 7 de julho de 2007, o Papa faz esta declaração importante: “Na história da liturgia, há crescimento e progresso, mas não ruptura. Aquilo que foi sagrado para as gerações passadas, deve permanecer sagrado e grande para nós.” 

 

Dizendo isto, o Papa exprime o princípio fundamental da liturgia que o Concílio de Trento, o Papa Pio XII e o Concílio Vaticano II ensinaram.

 

 

PRINCÍPIOS NÃO SEGUIDOS   

 

Se olharmos agora, sem preconceitos e de uma forma objetiva, para a prática litúrgica da esmagadora maioria das Igrejas em todo o mundo católico, em que a forma ordinária do rito romano está em uso, com toda a honestidade, ninguém poderá negar que os seis princípios litúrgicos mencionados pelo Concílio Vaticano II não são respeitados ou apenas o serão bem pouco; muito embora se declare, erroneamente, que essa prática da liturgia foi sonhada pelo Vaticano II.

 

Há um certo número de aspectos concretos, na prática dominante atual, no rito ordinário que representam uma verdadeira ruptura ou contradição com uma prática litúrgica constante, desde há mais de um milênio. Trata-se dos seguintes usos litúrgicos, que bem se poderão designar como sendo AS CINCO CHAGAS DO CORPO MÍSTICO LITÚRGICO DE CRISTO.

 

Trata-se de chagas, porque elas representam uma violenta ruptura com o passado; porque na realidade elas põem um bem menor acento no caráter sacrificial, que entretanto é extraordinariamente belo e que é justamente o caráter central e essencial da Santa Missa, e sublinham acima de tudo a idéia de banquete. E tudo isso diminui os sinais exteriores da adoração divina, porque põem em muito menor relevo o caráter do mistério, naquilo que ele tem de celeste e eterno.

 

Quanto às cinco chagas, trata-se daquelas que, com exceção de uma delas (as novas orações do ofertório), não estão previstas na forma ordinária do rito da Santa Missa, mas foram INTRODUZIDAS PELA PRÁTICA DE UM MODO BEM DEPLORÁVEL.

 

1 – A primeira chaga e a mais evidente é a celebração do Santo Sacrifício da Missa, em que o sacerdote celebra virado para os fiéis, particularmente na Oração Eucarística e na Consagração, o momento mais alto e o mais sagrado da adoração que é devida a Deus. Esta forma ou posição exterior corresponde mais, pela sua natureza, à forma de que se faz uso no momento em que se partilha uma refeição. Estamos, pois, na presença de um círculo fechado. Ora, esta forma, não está de modo algum conforme com o momento da oração, e muito menos ainda com o da adoração. Esta forma, de modo algum foi sequer sonhada ou desejada e jamais foi recomendada pelo magistério dos Papas pós-conciliares. O Papa Bento XVI escreve, no seu prefácio ao primeiro tomo das suas obras completas:

 

“A idéia de que o sacerdote e a assembléia devem estar a olhar-se no momento da oração nasceu entre os modernos e é absolutamente estranha à cristandade tradicional. O sacerdote e a assembléia não se dirigem mutuamente uma oração, mas é ao Senhor que ambos se dirigem, eis porque, na oração, eles mesmos devem olhar na mesma direção: ou para o Oriente, como sendo esta direção o símbolo cósmico do regresso do Senhor, ou então, onde isto não seja possível, para uma imagem de Cristo situada na ábside, para uma cruz ou muito simplesmente para o alto.”  

 

                        

VIRADOS PARA O SENHOR

 

A forma da celebração em que todos dirigem o seu olhar para a mesma direcção (conversi ad orientem, ad Crucem, ad Dominum – virados para o Oriente, para a Cruz, para o Senhor) é até mesmo evocada pelas rubricas do novo rito da Missa (cf. Ordo Missae, n. 25, nn 133 e 134). A celebração que se chama “versus populum (virado para o povo) não corresponde evidentemente à dieia da santa liturgia, tal como ela é mencionada nas declarações do documento do Vaticano II (Sacrosanctum Concilium n. 2 e 8).

 

2 – A segunda chaga é a comunhão na mão, espalhada praticamente em toda a parte, no mundo.

 

A segunda chaga é a comunhão na mão, espalhada praticamente em toda a parte, no mundo. Não só esta forma de receber a comunhão não foi evocada ou citada de modo algum pelos Padres conciliares do Vaticano II, mas também é tristemente introduzida por um certo número de bispos em claríssima desobediência à Santa Sé, e no desprezo do voto negativo, em 1968, da maioria do corpo episcopal (1).  Só depois o Papa Paulo VI a legitimou sob condições particulares, e bem contra a sua própria vontade.

 

O Papa Bento XVI, depois da festa do Santíssimo Sacramento de 2008, não mais distribuiu a Comunhão senão a fiéis de joelhos e na língua, exigindo sempre a chamada “mesa da comunhão”, e não apenas em Roma, mas também em todas as igrejas locais que visita. Com esta atitude, ele mesmo dá a toda a Igreja, um claro exemplo do magistério prático em matéria litúrgica. Se a maioria qualificada do corpo episcopal, três anos depois do Concílio, rejeitou ou recusou a Comunhão na mão, como algo de nocivo ou prejudicial, quanto mais os Padres conciliares o teriam igualmente feito!

 

(1) – Em Portugal, e soubemo-lo diretamente do próprio Arcebispo Primaz, D. Francisco Maria da Silva, infelizmente, esta determinação veio de uma simples votação feita pela própria Conferência Episcopal reunida em Fátima. Venceu a maioria, mas o próprio Arcebispo de Braga de então exigiu que na Ata da reunião se declarasse: “O Arcebispo de Braga não assina esta decisão.” Ainda hoje recordamos o próprio lugar do Santuário do Sameiro em que o Sr. D. Francisco Maria da Silva no-lo declarou pessoalmente, ao dizer-nos qual a sua opinião sobre a Comunhão na mão. E reconhecemos aliás que, já nesse tempo, a opinião do Arcebispo de Braga, D. Francisco Maria da Silva, estava plenamente de acordo com a decisão do Papa de hoje, Bento XVI.

 

3 – A terceira Chaga são as novas orações do Ofertório.

 

Elas são uma criação inteiramente nova e jamais foram usadas na Igreja. Estas orações exprimem muito menos a evocação do mistério do Sacrifício da Cruz, que a de um banquete, que lembra as orações da refeição sabática dos Judeus. Na tradição mais que milenária da Igreja, tanto do Oriente como do Ocidente, as orações do Ofertório tem sempre sido orientadas expressamente no sentido do mistério do Sacrifício da Cruz (cf. p. ex. Paul Tirot, História das orações do ofertório, na liturgia romana, do século VII ao século XVI, Roma, C.L.V., 1985).

 

Uma tal criação absolutamente nova está sem dúvida alguma em contradição com a formulação bem clara do Vaticano II que lembra: “Finalmente, não se introduzam inovações, a não ser que uma utilidade autêntica e certa da Igreja o exija, e com a preocupação de que as novas formas como que surjam a partir das já existentes” (Sacrosanctum Concilium, n. 23).

 

4 – A quarta chaga é o desaparecimento total do latim e do canto gregoriano, na imensa maioria das celebrações Eucarísticas de forma ordinária, na totalidade dos países católicos.

 

Está nisso uma infração direta contra as decisões do Vaticano II.  

 

5 – A quinta Chaga é o exercício dos serviços litúrgicos de Leitor e de Acólito por mulheres, assim como o exercício destes mesmos serviços em hábito civil, penetrando assim no coro durante a Santa Missa, vindos diretamente do espaço reservado aos fiéis.

 

Este costume jamais existiu na Igreja ou, pelo menos, nunca foi bem-vindo. Um tal costume confere à celebração da Santa Missa católica o caráter exterior de algo informal, o caráter e o estilo de uma assembléia, mais profana que religiosa. O segundo concílio de Nicéia já proibia, em 787, tais práticas, editando este cânone: “Se alguém não está ordenado, não lhe é permitido fazer a leitura do ambão, durante a santa liturgia.” (can 14)

 

Esta norma foi constantemente respeitada na Igreja. Só o subdiáconos ou os leitores tinham o direito de fazer a leitura durante e liturgia da Missa. Em substituição do subdiáconos e leitores ou acólitos que viessem a faltar, só homens ou jovens moços de hábitos litúrgicos as poderiam fazer, e não mulheres, uma vez reconhecido que o sexo masculino, no plano da ordenação não sacramental dos leitores e acólitos representa simbolicamente a última ligação com as ordens menores.

 

Nos textos do Vaticano II, não é feita de modo algum qualquer menção da supressão das ordens menores e do subdiaconado, nem da introdução de novos ministérios. Na Sacrosanctum Concilium n.28, o Concílio faz a diferença entre minister e fidelis durante a celebração litúrgica e estipula ou determina que um e outro tenham direito de não fazer senão aquilo que lhes compete segundo a natureza da liturgia. O n. 29 menciona os “ministrantes”, isto é, os servos do altar que não receberam nenhuma ordenação. Em oposição a esses “ministrantes”, haveria, segundo os termos jurídicos da época, os “ministros”, isto é, aqueles que receberam uma ordem, quer maior, quer menor.

 

UM APELO A UM ESPÍRITO MAIS SAGRADO

 

Pelo motu próprio “Summorum Pontificum”, o Papa Bento XVI estipula ou determina que as duas formas de rito romano são de considerar e de tratar com o mesmo respeito, porque a Igreja continua a ser a mesma antes e depois do Concílio. Na carta que acompanhou o motu próprio, o Papa deseja que as duas formas se enriqueçam mutuamente. Além disso, deseja que na nova forma “se verifique, mais do que tem acontecido até ao presente, o sentido do sagrado, que acaba por atrair muitíssimas pessoas para o rito antigo.”

 

As quatro chagas litúrgicas ou infelizes práticas (celebração virada para o povo (versus populum), comunhão na mão, abandono total do latim e do canto gregoriano e intervenção das mulheres no serviço da leitura e no de acólitos), não tem em si mesmas nada a ver com a forma ordinária da missa e estão ainda mais em contradição com os princípios litúrgicos do Vaticano II. Se se pusesse termo a estas práticas, voltaríamos ao verdadeiro ensinamento litúrgico do Vaticano II. E nesse momento, as duas formas do rito romano se viriam então a aproximar muitíssimo, de forma que, pelo menos exteriormente, em nada teríamos que reconhecer ruptura alguma entre essas duas formas e, por esse motivo, não haveria ruptura alguma entre a Igreja antes do Concílio e a Igreja depois do mesmo Concílio.

 

Naquilo que se relaciona com as novas orações do Ofertório, seria desejável que a Santa Sé a substituísse pelas orações correspondentes da forma extraordinária ou, pelo menos, que permitisse a sua utilização ad libtum. E deste modo, seria evitada a ruptura entre as duas formas, não apenas exteriormente, mas também interiormente.

 

A ruptura na liturgia é justamente aquilo que a maioria dos Padres conciliares jamais quis; e testemunham-no muitíssimo bem as Atas do Concílio, porque nos dois mil anos de história da Liturgia na Santa Igreja, jamais houve ruptura litúrgica e, por conseguinte, jamais a deve haver agora. Pelo contrário, deve haver nela uma continuidade, como convém que o seja para o próprio magistério. As cinco chagas no corpo litúrgico da Igreja aqui evocadas ou indicadas reclamam ou exigem uma verdadeira cura. Elas mesmas representam uma ruptura semelhante à do exílio de Avinhão.

 

A situação de uma tão nítida ruptura numa expressão da vida da Igreja, que está bem longe de ser sem importância (outrora, a ausência dos papas da cidade de Roma; hoje, a ruptura visível entre a liturgia de antes e de depois do Concílio), e, por conseguinte, esta situação exige cura.

 

Eis porque se tem hoje necessidade de novos santos, de uma ou de mais Santas Catarinas de Sena (2). Tem-se necessidade da “Vox populi fidelis” (voz do povo fiel) a reclamar a supressão ou desaparecimento desta ruptura litúrgica. Mas o trágico da história é que hoje, como outrora, no tempo do exílio de Avinhão, uma grande maioria do clero, sobretudo do alto clero, se satisfaz com este exílio, com esta ruptura. Antes que se possam esperar frutos eficazes e duradoiros da nova evangelização, é necessário primeiro que se instaure no interior da Igreja um processo de verdadeira conversão. Como poderemos nós chamar ou convidar os outros a converter-se enquanto entre aqueles que fazem este mesmo convite se não realizou ainda nenhuma conversão convincente para Deus, porque, na liturgia, eles mesmos se não viraram suficientemente para Deus, tanto interior como exteriormente? Celebra-se o Santo Sacrifício de Cristo, o maior mistério da fé, o ato de adoração mais sublime, num círculo fechado, olhando-se uns para os outros.

(2) Santa Catarina de Sena foi célebre nas suas famosas e bem determinantes cartas enviadas ao Papa, nesse tempo a viver em Avinhão e não em Roma, declarando-lhe o seu indiscutível dever de viver em Roma e não em Avinhão. Graças a Deus, a biblioteca desta nossa Fraternidade tem a oportunidade de possuir e conhecer muito bem estas famosas cartas e variados escritos espirituais de S. Catarina de Sena. (n.d.t.p.)

 

 

A CONVERSÃO PARA DEUS “CONVERSIO AD DOMINUM”

 

Falta a “Conversio ad Dominum” necessária, mesmo exteriormente, fisicamente. Uma vez que durante a liturgia se trata Cristo como se não fosse Deus, e que se lhe não manifestam sinais exteriores claros de uma adoração devida só a Deus, pelo fato de os fiéis receberem a Sagrada Comunhão de pé e, mais ainda, tomarem a Hóstia Consagrada nas suas mãos, como se tratasse de um ordinário alimento, agarrando-o com os dedos e metendo-o eles mesmos na boca. Há nisto o perigo de uma espécie de arianismo ou de um semiarianismo eucarístico. Uma das condições necessárias de uma frutuosa nova evangelização seria o testemunho seguido por toda a Igreja no plano de culto litúrgico público, que observasse pelo menos estes dois aspectos de culto divino, isto é:

 

1 – Que em toda a terra, a Santa Missa fosse celebrada mesmo na forma ordinária, com a “Conversio ad Dominum” interiormente e também de um modo necessário exteriormente. Virados para Deus e não para o povo (versus Deum e não versus populum).

 

2 - E que os fiéis dobrassem o joelho diante de Cristo, no momento da Sagrada Comunhão, como o próprio São Paulo o pede, ao invocar o Nome e a Pessoa de Cristo (Fil. 2, 10); e que os mesmos fiéis O recebessem com o maior amor e o maior respeito possível, como aliás Lhe convém, como verdadeiro Deus que é. Deus seja louvado pelo Papa Bento XVI, que encetou ou iniciou, com duas medidas concretas, o processo do regresso do exílio avinhonês litúrgico (exílio litúrgico de Avinhão), isto é, pelo motu próprio Summorum Pontificum  e pela reintrodução do rito da comunhão tradicional (de joelhos e na boca).

 

Há ainda necessidade de muitas orações e talvez de uma nova Catarina de Sena, a fim de que se realizem todos os outros passos, de forma a curar as cinco chagas do Corpo Litúrgico e Místico da Igreja e que Deus seja venerado na liturgia com esse amor, com esse respeito, com esse sentido do sublime, que foram sempre as características da Igreja e do seu Ensinamento, notavelmente através do Concílio de Trento, do Papa Pio XII, na sua encíclica Mediator Dei, do Concílio Vaticano II, na sua constituição Sacrosanctum Concilium e do Papa Bento XVI, na sua teologia da Liturgia, no seu magistério litúrgico prático e no motu próprio já citado.

 

Ninguém poderá evangelizar, se não tiver primeiro adorado, e mesmo se não adorar permanentemente e não der a Deus, a Cristo Eucaristia, a verdadeira prioridade, na forma de celebrar e em toda a sua vida. Com efeito, para retomar as palavras do próprio Cardeal Joseph Ratzinger: “É na forma de tratar a liturgia que se decide a sorte ou destino da fé e da Igreja.

 

 Mons. Athanasius SCHNEIDER

15 de janeiro de 2012

(em “L’Homme Nouveau”, n° 1511 de 11.2.2012)

 

 

Fonte: Revista mensal Anunciai a Boa Nova - Portugal. N° 313 - Abril de 2012.


 

               > A SANTA MISSA É O SOL DA IGREJA.

        > COMEÇARAM A EXTINGUIR A SAGRADA EUCARISTIA.

 

www.obradoespiritosanto.com

 

 

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças